0

Dicionário Yorubá

DICIONÁRIO YORUBÁ/PORTUGUÊS

DICIONÁRIO YORUBÁ/PORTUGUÊS

YORUBÁTrabalho organizado por Regina Augusta Gomes com o auxílio de muitas pessoas e livros as quais deixo os meus agradecimentos. PALAVRAS EM YORÙBÁ COM TRADUÇÃO PARA O PORTUGUÊS 5°. Edição …………………………….. A A – nós (pronome pessoal) ÁÀ! – ah! (interjeição) ÀÀBÒ – meio, metade (Vd. ÀÀRIN) ÀÀFIN, AFIN – palácio AAGO ÌPÈNÌYÀN – campainha AAGÚN – suor (Vd. ÒÓGÙN) ÀÀJÀ – Sineta de metal composta de uma, duas ou mais campainhas utilizadas por Pais-de-santo para incentivar o transe. Também chamado Adjarin. AÁKÉ – machado AARÁ – raio, trovão (Vd. MÀNAMÁNA, EDÚN AARÁ, SAN) AARÁ ÒRUN – relâmpago ÀÀRÈ – doença, fadiga, cansaço ÀÀRIN – médio, entre ÀÀRIN – meio, entre (Vd. ÀÀBÒ) ÀÁRÒ – manhã (Vd. AWURÓ, ÓWURÓ, ORO) ÀÀYÈ – vida AAYÙ – alho ABA – escada de mão ABÁ – pessoa idosa, velha ABÀ – mercado, tentativa (Vd. DALASÁ, ARÓ, ÓBUN, OJÁ) ABAA – dar um tapa (Vd. ABARÁ OWÓ) ABADÁ – blusão usado pelos homens africanos ABADENÍ – estrada (Vd. ÓNA) ABADÓ – milho de galinha ÁBAFU – acaso (Vd. ORIRÈ) ABAFU – boa sorte, fortuna, riqueza (Vd. OLÁ) ABA-LAXÉ-DI – cerimônia da feitura do santo ABAMÍ – estranho, visita (Vd. ÁLEJÒ, ÀJASÉ, PANDAN, OLOJÓ) ÁBAMÓ – tristeza, dor (Vd. FIFARO, ÌBANÚJÉ) ABÂN – coco ABÁNIGBÈRO – conselheiro, sábio mais velho ABANIJÉ – difamador ABARÁ – bolo feito com feijão e frito no epô, comida de origem africana. ABARÁ OWÓ – dar um tapa (Vd. ABAA) ÁBAREBABÓ – êxito ABATÀ – sapato, calçado (Vd. BÀTÀ, ÌSO BÁTÀ) ÁBAWON – tintaABAYA – rainha mãe ABÉ – parte de baixo (Vd. ÌDÌ) ABE – navalha (Vd. OBÈ-JERÍ, OBÈ FARIN, AGBE)ÁBÈBÈ – leque ABÈBÈ ONINA – ventilador ÀBÉLÀ – vela (Vd. INÁ) ABELÉ – fundo ABEOKUTA – Capital de EGBA, reino nativo de Lagos ABÉRE – agulha, alfinete ABÈTÈ – botequim, bar ABI – nascer ÀBI – ou ABIÃ – Posição inferior da escala hierárquica dos candomblés ocupada pelo candidato antes do seu noviciado; em yorùbá significa “aquele que vai nascer”. ABÍKÉHÌN – caçula ABIKU – “aquele que predestinou a morte” ABILEKÓ – mulher casada ÁBINIBI – hereditário ABÍNIKÚ – calúnia ABIODUM – um dos Obá da direita de Xangô ABÍYA – axilas, sovaco ÀBÒ – volta, retorno, metade (Vd. IDÀJI) ABÓ – amparo ABO – bandeja, ganso, fêmea, feminina ÁBO– prato, louça de barro (Vd. ÀWO) ABÒ – escudo ABO AJA – cadela ABO ESIN – égua ABOMALÈ – aquele que cultua os ancestrais (egúngún) ABO MÀLÚÙ – vaca ABÒRISÀ – aquele que cultua, adora os Orixás ABORÔ – Denominação genérica dos òrìsà masculinos, por oposição as iabás, que são as divindades femininas. ÁBOSÍ – decepção ABOSI – pobre (Vd. AKUSE TÁLÁLÀ) ABÓYA – abertamente ABOYÁ – talvez (Vd. BÓYÁ. KIOSE, KIORIBE) ABOYÚN – mulher grávida ABUKÉ – corcunda ABÙKÚ – defeito, deformado (Vd. ÀLEBÚ) ÁBUKU – amaldiçoado, desgraçado (Vd. TOSI) ÁBUMÓ – exagero ABUNI – abusado ÀBÚRÒ – irmão (ã) mais novo de idade ÀBÚRÒ OBÌNRIN – irmã mais nova ÀBÚRÒ OKÙNRIN – irmão mais novo ABUSÓ – adivinho (Vd. ÁLAMÓ, ALAFOSÉ, AFONILEIYÈ) ABUSO – idéia ABUWÉ-KÈ – sabonete ÀDÁ – facão ÀDÀBÀ – pomba silvestreÁDAGUN – lago ADAHUN – Tipo de ritmo acelerado e contínuo executado nos atabaques (vd.) e agogós. É empregado, sobretudo nos ritos de possessão como que para invocar os òrìsà. ADÀJO – juíza (Vd. ONIDAJÓ, ÌDÁJÓ) ADAMÓ – herói, heresia ÁDAMO – natural (Vd. ÀDANIDÁ, EDÁ, ÌWA ÈDÁ) ÁDAMORAN – teoria ÀDÁN – morcego (Vd. ÁJAO) ÀDANIDÁ – natural – natural (Vd. ÁDAMO, EDÁ, ÌWA ÈDÁ) ADANIRÚ – intruso ÁDANÚ – perda (Vd. JIJÓ) ÀDÁ ÒBE, ÀWODI – facão ÁDAPO – aliança, união ADE – Termo com que se designam (nos candomblés) em especial os efeminados e, genericamente, os homossexuais masculinos. ADÉ – coroa ÁDEBA – desgraça, vergonha (Vd. IPARUN, ÈTÉ) ADÈBO – pessoa que prepara a comida com os animais oferecidos em sacrifício de acordo com as regras religiosas. ADEDÓ – pescador (Vd. ADÉJÀ, APEJA, PEJA)ADÉHUN – acordo ADENA – vigia ADE OBA – coroa real ADETÁ – nome sacerdotal ADÌE – galinha ADÌE ODÒ – gaivota ADÌE SÍSUN – galinha assada ADIJA, ADJA – sineta ÀDIMÓ – abraço ADIMU – comida (Vd. AJEUN) ADINKARÀ – padeiro (Vd. ILÉ BÙRÉDÌ) ADIRE – tecido estampadoADIRE-IRANNA – uma ave “ave que compra a estrada” para que o morto encontre um bom caminho ADITÍ – surdo, mudo ADÓ – comida feita com pipocas e epô ADOGÁN – fogão ADÓRIN – setenta (numeral) ADÓRUN – noventa (numeral)ADÓSÙU – Diz-se daquele que teve o osùu assentado sobre a cabeça. O mesmo que iaô. ADOTA – cinqüenta ADUFE – Pequeno tambor. Instrumento de percussão de uso mais freqüente nos xangôs no Nordeste. ÁDUFÈ – bem amado ADÚGBÒ – bairro (Vd. AGBÈGBÈ, AMÒ, ÀDÙGBÒ, ALÓ) ADUN – comida de Osun, milho picado, azeite dendê e mel ADUN – sabor, doce (Vd. DÙN, LADÙN)ADÙN – doçura, bolo ADUNÁ – adversário ADUN IREKE – açúcar ADÚPÉ – obrigado (agradecimento) ADUPÉ-LEWÔ-OLORUM – graças a Deus por ter conservado minha vida e a minha saúde ADÚRÀ – prece, oração, reza (vd. KIRUN) AFÁ – ponte (Vd. AFARÁ, GÁDÀ) AFAIYÁ – feitiço, telepatia AFAIYÁ-KORIN – encantador (Vd. NIFAIAYA, GBAJÉ) AFÁRÁ – ponte, viaduto ÁFARADÀ – paciência, resignação (Vd. SÙRÙ) AFARÁ-OYIN – favo de mel AFÉ – abanar, soprar, ventar (Vd. JADE, FÉ) AFÈ – amante AFÉFE – vento, ar, mensageiro de Oya AFEFEJEJE ou EFEFE JEJE – brisa (Vd. ATÉGÙN) AFEFE ÒJÍJÍ – corrente de ar AFEMOJUMO – madrugada AFEYIKA – ventania AFIN – O mesmo que ifin. Designa a noz-de-cola branca, na língua yorùbá; por extensão a cor branca (vd. efun). ÀFÍN – albino AFIN – palácio do rei (Vd. ÀÀFIN) AFINNÀ – forja AFIRIKA – África AFISIRÈ – brinquedo ÀFOGÁN – fogão, forno (Vd. ÀRÌRO) AFÓJU – cego ÀFOMÓ – doença infecciosa trazida pelo orixá das doenças ÀFÒMÓN – parasitas e plantas rasteiras AFONAHAN – líder (Vd. OLORÍ) ÁFONIFOJÍ – vale AFONILEIYÈ – adivinho (Vd. ABUSÓ, ÁLAMÓ, ALAFOSÉ) AFONJÁ – uma qualidade de Xangô AFORANMÓNI – falso (Vd. NIBURA, LAILOTÓ) ÀFORÍJÌ – perdão AFOSO – lavadeira (Vd. IBI ÌFOSO) AFUNJA – SOBRINHO DE Arogangan re de Yorubá nomeado Governador de Ilorin AFUNNÚ – fanfarrão (Vd. ONIHALÉ) AFURÁ – bolo feito com arroz ÁGÀ – cadeira ÁGA – trono ÁGABÁ – abrigo AGABDÁ – roupa, pano (Vd. ÉWÚ, ASO) ÁGADÁ – barracão AGADA-GÓDO – tranca ÀGÁDAGOGO – cadeado, tranca AGA ÌKÒWÉ – carteira ÁGA-ITISÉ – tamborete ÀGÀN – mulher estéril AGANDAN – veloz AGANJU – Orisà filho de Odudua e Obatala, irão de Iyemonja. Significa “área despovoada, selva, planície ou floresta” AGANNIGÁN – ladrão (Vd. OLÉ) ÀGA ONI TÌMÙTÌMÙ FÚN ENÌKAN – poltrona ÁGA-PÓSI – ataúde AGARÁ – aborrecimento ÀGBÁ – barril ÀGBÁ – romã AGBADÀ – vestimenta sacerdotalÀGBÀDO – milho, canjica (Vd. ÀGBO) ÁGBAFÚFU – cascavel ÁGBAGBÁ – lamúria (Vd. IROKA) AGBAIYÉ – universo ÁGBÁJÓ – acariciar ÁGBAKÓ, ÀJÁLÙ – acidente ÀGBÀLÁGBÀ, ÀGBÀ – adulto AGBÀ-LOKAN – distrair AGBÁRA – força, poder (Vd. PAKANLEKE, IPÁ) ÀGBÁRA DÚDÚ – força negra AGBÁRA OGBÓN – nervos AGBÁRÍ – couro cabeludo, crânio AGBAWO – aeromoça AGBE – navalha (Vd. OBÈ-JERÍ, OBÈ FARIN, ABE)ÀGBÈ – fazendeiro, agricultor (Vd. AROKO OGBIN) ÀGBÉBÒ – galinha que já botou ovo AGBEBÓN – soldado (Vd. JAGUN-JAGUN) AGBÈDÙ – estômago AGBÈGBÈ – bairro (Vd., AMÒ, ÀDÙGBÒ, ALÓ) AGBÉGI – entalhador AGBEJORÒ – advogado AGBELÈ – escavador ÀGBÉLEBU – cruz ÀGBERE – excesso, orgulho, arrogância (Vd. LADOFO, ÌGBÉRAGA) AGBERE, ABO AJA – cadela AGBESÓ – nascido AGBESOKÉ, AGBERÚ – levantado (Vd. DÌDE) AGBIGI – marceneiro AGBIPÓ, AGBIRA – sucessor ÀGBÓ – Carneiro AGBO – bando ÀGBO – milho, canjica (Vd. ÀGBÀDO) ÀGBO – Infusão proveniente do maceramento das folhas sagradas as quais se vem juntar o sangue dos animais utilizados no sacrifício e substâncias minerais como o sal. Esse Líquido, acondicionado em grandes vasilhames de barro (porrões), é empregado ao longo do processo de iniciação e para fins medicinais sob a forma de banhos e beberagens. AGBÒ JÒ, AGBÒRÙN – guarda-chuva ÀGBON – coco AGBON – abelha, marimbondo AGBÒN – cesto ÀGBÒNRIN – veado AGBOULÁ – nome de um Egun ÀGÉ – aipim ÀGE – bule, chaleira AGÈ – Instrumento musical constituído por uma cabaça envolta numa malha de fios de contas, de sementes ou búzios. AGEMO – camaleão (Vd. ÒGÁ) AGERE – Ritmo dedicado a Òsóòsi executado aos atabaques AGIDI – força de vontade AGINJÙ – floresta AGINJÚ ÈRÙN – deserto (Vd. ASAALÈ) ÀGÒ – licença, dá-me licença por favor (Vd. YAGÒ, DAKUN) AGO – humanidade (Vd. ÀSEKO, ÀSIKO, ARAIYE) ÀGÓ – cabana, tenda AGÒ – mortalha ÀGO LÓNA – com licença ÀGO MELO? – que horas? AGONGO – derivado de gongo – inclinar, extremidade ÀGÒ OLOPA – delegacia AGÔGÔ – instrumento musical feito de ferro, composto de uma ou mais campânulas, geralmente de ferro, percutido por uma haste de metal. AGOGO, AAGO – relógio AGOGO ÒGIRI – relógio de parede AGOGO OWÓ – relógio de pulso AGONJÚ – Um dos doze nomes de Sòngó conhecidos no Brasil. AGORO – coelho ÀGÙFON – girafa AGUNÁ – alfaiate (Vd. ALÁGBÀRÁN) ÀGÙTÀN – ovelha AGUXÓ – espécie de legume AHÁ – cabaça tipo copo AHEPERE – frágil AHÓN – língua AHON-INÁ – labareda ÀHUSO – fábula, fantasia A-IAN-MADÊ – como vão os meninos? ÀIBUWO – desprezo ÀIDA-ARA – enfermidade ÀIDABÍ – infelicidade (Vd. ALAILORIRE) ÀIDALU – conhecido, limpo, puro (Vd. ÒSESE, MIMÓ) AIDAN – bela, bonita ÀIDARA – maldade (Vd. AÌSIÀN) AIDÉ – verde (Vd. ÀWO EWÉ) ÀIDUN – inferior AIDUN – quieto (Vd. NIDAKÉ, TÚTÚ) AIDUPE – ingrato (Vd. LAILANÚ)AIÊ – o mundo terrestre AIÊ – terra, festa do ano novo ÀIFÈ – antipatia ÀIGBEJE – teimoso (Vd. SÓ) AIGBORAN – desobedecer ÀIJEBI – inocente (Vd. LAILESÉ, LAINIBAWI) ÀIJINNA – perto ÁIKE – machado ÀILAGBARA – impotência (Vd. ÀILOKUN)AILERA – fraqueza ÀILETI – teimosia (Vd. ÓDÍ, ÌDÍNÚ, SÓ) ÀILOKIKÍ – desconhecido, obscuro (Vd. JINLÉ, SUJU) ÀILOKUN – impotente (Vd. ÀILAGBARA) ÀILOPIN – eterno AIMOYE – tanto(a) AINI GAGBARA – fraco (Vd. LAILAGBARA, SAILERA) ÀINIGBONÁ – frieza ÀINIRETÍ – desespero ÀINKANJU – lentidão (Vd. ILORÁ) AIPERÍ – convulsão, tétano ÀIPINNU – indecisão ÀIPÓ – raridade (Vd. LAIWOPÓ) ÀIPON – verdura (Vd. ÈFO) AIRÁ – uma qualidade de Sangô AÌSAN – doença, estar doente (Vd. ÀRÙN, AÌSAN, ÓKUNRUN) ÀISANU – impiedoso ÀISATA – lealdade ÀISEDEDE – injustiça ÀISESO – estéril (Vd. WIRIWIRI) ÀISÍ – ausência, morte (Vd. KÙ, IPÓ-OKÚ) ÁISIÀN – maldade AISIMI, AISÙN – insônia AISIRARÁ – nada, totalmente AISÙN – insônia ÀIYA – peito, coração ÀIYÉ – vida, mundo AIYÉ – Palavra de origem yorùbá que designa o mundo, a terra, o tempo de vida e, mais amplamente, a dimensão cosmológica da existência individualizada por oposição a òrun), dimensão da existência genérica e mundo habitado pelos òrisà, povoado, ainda, pelos espíritos dos fiéis e seus ancestrais ilustres. AIYÉ BAIYÉ– tempo antigo (Vd. ÀTIJÓ, OJOKUTOTO)AIYEJIJÉ – falcatrua AIYÉKOTÓ – papagaio AIYELUJARA – liberdade, invenção, criação (Vd. ÓMNIRA, ÌDÀSÍLÈ) ÀIYERA – firmeza AJA – “videira selvagem” – é uma divindade da floresta confundido com Aroni AJÁ – campainha, sino AJÁ – cachorro, cão (Vd. AKO AJA) AJAGUN-OBINRIN – amazona AJAYIPAPO – Qualidade de Oxossi ÀJAKÁLÈ-ARUN – epidemia AJAKO – lobo, chacal ÁJÀLÁ – vd. Òòsàálá AJALAMO – vd. Òòsàálá ÁJÁLÙ – acidente (Vd. ÌJÁBÀ) ÀJANAKÚ – elefante (Vd. ERIN) ÁJAO – morcego (Vd. ÀDÁN) AJA-OSU – planeta Vênus ÁJAPÁ – tartaruga, cágado ÀJASÉ – vitorioso, estranho, visita (Vd. ABAMI, PANDAN, OLOJÓ, ALEJÓ) ÀJÉ – feiticeiro, bruxo, bruxa, feiticeira, mulher encantada AJÉ – sangue ÀJEKÌ – guloso AJELÉ – governador AJENIA – canibal AJENINIYÀ – tirano AJÉ OWO – dinheiro (Vd. OWÓ) AJERIKU – mártir AJE SALUGA – Deusa da riqueza; seu nome significa “aquele que ganha periodicamente”.Filha de Iyemonja ÀJESÉ – ingratidão AJEUN – comida (vd. ADIMU) AJIGBÈSÈ – devedor AJIMUDÁ – título sacerdotal AJIRE – cerimônia para os iniciados de Songo (implica em carregar na cabeça uma jarra cheia de furos, dentro do qual queima um fogo vivo) ÀJIRI – aurora ÀJO – jornada ÀJOBÍ – afinidade, parentesco ÀJODUN – aniversário AJOGÚN – Palavra de origem yorùbá que designa os infortúnios, como a morte, a doença, a dor intolerável e a sujeição. AJOGUN – herdeiro (Vd. IJOGUN) ÀJÒJÌ – estrangeiro AJOPIN – divisão ÀJÓYÒ – festa, alegria (Vd. ÀRÍYA, OLORÓ) AJUMOJOGUN – companheiro (Vd. ÒGBÁ) ÀJUMOSE – parceria (Vd. ALABAPIN) ÀKÀBÀ – escada (Vd. AKASO, ÀTÈGÙNILÉ) AKALAMBÍ – sacolaÀKÀN – caranguejo AKAN – elegância, elegante (Vd. ALAFÉ) AKARÀ – pão (Vd. BÙRÉDÌ) AKARÁ – bolo feito com feijão fradinho, pimenta, camarão seco e frito no epô. ÀKÀRÀ JÉ – acarajé, o mesmo que Akará ÀKARA-OYÌNBO – bolo ÀKÀSA – Bolinhos de massa fina de milho ou farinha de arroz cozido em ponto de gelatina e envoltos, ainda quentes, em pedacinhos de folha de bananeira. ÁKASÌ – arpão ÀKASO – escada (Vd. ÀKÀBÀ, ÀTÈGÙNILÉ) AKE – cidade principal de EGBA cujo chefe se chama Alake (um que possui ake) AKÉ – machado ÀKÉKÉ – escorpião (Vd. ÓJÒGAN) AKÉKÓ – aluno ÀKETÈ – chapéu ÀKÉTE – cama (Vd. ÌBÙSÙN) AKEWÍ – poeta AKIDAVIS – Nome dado nos candomblés Kétu e Jeje (vd. Nação) as baquetas feitas de pedaços de galhos de goiabeiras ou araçazeiros, que servem para percutir os atabaques. AKIKODIE – galo (Vd. AKUKO) ÀKILÒ – despedida ÀKIMOLÉ – oprimido AKIN – valentia AKINI – visitante, visita (Vd. ÀLEJÒ) AKIRI – vagabundo AKIRIJERO – pessoas que vão a todos candomblés ÀKITI – macaco (Vd. JAKÓ, OBO) AKITOYE – chefe da cidade de Lagos ÀKIYÉSI – notícia de jornal AKO – macho ÀKÓ – verdade, justiça (Vd. OTITÓ, ODÒDÒ) AKO AJA – cachorro, cão (Vd. AJÁ) AKOBERÈ – iniciar (Vd. BÈRÈSI) AKÓBI – primogênito ÀKODI – aposento, sala AKO ELEDE – porco (Vd. ELÉDÉ) AKOGUN – campeão, herói AKOJÁ – fim, final, vencimento (Vd. OPIN, ÌPÁRÍ) AKOKÒ – idade, época, estação, hora (Vd. ÀSÌKÒ) ÀKÓKÓ – primeiro (numeral cardinal)(Vd. EKINI) ÀKÓKÒ ÈRÙN – estação das secas ÀKÓKÒ ÒJÒ – estação das chuvas ÀKÓKÒ ÒTÚTÙ – estação fria ÀKÓKÒ ÒWÒRÉ – estação úmida ÀKÓKÒ OYÉ – estação quente AKOLOLÓ – gago AKO MÀLÚÙ – boi (Vd. ERANLÁ) ÀKORAN – infecção AKÓRIN – cantor(a) (Vd. OLORIN) AKÓRÓ – uma das invocações e dos nomes de Ogun AKORO – capacete ÀKOSO – governo À KOTUN – fresco (Vd. OSESE, TITUN) AKÒWÉ – escritor AKÒWE-OWO – contador AKU – obrigação funerária AKUERAN – Qualidade de Oxossi. Tem fundamento com Oxumarê e Ossanhe ÀKÙKO – galo (Vd. AKIKODIE) AKUFI – linha ÀKUNBÓ – inundação AKUNRUN – alcova AKURETE – idiota AKUSE TALÁLÀ – pobre (Vd. ABOSI) AKÚÙSÉ – pobre (Vd. ABOSI, AKUSE TALÁLÀ) ALA – sonho ÁLÁ – Pano branco usado ritualmente como pálio para dignificar os òrìsà primordiais, geralmente feito de morim. ALÁ – espécie de pano branco ÀLÀÁFÍÀ – paz ALÀÁFIÁ NI O? – tudo bem com você? ALÁÁFIN – título dignitário do rei de Oyo ALÁAGO – relojoaria (Vd., ÌSO AAGO, ALÁGOGO) ALÁÀÍMÓ – burro ALÁÀINÍTÌJÚ – pessoa ALÁÀRE, ALÁÀÍSÈ – pessoas inocentes ALÁÀRÚN – pessoa doente ALABÁ – nome de um sacerdote do culto aos ancestrais ALÁBÀFO – engomadeira ALABALESE – al-ba-ni-ase “Ele que prediz o futuro” ALABAPIN – parceiro (Vd. ÀJUMOSE) ALÁBARÀ – clienteALABASE – colega ALABAXÉ – o que põe e dispões de tudo. ALABÊ – tocadores de atabaque E título que designa o chefe da orquestra dos atabaques encarregados de entoar os cânticos das distintas divindades. ALABÓ – guardião ALÁBOJUTO – supervisor ALABOYUN – bata ALADANÚ – vencido ALADAWOLE – impostor ALADIRO – peneira (Vd. JÒ, SÉ)ALADUN – adocicado ALAFE – distinto, elegante (Vd. AKAN) ALÀFIA – felicidade; tudo de bom (Vd. AYÓ) ALAFIN ou ALAWAFIN – invocação de Xangô. Nome do rei de Oyó – Nigéria. A palavra significa “um que possui a entrada do palácio” ALAFOSÉ – adivinho (Vd. ABUSÓ, ÁLAMÓ, AFONILEIYÈ) ALAGBA – senhor, chefe (Vd. PATAKÍ) ALÁGNÀFÒ – tintureiro ALAGBARA – forte, bravo (Vd. LAGBAJÀ, TAGUN) ALÁGBÀRÁN – alfaiate (Vd. AGUNÁ) ALAGBATÓ – dama de companhia, enfermeira, mãe de criação ALAGBÀWÍ – advogado ALAGBEDE – ferreiro ALÁGOGO – relojoaria (Vd. ALÁAGO, ÌSO AAGO) ALAHESO – tagarela (Vd. ONIWIKIWI, OLOFOFO) ALAIBERU – corajoso, destemido (Vd. LAIYÀ) ALAIBERU-OLORUN – terrível ALAIDÁ – doenteALAIDUPE – desagradável (Vd. LAIDUN) ALAIFÓ – virgem ALÁIGBONRÀN – desobediente ALAIHAN – invisível (Vd. LAIRI) ALAIKÚ – imortal (Vd. ENIKOSILÉ) ALAILABUKUN – maldito ALAILAJÓ – antipático ALAILE – exato ALAILERÉ – imprestável ALAILEWÀ – feio (Vd. LAIDARA, SAILEWÀ) ALAILODI – exposto ALAILOGBON – estúpido, ignorante (Vd. SÒPE, YÒPE) ALAILORIRE – infeliz (Vd. ÀIDABÍ) ALAIMÓ– indecisão, imundo (Vd. ÀPINNU, ÓBUN) ALAIMO – barro (Vd. AMÓ, PETEPETÉ) ALAIMOWÉ – analfabeto ALAISAN, ALARUN, ALARÈ – pessoa doente ALAISÍ – falecido (Vd. OLOGBÉ) ALAIYAN – úmido (Vd. RÍN, TÚTÚ) ALAIYÉ – monarca (Vd. OBA)ALÁJEKÌ – comilão ALÁKE –título do rei de Abeokuta ALAKETU – chefe de ketu. A palavra significa “um que possui Ketu” ALÁKORÍ – pessoa inútil ou sem vergonha ALALUPAYIDÁ – mágico ÁLAMÓ – adivinho (Vd. ÁBUSÓ, AFONILEIYÈ, ALAFOSÉ) ALAMOJU – sabedoria (Vd. IMOYE) ALAMORERE – refere-se à Obatalá que é “O dono do melhor barro” (que fez o homem) ALAMÚ, ALANGBA – lagarto (Vd. ÓFO) ALÁNTAKÚN – aranha, tarântula ALAPA – abóbora ALAPATÁ – açougueiro ALAPEJÉ – anfitrião ALAPINI – nome sacerdotal do culto aos ancestrais. ALAPON – trabalhador (Vd. LAPÓN) ALARINA – padrinho de casamento ALASAKÍ – famoso (Vd. LASAKI, OLOKIKI) ALASÈ – cozinheira (Vd. KÚKÙ) ALÁTE – chapeleiro ALAWÓ – colorido ALAYA – marido (Vd. OKO, OLÓBIRIN) ALAYE – vivo (Vd. TIYÉ, ELEMI) ALÀYÉ – explicação ALAYÊ – possuidor da vida AL-BA-NI-ASE “Ele que prediz o futuro” referindo-se à Obatalá ALE – lepra ALÉ – noite, vassoura (Vd. ÌGBÁLÈ) ÀLE – amante, namorada (Vd. FIFÉ)ÀLEBÚ – defeito (Vd. ABÙKÚ) ÀLEFÓ – tumor (vd. MALUKÉ) ALÉGBÁ, ALEGUGU – jacaré (Vd. ÒNI, ELEGUGU) ÀLEJÒ – visita, estranho (Vd. ÀJASÉ, PANDAN, OLOJÓ, ABAMI, AKINI). ALÉKESSI – Planta dedicada a Òsóòsi, também conhecida como São Gonçalinho. ALIÀSE – vd. Runko ÀLIKAMÁ – trigoALÓ – mão (Vd. OWÓ) ALÓ – bairro (Vd. AGBÈGBÈ, AMÒ, ÀDÙGBÒ) ALODÊ – Vd. IYALÒDÈ ALONIBANIASE – “Ele escolhe a vida que vai passar” – refere-se à reencanação do ser que escolhe onde e como vai viver. ALORÉ – vigilante ALÓVI – dedo (Vd. ÌKÁ) ÀLUBÓSÁ – cebola ALÚBÓSÀ ELÉWÉ – cebolinha ALÙDARÍ – diretor ALUFÀ – padre ALÙJONÚ – fada, espírito (Vd. ÀRONI, EGBÉRE, IWIN, KUREKERÈ)ÀLUKEMBÚ – estribo ÀLUMANI – tesouro ÁLÙPUPU – motocicletaÀLUSÉ – fechadura (Vd. OJUSIKÁ) AMACIS (ou AMASSIS) – Abluções rituais ou banhos purificatórios feitos com o líquido resultante da maceração de folhas frescas. Entram geralmente em sua composição as folhas votivas do òrìsà do chefe-de-terreiro do iniciando, e as assim chamadas “folhas de nação”. AMACY NO ORI – cerimônia de lavar a cabeça com ervas sagradas. AMADOSSI D’ORISA – cerimônia do dia do santo dar o nome. AMALÁ – comida feita para Sangô com quiabo e outros produtos. AMBROZÓ – feito de farinha de milho ÀMÌ – acento, sinal, marca ÀMÌ-ARIN, AMI-FAGUN – til ÀMÌ-ÌSALE – acento grave ÀMÌ-ÒKE – acento agudo AM-NÓ – o misericordioso ÀMÓ – mas AMÒ – barro AMÒFIN – jurista AMOLE – pedreiro AMÓ PETEPETÉ– argila (Vd. ALAIMO) ÀMÒTÉKÚN – leopardo, tigre ÀMUBÁ – oportunidade AMUKOKO – fumante AMÚGA – garfo AMURÉ – zona ÀMUWA – sina ÀNA – parente por afinidade ÀNÁ – ontem (Vd. LÁNÁ) ÀNA’KÙNRIN, ÀNA’BINRIN – cunhado (a) ANFANI – vantagem (Vd. OJURERE) ANGELI – anjo ANGOMBAS – vd. RUN, RUNPI ANIKANJE – ermitão ÀNJONÚ – maus espíritos ANON – eles ANTÈTÈ – grilo ANÚ – caridade AONTIN – narina (Vd., IHÒ IMÚ, IMÚ) APÁ – braço, asa (Vd. ÓSI) APÀ – lado ÀPÁ – cicatriz ÀPAARÒ – perdiz APÀLA – pepino APÁNIA – assassino APAOKÁ – uma jaqueira que tem esse nome no Axé Opô Afonjá. APÁ ÒSÌ – lado esquerdo APÁ ÒTUN – lado direito ÀPAPÓ – total APÁRI – careca ÀPÁRÒ – codorna ÀPÁTÀ – rocha APEJA – pescador (Vd. ADEDÓ, ADÉJÀ) ÀPEJO – encontro ÀPEJUWE – padrão APELE – sobrenome APÈRÈ – cesto APERE – exemplo APERE-AIYÉ – globo ÀPINNU – indecisão (Vd. ALAIMÓ) ÀPÒ – bolsa, sacola, saco (Vd. LABÀ) APODA – um idiota ÀPOMÓ – guarda ÀPÓN – solteirão ÀPÓTI – caixa, armário, arca ÀPÓTÍ ASO – guarda-roupa, armário ÀPÓTI ÌTSE – banquinho para os pés APOTI LÁ – mesaAPPA – reino nativo de Lagos ARA – corpo, membro ÀRÁ – trovão, trovoada ARÁ – parente, habitante ÀRABA – algodoeiro ARÁBÌNRIN ÌYÁ – tia ARA ÈNIA – corpo humano ARÁILE – família carnal, parentes (Vd. IRAN, EBÍ, ARÁILÉ, ÌDÌLE) ARÁ ILÚ – conterrâneo ARÁIYE – humanidade (Vd. ÀSEKO, ÀGO, ÀSIKO) ARAJÁ – vendedor (Vd. OLUTA) ARÁKÙNRIN – parente masculino ARÁKÙNRIN ÌYÁ – tio ARAMEFÁ – conselho de Oxossi, composto de seis pessoas. ARA MI – eu mesmo ÀRAN – veludo ÀRANSE – socorro ARARÁ – anão ARA RE – você mesmo(a) ARAREKOLÊ – como vai? ARA WA – nós mesmos ARÁ WÁJU – ascendentes ARAWO – ave de rapina ARA WON – eles (as) mesmo (a) ARA YIN – vocês mesmos(a) ARÈ – cansaço, doença ÀREDE – vadiagem ARERE – quietude ARESSÁ – um dos Obá da esquerda de Xangô. AREWÀ – belo (Vd. DÁRA, AREWÀ, REWÀ) ARIAXÉ – banho na fonte no início das obrigações. ÀRIDIJÍ – terror ARIN – meio, centro ARINKO – ocasiãoARÌNRINAJO – caminhante, viajante ÀRÌRO – fogão ÀRÍWÁ – norte ARIWO – barulho ÀRÍYA – festa (Vd. OLORÓ, ÀJÓYÒ) ARIYA-IJO – baile ARÓ – mercado (Vd. ABÀ, ÓBUN, OJÁ) ARÔ – nome que se dá ao par de chifres de boi usado p/ chamar Oxossi ARO – fogueira (Vd. OWÓ, INÁ) ÀRÓ – funil ARÒ – manhã ARÒ BÓ BÒ YÍ! – Saudação ao Òrisà Òsunmarè (Neste dia que nasce lhe rendemos graças) AROGANGAN – um dos reis de Yorubá por volta de 1800. AROKO – fazendeiro, agricultor (Vd. ÀGBÈ, OGBIN) AROLÉ – Òsóòsì que propicia a caça abundante. É invocado no Padé. É o verdadeiro Rei de Ketu. Come com Ogun e Oxum ARÔLU – nome de um dos Obá da direita de Xangô ÀRONI – fada, espírito (Vd. ALÙJONNÚ, IWIN, EGBÉRE, KUREKERÈ) ÀRÒNÌ – Deus da Floresta e a palavra significa “um que tem o membro murcho”. Companheiro de Òsányìn. Misterioso anão perneta que fuma cachimbo. Possui um olho pequeno (pelo qual enxerga) e outro grande. Tem uma orelha pequena (pela qual ouve) e outra grande. Ele é confundido com a própria Ossanhe porque dizem que ele também tem uma perna só. Ossanhe possui uma perna só porque a árvore, base de todas as folhas possui um só tronco. Ele tem a cabeça e o rabo de cachorro ÀROYÉ – debate ARREBATE – Abertura rítmica das cerimônias públicas dos candomblés. O modo vibrante de tocar os atabaques; equivale a uma convocação. ARÚGBO – pessoa velha ÀRUKUN – perfeito ÀRÚN – cinco ÀRUN – febre, doença (Vd. ÓKUNRUN) ARUNDINLADOTA – 45 (algarismo) ARUNDINLOGOJI – 35 (algarismo) ÀSÀ – costume ASAALÈ – deserto (Vd. AGINJÚ ÈRÙN) ASÁLÉ – anoitecer ASAN – vaidade ÀSARO – ensopado ÀSE – Termo de múltiplas acepções no universo dos cultos: designa principalmente o poder e a força vital. Além disso, refere-se ao local sagrado da fundação do terreiro, tanto quanto a determinadas porções dos animais sacrificiais, bem como ao lugar de recolhimento dos neófitos (vd. Runko). É usado ainda para designar na sua totalidade a casa-de-santo e a sua linhagem. ÀSE – poder, lei, ordem, força, maior, assim seja ASEFE – engraçado (Vd. PANILERIN) ASEGUN – vencedor ÀSEJE – remédio (Vd. ÓGUN)ÀSEKO – humanidade, hora (Vd. ÀGO, ÀSIKO, ARÁIYE) ASÉ-NLA – banquete ASEWÉ – autor ÁSIA – bandeja ÀSIKA – andarilho ÀSÌKÒ – idade, época, estação, hora, prazo (Vd. AKOKÒ) ÀSIKO – humanidade (Vd. ÀSEKO, ARÁIYE, ÀGO) ASILE – transplante ASINWIN – tarado ASIPA – primeiro chefe de Lagos e pertence à família de Alafin ASIRARÁ – nada, totalmente ÀSISE – erro ASIWERE – louco (Vd. OKOLORÍ, ÌSÍNWIN) ASO – roupa, pano (Vd. AGABDÁ, ÉWÚ) ASO ÀRÍYÁ – traje a rigor ASO FÈRESÉ – cortina ASO GÍGÙN – vestido longo ASO ÌBORA, ASO ÌBÚSÙN – colcha, lençol, cobertor ASO ÌLÉKÈ – paletó (Vd. KOTU) ASO ÌNU AWO – pano de copa ASO ÌNUJÚ – toalha de rosto ASO ÌNURA – toalha de banho ASO ÌRÒRÌ – fronha ASO IWÉ LOKUN – maiô ASO ÌWÒSÙN – pijama ASÓJÚ – representante ASOJÚ ÌLÚ NIBOMIRAN – embaixada ASO-KÍKO – ato de bordar a roupa ÀSOLÚ, ASOMÓ – unir (Vd. DÀ-PÒ) ASO ÒFO – túnicaASO-ÒJO – capa de chuva ASO ÒKÈ – pano da costa A SÒRÒ MÀGBÈSÌ – rádio ASO TÁBÌLÌ – toalha de mesa ASÓTÉLÈ – profecia, dica, aviso ASO TITÉ SÍLÈ – tapete (Vd. KUBUSÚ) ASOWO – comerciante (Vd. OLOJÀ, ONISOWO) ASSOBÁ – sumo sacerdote do culto de Obaluaiyê. ATA – pimenta ÀTÀ – cumeeira ATAFO – unheiro ATAFO-OJÚ – catarata ÀTAKÓ – oposiçãoATALÈ – gengibre ÀTAN – varal ATA NLÁ – pimentão ÀTANPA, ÀTUPÁ – lâmpada (Vd. FÌTÍLÀ) ÀTÀNPÀKÒ – dedão do pé (Vd. ÍPONRÍ) ATARÉ – pimenta da costa ATÉ – nome do primeiro Obá de Xangô. ATÉ – brincadeira (Vd. IRE, IDARAYÀ) ATÉGÙN– vento, brisa (Vd. AFÉFÉ, AFEFEJEJE) ATÉGUN – escada interna ATEGUN – viagem (Vd. ÌRINAJO) ÀTÈGÙNILÉ – escada (Vd. ÀKASO, ÀKÀBÀ) ATÉGUN KÉKERÉ – degraus ÀTELÉSÈ – sola do pé ÀTÉLEWÓ, ÀTÉWÓ – palma da mão (Vd. ÀTÉWÓ) ÀTI – e (conjunção) ATI – e (preposição) ÀTIJÓ – tempo antigo (Vd. AIYÉ BAIYÉ) ÀTILENDE – nascimento (Vd. AGBESÓ) ATISUN – sono (Vd. SISUN) ÀTO – esperma, sêmen ATOHUNRÌNWA – imigrante, estranhoATORI – vara pequena usada no culto de Oxalá ÀTORIN – vara de egun ATORUNWA – celestial ATOTÓ – calma ATOTÓ A JÚ GBÉ RÒ! – saudação ao Orixá Omolu e Obaluaiê (Calma que o médico que vem nos acudir) ATUKÓ – marinheiro ATULÉ – lavrador ÀTÙPÀ – lanterna, lampião AUÁ – nós. ÀWA – nós, nosso, nossa ÁWA – nós (pronome) (Vd. WA) ÀWA-NÓSÁWAKÓ – motorista, piloto ÀWAWI – desculpa AWAKÒ-OFURUFÚ – aviador AWÌN – crédito AWÓ – galinha, couro, pele, rede de pescar ÀWÒ – cor ÀWO – prato, louça de barro, travessa de colocar comida (Vd. FIFÈ NLÁ, ÁBO) AWÒ – brigar ÁWO – culto, fundamento AWO – mistério, segredo (Vd. OROIJINLÉ, PAJUBÀ, AWÓ) ÀWÒ ARA – cor da pele ÀWÒ ARO, ÀWO BÚLÚÙ– azul (Vd. ÀWO ÒRUN) ÀWO BÚRÁWÙN – castanho ÀWODI – gavião, facão (Vd. ÀDÁ ÒBE) ÀWO DÚDÚ – preto ÀWO ELÉERÚ – cinzento ÀWO ELÉSÈ ÀLÙKÒ – roxo ÀWO ERÚ – cinzeiro ÀWO EWÉ – verde (Vd. AIDÉ) ÀWO FÀDÁKÀ – prata (Vd. IDE) ÀWO FUNFUN – branco ÀWOGBÉ, AWOJÍJI – espelho ÀWO FIFÈ NLÁ – travessa (de colocar comida) ÀWO ÌFOWÓ – piaÀWOJÍJI – espelho (Vd. DÍÍ) ÀWOJO – reunião, encontro (Vd. ÌPADÉ) ÀWO KÉKERÉ – pires ÀWOKI – velório AWO KOTO – bacia ÀWON – os, as, eles, elas AWÒ OJÚ – óculos (Vd. IWOLULÉ) ÀWOKÓTO – bacia AWÓN – elas (pronome) ÀWON NKAN – alguma coisa ÀWON NKAN TÍTÀ – artigos (do comércio) ÀWO ÒDODO – amarelo ÀWO OJÚ ÒRUN – azul ÀWO ORÍSIRÍSI – cores variadas ÀWO ÒRUN – azul (Vd. ÀWÒ ARO, ÀWO BÙLÚÙ) ÀWO PAKO – marrom ÀWO PUPA – vermelho (Vd. PUPA, BI ÈJÈ) ÀWORAN – estátua, quadro, mapa ÀWÒRAN EYA ARA – anatomia AWORI – reino de menor importânncia ao sul de Egba AWOSANMÁ – nuvens, nevoeiro, cerração (Vd. IKUKU) ÀWOTELÉ – roupa de baixoÀWO WÚRÀ – ouro– Ouro (Vd. IWORÓ, WÚRÀ) ÀWO YÉLÒ, ÀWO ÒDODO, ÀWO PUPA RÚSÚRÚSÚ – amarelo AWUJALE – nome dado ao chefe de Jebu AWUJE – feijão (Vd. ÈWÀ, OTILI) AWUN ÒRUN – tartaruga, cágado AWUNSO – tear (Vd. OWÚN, OFÍ) AWURÓ – manhã (Vd. ÀÁRÒ, ÓWURÓ, RAN, ORO) AXÉ – Assim Seja, Amém, e/ou força espiritual AXEDÁ – oriki, nome sacerdotal AXEXÊ – cerimônia fúnebre do sétimo dia. AXO – roupa. AXOGUN – Ogã encarregado de sacrificar, segundo regras precisas, animais destinados ao Orisá. AYÀ – Peito AYABÁ – orixá feminino, senhora idosa AYABA – rainha, divindade feminina AYAN – árvore de tronco muito duro que não é derrubada com machado. É consagrada à Xangô ÀYÁN – fedor AYÁN – barata ÀYÀNMO – destino (Vd. ODÚ, KADARA) AYÊ – céu AYEDÉRU – travesti AYIELÈ – pombo (Vd. EIYELÉ, ERUKUKÚ) ÀYEMO – exame ÀYIKÁ – círculo, período (Vd. OBIRIKITI) AYINRARÉ – vaidoso AYÓ – felicidade, exaltação, alegria, jogo (Vd. ALÀFIA) AYÓ – abundância AYÒJU – alegria excessiva ÀYPADÁ – troca (Vd. PADA)AYUN-ABO – ida e volta (Vd. LÍLÒ) …………………………….- B BA – ajudar, esconder-se BÁ – encontrar, acompanhar, alcançar, atingir, com, contra (Vd. PÉ, KÓ) BÀ – coar BÁÀLÈ – chefe de um povoado com menos status que um Oba BÀBÁ – pai BÀBÀ – milho da Guiné BÀBÁ ÀGBA – avô (Vd. BÀBÁ NLÁ) BÀBÁ ÌSÀMÌ – padrinho, compadre BÀBÁ ÌYÀWÓ – sogro BABA KEKERE – Pai pequeno BABALAÔ, BÀBÁLÁWO – Sacerdote, pai do ministério, aquele que faz consultas através do jogo. É o encarregado dos procedimentos divinatórios mediante o òpèlè de Ifá, ou rosário-de-Ifá. BÀBÁLORÌSÀ – Pai-de-Santo. Sacerdote chefe de uma casa-de-santo. Grau hierárquico mais elevado do corpo sacerdotal, a quem cabe a distribuição de todas as funções especializadas do culto. É o mediador por excelência entre os homens e os Òrìsà. O equivalente feminino é denominado Yalorixá. Na linguagem popular, são consagrados os termos pai e mãe-de-santo. Nos candomblés jeje – doté e vodunô; e nos angola – tata de inkice. BABALOSSAIN – vd. Olossain BÀBÁ NÍ AWO – pai que tem o segredo. Referindo-se à Ifa BÀBÁ NLA – vovô (Vd. BÀBÁ ÀGBA) BÀBÁ OKO – sogro BADÁ – título sacerdotal BADAGRY – reino nativo da cidade de Lagos BÁDE – caçar em grupo BADI – nádegas, quadril (Vd. ÌDI, IBÀDÍ) BAIANI – orixá considerada mãe de Xangô. BÁJÀ – lutar, brigar BÀJÉ – estragar BAJÈ – menstruação BAKÁNNA – semelhante BÁ-KEGBE – acompanhar, associar-se BAKÚ – abater BÀLAGÀ – entrar na maturidade BALÉ – chefe de comunidade BALÈ – aterrisar BÁ-LÓ – acompanhar, andar com BALÒGUN – chefe da sociedade dos guerreiros BALÙWÈ – banheiro BALUWÈ – banho BALÙWÈ ALÁWO – banheira BAMBOXÊ – sacerdote do culto de Xangô BÁ-MU – satisfazer, servir BÁNKÌ, ILÉ OWÓ – banco BANÚJÉ – ficar triste BÁ-PÀDE – encontrar com (reunião) (Vd. PÀDE) BÁ-PÍN – participar, dividir com BÀRÀ – manga (Vd. EGBÁ) BÁRA – ser bom BÁRÁKÌ OLOPA – quartel BARA PETU – grande, uma pessoa distinta BÁ-RÍN – acompanhar BÁSE – cooperar, fazer com BÀSÍÀ – bacia BÁSÌKÙLÚ KÈKÉ – bicicleta BÁ SÒRÒ – endereço BÀTÀ – sapato (Vd. ABATÀ, ÌSO BÁTÀ) BÀTÀ GÍGÙN – botas BATUCAJÉ – Com este termo costumava designar-se a percussão que acompanha as danças nos terreiros; por extensão designa também as danças. BAWÍJO – aconselhar BAWO, BÁWO NI – como? Como vai? BÀYÌÍ TI – portanto BA-YÒ – felicitar BÉ – pular, pedir, explodir BE – descascar, cortar carne, galinha. BÈ – pedir, pedir perdão, suplicar (Vd. JÒ) BÈBÈ – aba, beira, ponta. BÉBE – ação, ato. BÈBE – desculpar BÉÈ – assim BÉÈKÓ – não (advérbio de negação) BÉÈNI – sim (advérbio) (Vd. O DÁA) BÉÈRÈ – perguntar, pedir, interrogar (Vd. BÍ LERE) BÉÉRÈ – primeira filha BÈHÈ – suplicar BEJI – orixá dos gêmeos (atribuído a Cosme e Damião) BEKO – não BELÉ – magro (Vd. NIGUN, TERÉ)BENI – favoravelmente (Vd. OTO) BENI – sim BÈRÉ – abaixar BÈRÈ – começar, iniciar. BERÈ, BÈÈRÈ – perguntar, pedir BEREBE – tudo BERE FUN – exigir BÈRÈSI – iniciar (Vd. AKOBERÈ) BÈRU – medo, ter medo (Vd. IBERU, OJORA) BÍ – nascer, se, tanto como BI – quando, tanto como (Vd. IGBATÍ, GANGAN, AIMOYE)BI? – se? (pronome interrogativo) BI? – partícula para interrogação usada no fim da frase BÌ – vomitar, empurrar (Vd. EEBI) BIABIYAMO – maternal BIBÁ – está aceito BIBA – um encontro BIBALÉ – calma BIBAWI – réu BIBÉ – está seco BIBÓ – alimento, oculto BÍBUN – dado BI ÈJÈ – vermelho (Vd. ÀWO PUPA, PUPA) BÍKÒSE – exceto BÍKÒSEBÍ – a não ser que (Vd. BÓKÒSEBÍ) BI LERÉ – questionar, perguntar, pedir (Vd. BÈÉRÈ) BILISÍ – demônio, o mal BI-NINU, BÍNU – aborrecerBÍNU – zangado. BÍ Ó TILÈ JÉ PÉ – ainda que BI OYIN – açúcar BIRÍ – pequeno (a) BIRIKITI – redonda (Vd. REPÓ, REPOMÓ, KIBITI, RIBITI) BÌ-SUBU – precipitar, derrubar BÍ TI – tanto como, tanto quanto (Vd. GANGAN, AIMOYE, BÌ) BIUÁ – nasceu para nós BIWÓ – demolir BÌ-WO – derrubar BIYI – nasceu aqui, agora BÒ – cobrir, inundar, calçar o sapato, escaldar, receber, concordar, pegar, ajudar, socorrer, salvar (Vd. GBÀ, MÚ, GBÉ, BÒBÀTÀ) BÓ – cair, adorar, alimentar, inundar, descascar, chegar, raspar, barbear-se (Vd. RA, FÁ) BO ASO – despir-se (Vd. BÓ-LASÓ) BÒ BÀTÀ – calçar, tirar (sapato) (Vd. BÒ)BOBÔ – todos. BODÊ – estar fora BÓJÍ – cemitério (Vd. IBÓJÍ, IKÚ ILÉ, ILÉ ÒKÚ, ISÀ-OKÚ, ITÉ ÒKÚ) BÓJU – lavar o rosto (Vd. FÒ) BOJÚTO – fiscalizar, tomar conta BOKELÉ – secreto (Vd. MIMOSINU) BÓKÒSEBÍ – a não ser que (Vd. BÍKÒSEBÍ) BÒKÒTÓÒ – mocotó BOLA – aquele que alcança a riqueza, honra BÓ-LASÓ – despir, desnudar, tirar (a roupa). (Vd. BÓ-SÍLÈ) BOMBOJIRA – vd. Èsù BÒ-MÓLÈ – enterrar BÓÒLÙ, BOLU – bola BÓRA – despir alguém BORÍ – bater BORI – ser superior, vencer, ultrapassar, promoção, ganhar BÓRI – oferenda à cabeça. Ritual que, juntamente com a lavagem-de-contas, abre o ciclo iniciático. Fora deste ciclo, o rito pode ser terapêutico. Em ambos os casos, consistem em “dar de comer e beber a cabeça”. BÒRÌSÁ – homenagem ao seu Orisá BOROGUN – Oriki, aquele que adora Ogun, saudação da família. BOROKU – imperfeito BOSÈ – cobrir os pés BÓSÉ – tirar a pele das patas ou pés (Vd. TEPÁ) BÓSILÈ – deixar cair BÓ-SÍLÈ – despir, desnudar, tirar a roupa (Vd. BÓ-LASÓ) BOTÀ – manteiga BÓTI – falhar, esgarçar, puir (Vd. SORO) BÓTILÈ – todavia BÒTÚJÈ – pinhão BÒWÁLE – regressar, entrando em casa BÓYA – tarde (à tarde) BÓYÁ – talvez (Vd. KIOSE, ABOYÁ, KIORIBE) BÙ – pegar uma porção BÚ – abusar, xingar, blasfemar, insultar, ofender BUBÁ – camisa BUBURÚ BURUJÚ, BURUKU, BURUBURU – mau, mal, maldoso (Vd. NISEKUSÉ, JEGBEJEGBE) BÙJE – cortar com o dente, morder BUJÉ – tatuagem, estábulo BUJOKO – casa, lar (Vd. ILÉ, IBUJOKO, OJÚLÉ) BUKU – assistente de Sakpannan que mata os contaminados com varíola torcendo-lhe o pesoço. BÙKÚ – reduzir BÙKÚN – acrescentar, abençoar, bendizer BÙNKÚN FUN – abençoar BÙLE – remendar BÚLÚÚ – azul BUNIJE – morder (Vd. RÉ, JAJE, BÙ-SAN, GE-JE) BÙNLÁYÈ – ceder, dar lugar a, permitir BÚRA – jurar BÚRA ÉKÉ – perfurar BÚRÉDI – pão (Vd. AKARÀ) BUREWA – feia BURONSI – bronze (Vd. IDE) BUROSI – escova de cabelos BUROSI IFO EHÍN – escova de dente BURÚ – ser ruim BURU – enorme (Vd. LERÚ, LEWÉ, NLANLÁ) BURÚ JÙ – pior BÙ-SAN – morder (Vd. RÉ, JAJE, BUNIJE, GE-JE) BUYÌN FUN – honrar (Vd. OGÓ) …………………………..– C Ver palavras na letra “K” ……………………………- D DÁ – criar, fabricar, trair (Vd. SOFOFO, PA) DA – quebrar (objetos compactos) DÀ –, consultar (Vd. IFA) DÁADÁA – bem, despejar, bonito (Vd. RERE) DAAPÒ – fazer bolsos DÁBA – sugerir, atrever-se DÀBÒ – até a volta DABÒBÒ – defender, proteger DÁBU – atravessar, cruzar DÁDA – bonito (ter beleza) (Vd. EWÁ, OSÓ, DIDÁRA) DADA – Deus dos Legumes e dos bebês recém-nascidos (filho de Yiemonja) DA-DUKO, DÁ-DÚRO, DÚRO – descansar, parar, ficar (Vd. KASÉ, SIMI, SINMI) DÁ-DÚRO – interromper DÀGALÁGBÀ – tornar-se um homem adulto DAGAN – titulo sacerdotal DÀGBÀ – crescer, envelhecer DAGBÉRE – despedir-se, dar adeus DAGÓ – dê licença. DÁHÙN – responder, falar (Vd. FÈSI, FÚN-LÉSI, ÈSÌ) DÁ ISÉ DÚRÒ – greve DAIYÀFÒ – aterrar DAIYÀJA – amedrontar DAJADE – expulsar, mandar embora (Vd. LEJADE) DÁJÓ – julgar DÁJU, DÁJUDÁJU – certeza, certamente DAKE – emudecer, silêncio (E DÁKE! – Silêncio!) DAKO – da + oko – da = oferecer em sacrifício e oko = o prepúcio) DÀ-KÒ – dirigir-se para DÁ-KÓJA – atravessar, passar por cima DÁKÚ – desmaiar DAKUN – por favor, licença, dá-me licença por favor (Vd. ÀGÒ, YAGÒ) DÀ-LAMU – chatear DALASÁ, DANWO – tentar DÀLE – quebrar uma promessa DA-LEKUN – conter DA-LÓHÙN – atender, responder DÁ-LU – furar (Vd. GÚN, LU) DÁMÒRÀN – sugerir, propor DÁN – brilhar, lustrar, polir DAN – Serpente sagrada (Daomé – Benin) representando a eternidade e a mobilidade sob a figura de uma cobra que engole a própria cauda. Genericamente designa os filhos-de-santo da nação jeje; encontrando-se sincretizada com Òsùmàrè e Bessen. DÁNA – assaltar, fazer fogo, preparar fogo, pagar um dote DANA-DANA – Òsóòsì com fundamento com Exu, Ossanhe, Oxumarê e Oyá. Ele entra na mata da morte e sai sem temer egun e a própria morte. DÁNÀDÁNÀ – assaltante DANDALUNDA – vd. Iemonja. DÀ OWÓ EYO – jogar búzios, fazer jogo através de Ifá (Vd. D’IFÁ) DÁ-PÁDÀ – devolver algo DÀPÒ – juntar, unir (sentido de misturar) (Vd. ÀSOLÚ, ASOMÓ) DAPOMÓ – juntar (Vd. WINRIN, KO PO PAPÓ) DÁRÀ – fazer proezas DARA – justo, ser ou estar bem, boa, bom (Vd. JOJÚ) DÁRA – belo (Vd. LEWÀ, AREWÀ, REWÀ) DÁRADÁRA – muito bem, muito bom(a) DÁRAJÚ – melhor DÁRÀN – fazer coisa ruim DARANDARAN – vaqueiro DARÍ – governar (Vd. JOBA) DARIJI – absolver, perdoar DARIJI MI – desculpe-me (Vd. MÁ BINÚ, FORIJI MI) DÁRÓ – lamentar, pensar em alguém ausente, refletir (Vd. IMIEDÚN) DARUGBÓ – envelhecer (Vd. GBÒ) DARÚKO – mencionar nome DÁSE – fazer algo sozinho DÁSILÈ – derramar no chão DA-SILÈ – fundar (Vd. OLUPILESE, FIBALÉ) DÁTO – babar (Vd. JÁTO) DÁWÀ – viver por si só, viver sózinho DAWÓ – adivinhar DÁWÓ – cortar o cordão umbilical DAWÓPÒ – juntar as mãos DÁYA – bala (doce) DÈ – amarrar DÉ – para (verbo), acontecer, chega, tampar, cobrir com coroa (Vd. BÓ, FÍ, NÍ, SI) DE – atrair, caçar, ser lerdo, atingir (Vd. BÁ) DÉÉDÉÉ – normalmenteDÉHIN – até depois DEIYI – chegou agora DEJÁ – pescar (Vd. PEJA) DEJÚ – macio DÉLADE – coroar um rei DELE – chegar em casa DÈNA – bloquear *DENDÊ – Palmeira africana aclimatada no Brasil (Elaeis guineensis; Jacq.) de ampla utilização na liturgia dos candomblés. O óleo obtido dos seus frutos (azeite-de-dendê) é considerado indispensável para a elaboração de grande parte das comidas-de-santo. Suas folhas servem para guarnecer entradas e saídas das casas-de-santo (vd. màrìwò). DENGÉ – caldo DERÙ – amarrar uma carga DÉRÙBA – amedrontar, horrorizar, intimidar DESISA – esteira (Vd. ENI) DI – entupir DÌ – amarrar DÍ – tornar a ser, tornar-se DÌBÒ – votar DIDÁ-ARA – boa saúde DÌDE – levantar-se (Vd. AGBESOKÉ) DÍÈ – pouco(a) DIEDIE – devagarzinho, um pouquinho D’IFÁ – jogar búzios, fazer jogo através de Ifá (Vd. DÀ OWÓ EYO) DIGBÀ – até logo DÌGBOLU – atacar, enfrentar, confrontar DÍGI – espelho DÍGI FÈRÈSÉ – vidraça DÍÍ – espelho (Vd. AWOJÍJI) DÍJI – esperando (Vd. DÚRÓDÈ) DIJINA – Nome iniciático dos filhos-de-santo dos candomblés de nação angola. DÍJO – juntos DÍKÙ – menos DILOGUN (Érìn dínlógun) – Nome dado à adivinhação com búzios que podem ser de quatro a 36 (mais comumente 16). Nesse jogo de Ifá as respostas ao oráculo são dadas por Èsù. DI LOWO – interromper DÌ-MÚ – manter, segurar DÍN – fritar, tostar DIN – menos, falta DINÁ – trancar (Vd. LOLÚ) DÍNKÙ – menos, cair, faltar DINU – agarrar, temperamental DIRUN – trançar o cabelo DÓ – relação sexual, fazer sexo DÓBÁLÈ – Cumprimento prescrito aos iniciados de Òrìsà femininos diante dos lugares consagrados ao culto, pai ou mãe-de-santo, Òrìsà e graus hierárquicos elevados. O termo iká designa o seu correspondente para o caso de filhos-de-santo de Òrìsà masculinos. DÒBÁLÈ – deitar-se de bruços, prostrar-se no chão DODE, D’ODE – caçar DODÔ – banana da terra frita DÒJÉ – foice DOJUBOLÉ – saudar DOJÚKO – atacar, enfrentar, confrontar DÓJUTÌ – envergonhar DÓKÍTÀ – médico DOLOGBE – fenecer DOMI – líquido DOSO – rico (Vd. RIJE, ILORÓ, LETÚ, OLOWO) DOTI – estar sujo DÙBÚLÈ – deitar DUBURU – pipoca (Vd. GÚGÚRÚ) DÚDÚ – preto, escuro DUDU DE EDON ou ORIOKUN DE EDUN – espécie de macaco oferecido à Ibeji DÙN – doce, agradável, delicioso, doer os pés, sentir DUN – tocar (Vd. FIKAN) DÙNDÚ – inhame frito DUPE – graças, agradecer DÚRA ÈKÉ – perfurar DÚREDÈ – aguardar DURÓ – esperar DÚRO – de pé, permanecer de pé DÚRODÈ – esperar, aguardar (Vd. DÍJI) DUROTI – ficar ao lado de alguém DÙRÙ – gaita, órgão, piano …………………………– E E – vós EBÁ – pirão de farinha de mandioca ou inhame EBADÓ – margem do rio EBANÁ – margem da estrada ÈBÁ ÒKUN – praia (Vd. ETI OKUN) EBATI – templo EBÉ – sociedade, sopa (Vd. OMITORO) ÈBGA – pulseira EGBADO – reino de menor importância ao sul de Egba EBÍ – família (Vd. IBATAN, ARÁILÉ, ÌDÌ LÉ) ÉBI – culpa EBI – fome, faminto (Vd. ÓDÁ) EBI ALUBOSA – alho EBI KÒ PA MÍ – não tenho fome EBI NPA MÍ – estou com fome EBITÍ – armadilha EBO – comida feita de milho branco, especial para Oxalá. EBO – sacrifício ou oferenda. Termo que designa, genericamente, oferendas e sacrifícios. Usa-se também trabalho, despacho, feitiço para a limpeza do corpo espiritual, livramento de eguns e abertura de caminhos. EBÔMIN – Pessoa veterana no culto; título adquirido após a obrigação de sete anos. Opõe-se a iaô, sendo equivalente a vodunsi EBÚ – abuso EBU – olaria ÈBUN – presente ÈBÚTE, ÈBÚTÉ OKÒ – cais, porto (Vd. OJÚ OMI) EDÁ – natural (Vd. ÁDAMO, ÀDANIDÁ, ÌWA ÈDÁ) ÈDÁ – ser humano (Vd. ÈNIA) EDÁ-ELEMI – reino animal EDÁ-EWEKO – reino vegetal E DÁKE! – silêncio! ÈDÁN ÀRÁ – pedra de raio, sagrada à Xangô EDÉ – camarão ÈDÈ – linguagem, idioma, dialeto ÈDEÀIYÉDÈ – desentendimento, atrito EDÉ NLÁ – lagosta EDE POTOKI – falar Português EDINFIN – mosquito (Vd. KANTÍKANTÍ) ÈDÒ, EDOKI – fígado ÈDÒFÓRÓ – pulmão (Vd. ODOFORÓ, FÚKUFÚKÙ) EDU – carvão EDUN – mico EDÙ – machado EDUN – nome próprio, machado EDUN AARÁ – raio (Vd. MÀNAMANÁ, AARÁ) ÈDÙN ARÁ – meteorito EEBI – vomitar, empurrar (Vd. BÌ) ÉÈDI – encantar, feitiço EEDOGBÓN – vinte e cinco EEDOGUN – quinze EEGUN – osso, antepassado, esqueleto (Vd. EGUNGUN) EEGUN ÀYA – osso do peito EEGUN ÌHÀ – costelas ÈÈKÁNNÁ – unha (Vd. ÈKÁNÁ, ISÓ) EERIN – quatro EESAN – nove (numeral) EESE – porque ÈÈWÒ – (em português chama-se Quizila) Interdito ritual; o mesmo que èèwò. Na liturgia dos candomblés há um ciclo cerimonial, onde se realiza o rompimento dos tabus que circundam o noviço durante a iniciação, conhecido como quebra-de-quizila. Dele fazem parte o panán e a quitanda-de-iaô. ÈFÀ – seis (numeral) EFEFE JEJE – brisa (Vd. AFEFEJEJE) EFÍ – fumaça EFIN – fumo (Vd. ITÀBA, FIFA) ÈFO – verdura (Vd. ÀIPON) EFÒN – búfalo ÈFÓRÍ – dor de cabeça ÈFÓ TÈTÈ – espinafre ÈFUFU LILE, EFUFU NLÁ – tempestade (Vd. ÓJÍ) EFUN – Nome dado à argila branca com que são pintados os neófitos. Essa pintura corresponde ao que se chama de “mão-de-efun”. Como sinônimo de efun ocorre, também, afin. EFUN ÌKÒWÉ – giz, lápis EGÀN – mata fechada (Vd. IGBÓ) ÈGBÀ – bracelete (Vd. KEREWÚ) EGBÁ – mangueira ÈGBÀ – paralisia E GBA MI O! – socorro! ÈGBÉ– lado (Vd. NI) EGBÈ – coro EGBÉ – sociedade, comunidade de pessoas com o mesmo propósito ÉGBÉÉ – amuleto de proteção para o Orixá Ogun EGBÉRE – fada, espírito (Vd. KUREKERÈ, ALÙJONNÚ, ÀRONI, IWIN) EGBO – milho cozido ÈGBO – ferida, úlcera ÈGBÓN OBINRIN – irmã mais velha ÈGBÓN OKÙNRIN – irmão mais velho ÈGDÉ – sociedade EGÉ-ETÁ – farinha de mandioca (Vd. ETAGARI, IYÈFUN) ÈGÉ – mandioca, aipim ÈGIGBO – cidade da Nigéria (Vd. IRÈ) EGÚN – Nome genérico dos espíritos dos mortos, esqueleto (Vd. ÓKÚ) EGUN – maldição EGUN APÀ – osso do braço EGUN E – pessoas importantes do culto EGUN-EHIN – osso das costas (ÈHIN) EGÚNGÚN – Espíritos dos ancestrais, cultuados especialmente em terreiros situados na Ilha de Itaparica, na Bahia. EGUNGUN – ossos (Vd. EEGUN) EGUN-ITAN – osso da coxa EGURÉ – cidade (Vd. ÌLÚ) ÈGÚSÍ – melão EHÍN – dente (Vd. EYÍN) ÈHIN – costas, atrás EHINKUNLÉ – quintal (Vd. IKARÁ, KA) EHIN-ODE – exterior EHORO – coelho (Vd. AGORO) EIE, EIYELÉ – pombo ÈIYÀ – ave, pássaro EIYE ÀKÀLÀ – urubu (Vd. GÚNNUGÚN, IGÚN) EIYE AYÉKÒTÍTÓ – papagaio (Vd. ODIDE, ÓDE) EIYE IGÚN – águia EIYELÉ – pombo (Vd. ERUKUKÚ, AYIELÈ) EIYE ÒGÒNGÒ – avestruz EIYE OKÍN – pavão EJA – peixe EJA GBÍGBÉ – bacalhau EJANU – paixão EJA ODÒ – peixe de rio EJA ÒKUN – peixe de mar EJA TI KÒ NIÍ ÍPÉ – peixe de pele ÈJÈ – sangue EJE – 7 (algarismo) ÈJÈ-ERANKO – sangue animal E JÉKALO! – vamos! (vd. KALO) ÈJÌ – dois (numeral) EJI – chuva ÈJIGBO – cidade da Nigéria ÈJÌKÁ – ombro – em referência a fazer “yìnká” EJIKA – sadio ÈJÌLÀ – doze (numeral) EJILAEBORÁ – nome que se dá às doze qualidades de Sangô EJIONILÉ – nome de um Odu, jogo do orixá ifá EJIRÉ – gêmeos (Vd. ÌBEJÌ) EJÒ – cobra EJÓ – processo judicial ÈJÓ – problema (Vd. IJOGBON) ÈJO – oito (numeral) E KÁÀÁRÒ – bom dia (Vd. KARÒ, O KO-ARO, EKARÒ) EKÁÀBÓ O! – sejam bem vindos! E KÁASALÉ, E KÁALÉ – boa noite (entre 18 e 19 h) (Vd. O DARÒ, O KÚ-ALÈ) E KÁÀSÁN – boa tarde (Vd. E KÚUROLE) EKÀ IGI – galho de árvore ÉKAN – pingo ÈKÁNÁ – unha (Vd. ÈÈKÁNNÁ, ISÓ) ÉKAN-OJÓ – pingo de chuva EKARÒ – bom dia (Vd. KARÒ O, O KO-ARO, E KÀÁRÒ) EKE – mentira, falsidade (Vd. SÈKÉ, IRÓ NI, ÓKOBÓ) ÈKÉ – pessoa mentirosa, fraudulenta, falsa ÈKE – bochecha EKEJÍ – segundo (número ordinal) EKÉJÌ – Cargo honorífico circunscrito às mulheres que servem os òrìsà sem, entretanto, serem por eles possuídos. É o equivalente feminino de ogã: Também seria interessante abordar a etimologia da palavra “Ëkëdi”. Em Yorùbá é Ekéjì (Aquele (a) que está em segundo lugar). EKÉJÌ ORISA – “próximo aos deuses” EKÉWA – décimo EKINI – primeiro (número ordinal) (Vd. ÀKÓKÓ) ÈKÍNÍ – um ou outro EKITI – tribo que forma uma fonfederação a nordeste de Ode de Jebu EKÓ – comida feita com milho branco ou de galinha; acassá (milho branco moído e cozido) a vapor. EKO – Lagos. Capital da Nigéria ÈKÓ – lição, aula, educação ÈKO WÀRÀ – queijo EKU – rato, preá (Vd. ÈKUTÉ) EKÚ, EKÚN – espada (Vd. IDÀ) EKU-EMÓ – porquinho da índia, preá EKÙN – tigre, leoa, leopardo ÉKUN – joelho (Vd. ORUNKUN) ÉKÚN – choro EKUNWÓ – um punhado EKURÁ – tubarão ÈKUTÉ – rato, preá (Vd. EKU) E KÚUROLÉ – boa tarde (entre 17 e 18 h) (Vd. E KÁÀSÁN) ELEBÓ – aquele que faz o sacrifício. ÈLÉDÀ ou ELÉEDA – criador, orixá, guia, criador da pessoa (qualificação para Olorun Da – cessar a chuva “Ele que controla a chuva”) ELÉDÉ – porco (Vd. AKO ELEDE) ELÉDÈ EGÀN – javali (Vd. ÌMADO) ELÉEBO – Aquele em nome do qual se faz o sacrifício ou oferenda. ELÉÈÉMÍ – dono da vida (atribuíndo-se à Olorun) ELEGBA – deus fálico (falo = pênis) ou ELEGBARA que significa “ele que agarra” (eni + gba e bara de Obara “deus da fricção”) ELÉGBÁRA – Èsú, Elégba ou ainda Légba, seriam os nomes pelos quais é conhecido este poderoso Orixá, o primeiro criado por Obatalá e Oduduwa, tendo Ogun como irmão mais novo. ELEGBOGI – médico (Vd. ONISÉGUN) ELEGEDÉ – abóbora ELEGUGU – jacaré, crocodilo (Vd. ÒNI, ALÉGBÀ, ALEGUGU) ELEJO – falador ELÉKÉ – mentiroso, falso (Vd., IRÓ NI, EKE, ÓKOBÓ, SÈKÉ) ÉLEKO – sociedade secreta ELEMAXÓ – título de um sacerdote no culto de Oxalá. ELEMI – um homem vivo (Vd. TIYÉ, ALAYE) (qualificação para Olorun que quer dizer um homem vivo literalmente “Ele que possui respiração ELÉNÀ – aranha ELÉNGÀ – gafanhoto (Vd. ESUFÉ) ÈLÉ OWÓ – juros ELÉRAN – açougueiro ELERE – bailarino ELERE-IJE – atleta ELERI – testemunha ELERIN – um dos Obá da esquerda de *Xangô. ELÉRO, ELELÓ – engenheiro ELÉRÒ – pacificador (Vd. LAJA) ELERÚ – cinza (Vd. ERÙ) ELERUPE – terrestre ELESÉ – lacaio ELESSÉ – que está aos pés, seguidor ELÉSÙ – pessoa que adora Exu ELETULOJU – fértil ELÉYI – este (a), esse (a), isto (Vd. ÈYÍ) ELÌKAN – ninguém ELIPÁ UM – forçar, imprimir força ELO – moinho, vaso (Vd. OLÓ) ELÓ – quanto (Vd. MELO?) ELÒMÌRÀN – um outro ÈLÓ NI – quanto? (Vd. ELÓ, MELO?) ÉLÚ – anil ELU – estranho ELÙBO – farinha (Vd. GARÌ, IYÈFUN) ELUSU – esposa de Olokun também chamada de Olukun-su ÈMI– eu (Vd. MI, MO) ÈMI – eu sou (Vd. NÌ) ÈMÍ – espírito È MI – vida, alma humana (Vd. IRIN) ÈMÍ WÀ – estou presente EMU – vinho de palmeira ENI – uma pessoa ou um quem (Vd. ENITÍ) ENI – Nome dado à esteira de palha utilizada pelos neófitos, sobretudo durante o período de reclusão. É empregada como “mesa”, “cama” e “tapete” em distintos Ritos. No candomblé é usual a expressão “irmãos-de-esteira” para designar o conjunto de neófitos reclusos ao mesmo tempo, e que eventualmente tenham partilhado esse artefato simbólico na liturgia da iniciação. (Vd. DESISA) ÈNIA – ser humano (Vd. ÈDÁ) ÈNIA BURÚ – pessoa má ENIA DÚDÚ – pessoa negra ENI-DURU – título atribuído à Oko (a palavra significa “personagem ereto (referindo-se ao pênis). Sua função é curar a febre causada pela malária ENIKAN – uma pessoa, alguém ENIKÉJÍ – amigo, sócioENIKENKEN, ENIKÉNI – ninguém, qualquer um ÈNÍKÉYÌÍ – nenhum ENIKOSILÉ – imortal ENIKÓSILÉ – mau caráter ENINI – orvalho (Vd. ÌRÌ) ENÌNÍ – inimigo ENITÍ – quem (Vd. ENI) ENU – abertura, boca ENYIN – você, vocês (Vd. IWO, ÈYIN) ÈPÀ – amendoim EPA – burro ÈPÈ – praga EPELE O! – oi EPO – azeite, óleo, pele (Vd. ORORÓ) EPO DÍDÙN – azeite doce EPÒN – testículo (Vd. ÉRÍ) EPO PÚPÀ – azeite de dendê EPOYINBO – querosene ERAN – carne ERA – formiga (Vd. ERUN) ERAN ÀYIA – carne de peito ERAN DÍNDÍN – carne fria ERAN EJA – carne de peixe ERAN GBÍGBÉ – carne seca ERANKO – animal ERANKO ELÉSÈMÉJÍ – animal de 2 patas ERANKO ELÉSÈMÉRIN – animal de 4 patas ERANKO OLORUN – gambá ERANLÁ – boi, vaca (Vd. AKO MÀLÚÙ, MALÚ,ABO MÀLÚÙ) ERAN MALU – carne de boi ERAN ÒRÙN – carne do pescoço ERAN-PÍPA – gado ERAN TÚTÙ – carne fresca ERAPO – aldeia situada entre Lagos e Badagry onde há um templo de Ibeji ERÉ – Termo que caracteriza um estágio de transe atribuído a um espírito-criança. ERE – as esculturas do orixá beji (dos gêmeos), representadas por Cosme e Damião ERÉ – brincadeira, ópera (Vd. ATÉ, IRE, IDARAYÀ) ÈRE – estátua ÈRÈ – lucro (Vd. IJERÉ) ERÈ – lama, jibóia (Vd. ÓJOLÁ) ERE ÀGBELEBU JÈSÙ – crucifixo ERÉ-ALAWÒRÁN – cinema (Vd. ILÉ IWORAN) ERÈÉ – feijão cru ÈRÈÉ FÚNFÚN – feijão branco cru ERÈÉ TIRO – feijão fradinho ERE-ÌBÍLÈ – folclore ÈREKÉ – face ERÉKÙSÙ – ilha ERÉMI – alto mar ERE TÚTÙ – vagem ERÍ – cinza (cor) (Vd. ERÚ) ERI – prova ERÍ – testemunha (Vd. JERÍ, FOWOSOYA) ÉRÍ – testículo (Vd. EPÒN) ERÌGÌ EHÍN – gengivas ERÍKO – bambu ERÍKO-OPÁ – bambuzal ERIN – elefante (Vd. ÀJANAKÚ) ERINKÁ – milho na espiga ERINLÈ – Qualidade de Oxossi (Vd. Inlè) ERIN OMI – hipopótamo ERÍ OKÁN – consciência ÈRO – arte, chuveiro, torneira (Vd. OMI GBÓNÁ) ÈRÒ – pensamento, opinião (Vd. IRO) ÈRO ÌFOSO – máquina de lavar roupas ÈRO IKÒWÉ KÉKERÉ – máquina de escrever ÈRO ILOTA – liquidificador ERO-ÌPONMI, ÈRÓ-OMI – bica, torneira EROKERÓ – maus pensamentos ÈRÒ-ÓKÒ – passageiro ÈRO OMI GBÓNÁ – torneira de água quente ÈRO OMI TÚTÙ – torneira de água fria ÈRO RANSO – máquina de costura ERÚ – escravo, esconder, cinzas, engano, fraude, escrever (Vd. ETAN, IREJE, ÌYÀNJE) ERU – carrego, pavor, traição (Vd. OMNÚ) ERÚ – compra ÈRÙ BÀ MI – estar com medo ERÙBIRIN – escrava ÈRÚBO – compromisso de fazer uma oferenda aos Orixás ERÚKÉRÉ – emblema feito com cabelo de animais, usado por Oxossi, Oyá. ERUKUKÚ – pombo (Vd., EIYELÉ, AYIELÈ) ERUN – formiga (Vd. ERA) ÈRUN – estação das secas ÉRÙPÈ – areia, solo ERUPE – sujo ÈSAN – vingança, desforra (Vd. OWUN, IGBÈSAN) ESÉ – fila ESÈ – pata, pé, perna ÈSÉ – punho ÉSE – pecado, ofensa ESÈ DÙN – dor nos pés ESI – acidente ÈSÌ – resposta ESIN – cavalo ÉSIN – lança (Vd. ÓKÓ) ÈSIN – religião ESINSIN – mosca (Vd. KOKORÓ) ÈSÍ ODÚN KOJÁ – ano passado ÈSO IGI ÌYEYÈ – ameixa ÈSÍ ODÚN KOJÁ – ano passado ESÓ – doença de pele ÈSÓ – fruta ÈSO ÀJÀRÀ – uva ÈSO IGI ÌYEYÈ – ameixa ESOKAN – maçã ESO-ORÓRO – azeitona ÈSO PIA – abacate ÈSO PIÀ – pera ESSA – Espíritos de ancestrais ilustres do candomblé. ÈSÙ – Primogênito da criação. Também conhecido como Elégbára (jeje) é popularmente referido como compadre ou homem-da-rua. Suscetível, irritadiço, violento, malicioso, vaidoso e grosseiro. Dizem que provoca as calamidades públicas e privadas, os desentendimentos e as brigas. Mensageiro dos òrìsàs e portador das oferendas. Guardião dos mercados, templos, casas e cidades. Ensinou aos homens a arte divinatória. Costuma-se sincretizá-lo com o diabo. Ocorre tanto em representações masculinas como femininas. Nas casas angola é Bombogira; nas casas angola-congo é (Exúlonã). Na umbanda tem múltipla personagens, entre elas, Pomba-gira. Suas cores são o vermelho e o preto. Saudação – “Laaróyè!”. A Igreja associa Exu à figura do diabo. ESUFÉ – gafanhoto (Vd. ELÉNGÀ) ÈSÙN – acusação, dado ESUN – assado ETA – três (numeral) ETAGARI – farinha de mandioca (Vd. EGÉ-ETÁ) ÉTALA – treze (numeral) ÈTÀN – engano, fraude, falsidade (Vd. ERÚ, IREJE, ÌYÀNJE, YOBÁ, IRÓPIPÁ) ETANAN – faísca ÈTÉ – desgraça, vergonha, lepra (Vd. IPARUN, ÁDEBA, ALE, ÌTÌJÚ) ÈTÈ – lábios ETI – ouvido, orelha (Vd. GBIMORAN) ETÍDÒ – litoral, costa E TÌNRIN – ébano (Vd. IGI-DUDU) ETI OKUN – praia (Vd. ÈBÁ ÒKUN) ETO – programa, deveres ÈTÒ – processo ETU – galinha d’angola, um pó mágico (Vd. KOKEN) ETUFU – tocha (Vd. OTUFU) ETUTU – vila, lugarejo EUÁ – nome de um orixá ÈWÁ – feijão cozido (Vd. OTILI AWUJE) ÈWÀ – dez (numeral) EWÁ – bonito (ter beleza) (Vd. DÁDA) ÈWÀ AWUJE – feijão branco grande ÈWÀ DÚDÚ – feijão preto (Vd. OTILI DÚDÚ) ÈWÀ FÚNFÚN – feijão branco cozido EWA TUTU – ervilha EWÉ (EWEKO) – folha (vegetal) EWE – feijão mulatinho ÈWE – criança, juventude EWE ASE – folha de árvore EWEBÉ, EWÉ EGBÒGI, EWÉKO – planta, erva EWEDÓ – planta aquática EWEKO – planeta (Vd. IRAWO TI NYI OÒRÙN KA, ODÁN) EWÉKO – planta, erva EWE TUTU – repolho ÉWIRI – fole EWÓ – absurdo ÈWO – qual? ÈWÒN – corrente, prisão ÈWÙ – camisa, blusa (Vd. AGABDÁ, ASO) ÉWÚ – ornamento (Vd. OHUN-OSÓ) EWÚ – cabelo grisalho, sinal de dignidade EWU – perigo ÈWÙ OBINRIN – blusa de mulher ÈWÚRE – cabra EWURO – amargo EWURU – amargo, alçapão ÉWURUKU – casulo EYA – tribo EYÀ-ARÀ – asa, braços (Vd. APÀ, ÓSI) ÉYE – mérito ÉYÉ – parada ÈYÍ – este(a), esse (a), isto (Vd. ELÉYI) ÈYIN– você (Vd. ENYN, IWO) EYIN – ovo EYÍN – dente (Vd. EHÍN) EYINJÚ – globo ocular ÉYINKOLÓ, ÉRINKOLÓ – lava vulcânica EYO – concha (Vd. IKARAHUN, KARAHUN) ……………………… – F FÀ – empurrar, estender, esticar, puxar, arrastar, tirar (Vd. SÒ) FÁ – raspar, lento, barbear-se, tardio (Vd. BÓ, RA) FÀÁGÚN – prolongar FÀDÁKÀ – prata (Vd. ÀWO FÀDÁKÀ, IDE) FÁFÁ – inteligente (Vd. LÓYÉ, OMÚ, TAKANKAN) FÁFÁFÁ – ser ativo FAIYA – encantar, seduzir FÀIYAKÒ – abraçar FALOWÓ – tirar com a mão FALULÉ – rastejar FAMORÁ – beijar (Vd. FENÚKÒ, FENUKONU, JÈTÈ) FÀ-MORA – fascinar FÀ-MU – mamar, absorver, sugar FARABALÈ – calmo (ser calmo) FARAHÀN – aparecer, manifestar FÁRI – raspar (a cabeça) (Vd. RARI, ÍRARI) FÀRIFARI – barbeiro FASOKÉ – erguer, levar (Vd. FIKÓ, MURO, GBÉ) FÁTA SI – apimentar FATU – exterminar – (Vd. PA) FATUMBI – título de um sacerdote de ifá FAYÁ – agradar, quebrar em pedaços FÁ YA – rasgar (Vd. YA) FE – querer, gostar, amar, há muito tempo FÉ – abanar, soprar, ventar (Vd. JADE, AFÉ) FÈ – expandir FEBIPA – enfraquecer (Vd. MUSÁ) FEFE – rapidamente (Vd. KANKAN, TETÉ, KÍAKÍA) FEHINTIN – encostar FE INÁ – abanar FE-LÁTEGUN – abanar FELAYÀ, FÉ ÌYÀWÓ – casar (Vd. GBÉYÀWÓ) FÉLE – ser magro FELELÈ – voar, pular, saltar (Vd. FÒ) FÉNIYAWO – casar FENÚKÒ, FENUKONU – Beijar (Vd. FAMORÁ. JÈTÈ) FÉRAN – gostar, amar, desejar, querer FÈRÈ – apito, gaita, flauta FÈRÈ – balão FÉRÈ – quase FERÉ-FERÉ – alegremente FEREGÈDÉ – couve FÈRESÉ – janela FERETUTU – leve FÈSI – responder, falar (Vd. DÁHÙN, FÚN-LÉSI, ÈSÌ) FESÙNKÒ, FI-SÙN – acusar FETÈ – deficiente (Vd. LAIPÉ) FEWÓ – furtar, roubar (Vd. IFEWÓ, JALÈ, OLÉ) FÌ – balançar FI – para, com (preposição) (vd. FÚN) FI – meter, colocar, por (Vd. DE, FI-SI) FÍ – parar (verbo) (Vd. DÉ, NÍ, SI) FÍ – usar (Vd. LÒ) FI-AJÈ-UM – enfeitiçar (Vd. FIOSÓ-UM, KÀN-LOGÙN) FIBAKÓ – enfiar (Vd. KIBO, TIBO) FIBALÉ – fundar (Vd. OLUPILESE, DA-SILÈ) FIBO – Qualidade de Oxossi. Come com Ossanhe FIBÓ – encobrir, encantar FÍBO – molhar (Vd. RIN, TÚTÚ) FIBÚ – amaldiçoar FIDI – enrolar, arregaçar (Vd. FÚN, FUN NI) FIDÍ – vingar (Vd. GBÉSAN, YARÓ) FIFA – fumo (Vd. ITÀBA, EFIN) FIFALÉ – vagaroso FIFARO – triste (Vd. NIBINÚJE) FIFÉ – namoro (Vd. ÀLE) FIFÈ NLÁ – travessa de colocar comida (Vd., ÀWO) FIFIBÚ – infame FIFO – dor (Vd. ÌRORA) FIFUN – brancura FI-FÚN – dar para, entregar, oferecer, gratifiar FI-HAN – mostrar, revelar FI IPÁ UM – forçar FIJÚBÀ – respeitar FIKAN – tocar (Vd. DUN) FIKÓ – ensinar, levar (Vd. KÓ, FASOKÉ, MURO) FI-KO – pendurar, erguer (Vd. GBÉ-KO) FILÁ – gorro, boné FÌLÀ – chapéu FILA OBINRIN – chapéu de mulher FILÉ – determinar FÍ MI SILÈ – largar (Vd. JU-SILE) FI-MO – ficar FÍN – dividir, esculpir (Vd. PÍN, GBÉ) FÍNRÀN – agredir FI OMI SI – umedecer FIOSÓ – enfeitiçar (Vd. FI-AJÉ-UM, KÀN-LOGÙN) FI-PÁMO – esconder, guardar FI-RANSE – enviar FIRÍ – maior FÍRÍGÍ – geladeira FIRIN – banhar FIRMA – Fecho de colar de forma cilíndrica. Suas cores indicam a vinculação de seu portador a um determinado Òrìsà. FISÉPÈ – rogar praga, xingar (Vd. TASE) FI-SI – meter, colocar, por (Vd. DE, FI) FI-SILE – deixar, conceder, permitir (Vd. JÉKÍ) FI SÚGÀ SÍ – adoçar FI-SÙN – acusar FITAFITA – energia (Vd. OKUN-ÍNÚ) FITILA – lâmpada, vela, lamparina (Vd. ÀTANPA, ÀTUPÁ) FIYIKA – rodar (Vd. YÍ) FÒ – lavar qualquer coisa, lavagem voar, pular, saltar (Vd. FELELÈ, WÉ, ÍWE WENÚ) FÓ – quebrar, explodir, palavras de encantamento (quebrar coisas ocas) (Vd. TIPATIPÁ) FO – bater FO EHÍN – escovar os dentes FOFO – pulo, espuma FOIYA – temer FOLO – fugir (Vd. LÁ, SALO) FÓLORI – quebrar a cabeça de alguém FÓN – borrifar aguardente FONAHAN – guiar FONI-FONI – decência FÓN-JADE – espirrar, assoar (Vd. FÚN) FORÍ – abortar FORIBALÉ – venerar FORIJI MI – desculpe-me (Vd. MÁ BINÚ, DARIJI MI) FÒRUN – lavar os cabelos FÒSÀNLÈ – falir, sofrer um colapso FÒSO – lavar roupa (Vd. FÒ) FÒSÓKÈ – saltar FÒWÓ – lavar as mãos FOWÓLÉRÁN – agir com paciência FOWOSOYA – testemunhar (Vd. JERÍ, ERÍ) FÒYEHÀN – pessoa civilizada (Vd. ÒLÀJÚ) FÚKUFÚKÙ – pulmão (Vd. ODOFORÓ, ÈDÒFÓRÓ) FULÓNJÉ – alimentar FULOWA – farinha de trigo FÙN – dar (Vd. FIFUN) FÚN – para, com (preposição) (vd. FI) FÚN – espirrar, assoar, torcer (Vd. FÓN-JADE) FUN – tocar flauta FUNFUN – branco FUN…NI – dar FUNKÉ – nome sarcedotal FUNKÍ – sufocar FUN-L’AGBÁRA – fortalecer FÚN-LÁYÈ – permitir, dar espaço (Vd. GBÀ-LAYÈ) FÚNLÈFÓLORUN – dar liberdade, agir de maneira certa FÚN-LÉSI – responder, falar (Vd. FÈSI, DÁHÙN, ÈSÌ) FÚN-LONJE – servir, dar comida FUNNINIMOLÈ – iluminar (Vd. LALOJU) FÚN-PÁ – apertar, esmagar, estrangular FUNPÉ – louvar (Vd. YIN) FÚNWINIWINI – garoar FURÁ – feito com diversas frutas FÚÙ – o som feito pelo vento ……………………. – G GÀ – enganar GA – alto (ser alto) (Vd. GÍGA) GÁDÀ – ponte (Vd. AFARÁ, AFÁ) GAFARA – licença (estar de) GALÀ – cervo (IGALÀ) GAN – realmente GÁN – cortar o mato (Vd. GÉ IGBÓ) GAN – outro nome do agogô GANGAN – tanta (Vd. AIMOYE) GANZÁ – Instrumento musical de percussão, semelhante a um chocalho, geralmente de folha-de-flandres e forma cilíndrica, contendo em seu interior pedaços de chumbo ou seixos. GARAWA – balde GARI – farinha (Vd. IYÈFÚN, ELÙBO) GÁÀRI – refeição feita com farinha de mandioca GBA – crer (Vd. GBO) GBÀ – receber, concordar, pegar, ajudar, socorrer, salvar (Vd. BÒ, MÚ, GBÉ) GBÀ – aceitar, admitir, conceder, receber, bater, jogar GBÁ – jogar, atirar (Vd. GIBÁ) GBÀ Á – aceitou-a GBÁ BÓÒLÙ – jogar bola GBADA – faca com lâmina grande GBADU-LUMÓ – traduzir (Vd. GBÉDÈGBÉYÓ) GBÁDÙN – divertir, gozar (coisa útil e agradável, sentir prazer) GBÀDÚRÀ – orar, rezar (Vd. KIRUN) GBÀGBÉ, GBABE – esquecer GBÀGBÓ – acreditar GBÁGUDA – mandioca, aipim, ar livre (Vd. ÈGÉ, PAKI) GBÁ ÌTÁ – varrer lá fora GBAJÉ – encantadora (Vd. NIFAIAYA, AFAIYÁ-KORIN) GBAJUMO – cavalheiro, homem gentil GBÀ-LÀ – salvar GBÀ-LAYÈ – permitir, dar espaço (Vd. FÚN-LÁYÈ) GBÁLÈ – varrer (limpar), varrer a casa GBANGBA – explicação, prova, demonstração (atribuído à Ifa) GBANJO – leilão GBARADÌ – amar, desejar, querer GBASE – obedecer GBÁYÓ – jogar (esporte) GBE – secar GBE – levantar, cavar, desaguar (Vd. DÌDE, AGBESOKÉ) GBÉ – receber, concordar, pegar, ajudar, socorrer, salvar, tomar (Vd. BÒ, MÚ, GBÀ) GBÉ – morar, cacarejar, esculpir, erguer, levar, levantar GBÉDÈ – agir de maneira inteligente GBEDÈGBÈYÒ – linguagem, tradutor GBÉ-FÚN – entregar GBEGBO – decidir GBÈJÀ – defender, comprar briga de alguém GBÉKÈLÉ – acreditar, confiar GBÈ-KI, GBÉ-MI – engolir GBÉ-KO – pendurar, erguer (Vd. FI-KO) GBÉ LE ÈJÌKÁ – levantar os ombros GBÉ-LO, GBÉ-WÁ – carregar e levar, levantar, buscar e levar GBÉ-MÌ – engolir GBÉNÀGBÉR – escultor GBÉRA – agitar-se, partir, levantar-se (Vd. JÁ) GBÉRÈ – cumprimento GBÉ-RÓ – sustentar, erguer, levantar GBÉ-RÙ – carregar GBÈSAN – vingar (Vd. YARÓ, FIDÍ) GBÈSÈ – dívida GBÉ-WÁ – carregar e trazer, buscar GBÉYÀWÒ – casar (Vd. FELAYÀ) GBÌDÁNWÒ – tentar GBIGBÁ – resgate GBIGBÁTÓ – afilhado GBIGBEWÓ – teste GBIGBON – hábil GBÍGBÓNÁ– quente (ser quente) (Vd. GBÓNÁ) GBÍLÈ – florescer, prosperar GBIMORAN – ouvido, orelha (Vd. ETÍ) GBÌN – plantar, semear GBÓ – envelhecer, ouvir, escutar, idoso (Vd. DARUGBÓ, LOJO LORI) GBÒ – mexer, esfregar folhas GBÓ – ouvir, escutar, latir GBO – crer (Vd. GBA) GBOD-Ó – dever GBOGBO – todos (as) GBOHUNGBOHUN – eco GBOJU – bravo (Vd. LÓKAN) GBÓLÓHÙN-ÒRÒ – sílaba, frase GBÓN – sábio, sacudir (a sineta) (Vd. NIMÓ, OWOWÉ) GBÓNÁ – quente (ser quente) (Vd. GBÍGBÓNÁ) GBÒNGBÒ – raiz (Vd. KULÉKULÉ)GBONSÉ – evacuar GBÓRÀN – escutar, obedecer GBÓRIN – grande GBORÙN – cheirar, farejar GBÓSO – ouvir falar GBUN – curvar-se (Vd. WÓ, TE) GBÚRÒO – ouvir GÉ – cortar GÈ – elogiar (Vd. YIN) GEDÚ – mogno GÈGÉ – caneta GEGÉ – tudo bem GÉGÉBÍ – de acordo com, exatamente (vd. WÉKÚ) GÉ IGBÓ – cortar (o mato) (Vd. GÁN) GÉ IRUN – cortar o cabelo GE-JE – morder (Vd. RÉ, BÙ-SAN, JAJE, BUNIJE,) GÈLÈ – turbante, torso (Vd. ÒJÀ) GÈLÈDÉ – tipo de máscara ritualística de barro ou madeira, sociedade dedicada a homenagear os ancestrais GÉNDÉ – homem forte GEREGE – suavemente GÈREGÉRE-ILÉ, GERE – ladeira (Vd. IGUN OKE) GEREJE – tosco GÉRÚNGÉR – cabeleireiro GESIN – celar, arriar o cavalo GIBÁ – jogar, atirar (Vd. GBÁ) GIDÁ – verso GÍGA – alto (ser alto) (Vd. GA) GÌGÌRÍSÈ – calcanhar GIROBA – goiaba GNA – mesmo GÒ – burro, confundir, embaraçar, encabular GO – tolo GOBA – goiaba GÒGÓNGÒ – garganta, gógó (Vd. OFUN) GÚGÚRÚ – pipoca (Vd. DUBURU) GUGUSÙ – sul GÒKÈ – subir GÓLU, GÓÒLÙ– ouro GÒMBÓ – cicatriz, marca no rosto que indica linhagem GÚN – furar, pessoa alta (Vd. LU, DÁ-LU) GÙN – trepar, montar, subir GÙN, GÒKÈ, GÙNKÈ – comprido (ser alto), subir GUNLÈ – aterrisar GÚNLOBE – apunhalar GÚNNUGÚN – urubu (Vd., EIYE ÀKÀLÀ, IGÚN) GUUSÙ – sul ………………………..– H HÁ – ficar entalado HÀ – expressão de prazer HÀ, HÈÉ! – medo ou surpresa (interjeição) HAANRUN – roncar (Vd. IHANRUN) HALÈ – amedrontar, ameaçar, intimidar HAMUNYIA – Cadência executada pelos atabaques e agogôs que capitula a estrutura dos diferentes toques que marcam o siré, mais conhecido por Avamunha. HÀN – aparecer, manifestar HARAMÚ – roubo (Vd. FEWÓ, JALÈ, OLÉ) HAUSA – língua e povo Hausa HE – pegar, apanhar HÈÉ! – medo ou surpresa (interjeição) HO – arranhar HÓ – ferver HÙ – crescer, brotar, germinar HU – gemer HÚ – desenterrar (arrancar com raiz) (Vd. TU) HUN – tecer (Vd. RAN, WUN, OWÚN, OFÍ) HÚWÀ – comportar-se ……………………..- I IÁBASSÉ – Especialista ritual encarregada do preparo das comidas votivas dos òrìsà. IÁ-EFUN – Especialista ritual encarregada das pinturas corporais durante o período de iniciação. Embora esse título honorífico signifique literalmente “mãe-do-efun”. O ofício litúrgico não se limita às pinturas com o pigmento branco (efun). São também empregados: wájí e osùn, respectivamente as cores azuis e vermelhas. IÁLAXÉ – Titulo honorífico geralmente ostentado pela própria mãe-de-santo, significando “mãe-do-axé” ou “zeladora-do-axé”. IANGUI – nome do rei dos Exu. IANLÉ – as partes da comida que são oferecidas ao orixá. IAO – (Vd. IYAO) IBÁ – cuia, ou a louça que compõe o assentamento do Orisá IBÀ – febre (ter ou estar com) ÌBÀ – à benção, reverência (Vd. ÌJÚBÀ) ÌBA AKA – mula IBADAN – Cidade da Nigéria ao norte de Ode de Jebu IBÀDÍ – quadril (Vd. BADI) ÌBÀJÉ OJÀ – prejuízo IBAJE OWÓ – bancarrota IBAKA – camelo IBAMOLÈ – forças espirituais merecedoras de respeito IBA NSE MI – estar com febre ÌBANÚJÉ – tristeza, dor (Vd. FIFARO, ÁBAMÓ) IBÀ PÓJÚPÓJÚ – febre muito alta IBARÉ – amizade IBÁSEPÉ – desde que IBÁ-SORO – endereço IBATAN – família (Vd. `DÌLÉ, EBÍ)IBÉ – lá (Vd. NIBÉ) ÌBÉJÌ – gêmeos (Vd. EJIRÉ) ÍBELE – nascido em casa ÌBÉPE – mamão IBERE – princípio, início, origem (Vd. ÌPILÈSE) ÌBERÈ – pergunta ÍBERRE – impulso IBERU – medo, ter medo, temor (Vd. BÈRU, OJORA, IBERU) IBÉWÒ – investigação (pesquisa) IBI – aqui, onde ÌBÍ – nascimento, geração IBI ÌFOSO – lavadeira (Vd. AFOSO) IBI IKÒWÉ PAMÓ SÍ – guarda livros IBI ISÉ – escritório, local de trabalho (Vd. ILÉ ISÉ) IBILÚ-OMI – ondas, ressaca (do mar) (Vd, ÌGBÌ OMI, ÌGBÌ, ÌRÚ OMI) ÌBÍNU – raiva (zangado, aborrecido)(Vd. IMORÚ, ÌRUNNÚ) IBIRI – objeto de mão, usado pelo orixá Nanã, feito em palha, couro e contas. IBISÉ – escritório, lugar de tabalho IBISUBÚ – queda (Vd. ÌSUBÚ) IBÓ – lugar de adoração. IBÒ – mato IBÓJI – cemitério; Ibi = lugar, Oji = fantasma = “Lugar do fantasma ou da alma” (Vd. BÓJÍ, IKÚ ILÉ) ÌBÒJI ÒJÌJI – sombra IBOKUN – benção (Vd. ISURÉ, ORE-OFÈ, IRE) ÍBOLÁ – estima ÍBOLÉ – telhado (Vd. ÒRULÉ) IBOLOWÓ – fuga ÌBON – espingarda, pistola IBÒÒJI – sombra ÌBORA – lençol ÍBORÍ – vitória, triunfo ÌBORÙN – xale ÍBÒSÈ – meia ÌBOWÓ – luvas IBÚ – águas profundas, regato, riacho (Vd. OWOLÉ, ODÓ-KERÉ) IBÙDO – estação IBUDO OKÒ – ponto de ônibus IBUGBÉ – lar IBUJE – estábulo (Vd. BUJE, ILÉ-ESIN) IBUJOKO – casa, lar (Vd. ILÉ, BUJOKO, OJÚLÉ) IBÚLÈ-ARUN – leito de doença IBÚLÈ-IKÚ – leito de morte IBÙNKÚN – à benção IBÙSÙN – cama IBÙSÙN ÒKÚ – cemitério IDA – espada ÌDÁDURO – demora, detenção, obstáculo ÍDAIYAFO – intimidade ÌDÁJÍ – metade (Vd. IDÀJI, ÀBÒ) ÍDAJÍ – madrugada (Vd. AFEMOJUMO) ÌDÁJÓ – julgamento, juízo (Vd. ONIDAJÓ, ADÀJO) IDA KEJI – duas espadas ÌDÁKU – desmaio IDALAMÚ – agitação ÍDALORO – tormentaIDAN – feitiço, bruxaria, mágica, talismã (Vd. IWAJÈ, ÍSAJÉ) ÌDÁNÁ – fogão, forno IDA OBA – espada do rei IDA ORISA – espada do orisá IDARAYÀ – brincadeira (Vd. ATÉ, ERÉ) IDARISI – tendência (Vd. ITÉ) ÍDARÓ – impurezas ÌDÀRÚDÀPÒ – confusão ÌDASÍ – economia (Vd. ISÙNLO) ÌDÀSÍLÈ – liberdade, invenção, criação (Vd. ÓMNIRA, AIYELUJARA) IDÁWÒ – consulente de adivinhação IDE – latão, prata, ato de ser limitado IDE, IDE-PUPA – pulseira, cobre, metal bronze (Vd. BURÕNSI) IDERUBA – fantasma, espírito (Vd. IWIN) ÌDETÌ – fracasso (Vd. YÍYEGE) ÍDEWÓ – tentação ÍDI – águia ÌDÌ – parte de baixo, nádega (Vd. ABÉ, BADI) IDÍBÀJÉ – corrupção, podridão ÌDÍJE – competiçãoÌDÍKÒ – parada de ônibus (Vd. ÌDÍ OKÒ) ÌDÌLÉ – família carnal, parentes (Vd. ARÁILÉ, IRAN) IDIMÓ – intriga ÌDIN – larva ÍDINÚ – boca fechada ÌDÍNÚ – teimosia (Vd. ÓDÍ, ÀILETI, SÓ) ÌDÍ OKÒ – rodoviária, ponto de ônibus (Vd. ÌDÍKÒ) ÌDÍ OKÒ ÒFURUFÚ – aeroporto ÌDÍ OKÒ OJÚ IRIN – estação de trem ÌDÓDÒ – umbigo ÌDOTI – sujeira (Vd. LERÍ, ÓBUN) ÌDUN – percevejo IDÙNNU – alegria, felicidade, jogo ÌDÚNTA – três anos atrás) IFÁ – Deus dos oráculos e da adivinhação. Senhor do destino. Ifá Bàbá Ní Awo “Pai que tem o segredo”. Ele também é chamado de “Deus das Nozes de Palma” e tem o título de Gbangba. Há quem afirme ser sua representação a cabaça envolvida por uma trama de fios de búzios. Sua cor é o branco. Seu dia é a quinta-feira. Conhecido também como Òrúnmìlà, “somente-o-céu-sabe-quem-será-salvo”. Saudação – “Eèpààbàbá/” IFÁIYABALE – visão mística IFAYABALE – O desejo dos pais e mães se encontrarem na terra. ÌFÉ – amor IFE – copo, caneca ÌFÉ – desejar (Vd. ÌWU) IFÉ-OKÀN – desejo IFERANÍ – amor próprio ÌFESEJI – perdão ÌFÉSEMULÈ – confirmação (Vd. ITENUMÓ) IFEWÓ – furto, roubo (Vd. JALÈ FEWÓ, OLÉ, JÍ) IFIJALÓ – desafio IFIJONÁ – queimadura ÌFÍNRÀN – agressão IFOFO – espuma IFÓHÚN – fala (Vd. WIWI) IFOJÚ – confronto ÌFÓJÚ – cegueira IFÒN – espinho ÌFUN – intestino ÌFÚN-NI – abastecimento IGA – perna IGALÀ – cervo (Vd. GALÀ) IGBÁ – cabaça (Vd. KÈRÈGBÈ) IGBA – tempo ÌGBÁ – jiló ÌGBÁ AYE – época, tempo (período) de vida ÌGBÀDO – fubá IGBA-EBO – alguidar ÌGBÀÈRUN – verão (Vd. ÉRUN, ÓGBELE, ÌGBÀ) IGBÀGBÓ – fé ÌGBÀ IKÓRÈ – outono IGBAJÁ – canoa ÌGBÀJÁ, ÌGBÀNÚ – cinto, faixa ÌGBÁJÈ – cabaça grande IGBÀLÀ – salvação ÌGBÁLÈ – noite, cemitério, vassoura (Vd. ALÉ) IGBANÍ – passar, passado (Vd. SEHIN, KOJÁ) IGBÁ ODÙ – Expressão yorubá que designa a cabaça ou o artefato litúrgico que contém no seu interior os elementos simbólicos e as substâncias que tornam possível a existência individualizada. ÌGBÀ ÒJÒ – estação das chuvas IGBÁ-ORÍ – Expressão yorùbá que designa, no rito do borí, o recipiente em que vão sendo depositadas as substâncias constitutivas e reveladoras da identidade do sacrificante. Literalmente significa “cabaça-da-cabeça”. ÌGBÀ ÒTÚTÙ – inverno ÌGBÀ ÒWÒRÉ – estação úmida ÌGBÀ OYÉ – estação quente, verão ÌGBÀ RIRU EWÉ – primavera IGBASILÉ – acesso (Vd. IWOLE) IGBATÍ – quando (BI)IGBA TINGBO – futuro (Vd. IGBÓRO) IGBE – grito ÌGBÉ – fezes IGBÉ – bosque, campo (Vd. OGBÀ) IGBE-AITÉ – tempo de vida ÌGBÉÌYAWÓ – casamento ÌGBÉKÈL – confiança, fé, certeza IGBEKELÉ – noivado ÌGBÉKÈLE – confiança, fé IGBENGBEREJÚ – sobrancelhas (Vd. ÌPEJÚ) IGBEORIN – desinteria (Vd. INÚTITE) IGBÉRA – estímulo ÌGBÉRAGA – excesso, orgulho, arrogância (Vd. LADOFO, ÀGBERE) ÌGBÈSAN – vingança, desforra (Vd. OWUN, ÈSAN) ÌGBÈSÈ – débito IGBETI – montanha situada perto do Níger onde reside Elegba ÌGBÌ – ondas (Vd. IBILÚ-OMI, ÌGBÌ OMI, ÌRÚ OMI) ÌGBIMOTÉLÈ – planejamento, dica ÌGBÍN – Cadência rítmica lenta executada pela orquestra cerimonial em louvor a Òòsàálá. ÌGBÍN – caracol. O termo designa também o molusco gastrópode terrestre, com concha univalve, corpo prolongado e tentáculos na cabeça. Ele também é conhecido como “o boi de Òòsàálá” e é sua oferenda predileta. Na linguagem corrente dos candomblés é usual a forma “ibí”. ÌGBINNIKÚN – inflamação IGBÓ – floresta, mata (Vd. EGÀN) IGBÓDÙ ÒRÌSÀ – local sagrado para iniciar uma pessoa nos mistérios dos Orixás IGBOIYÀ, IGBOJÚ – coragem, valentia ÌGBOMIKANÁ – aquecedor IGBONAGBORU, IGBOORUN – olfato IGBONSO – escova de roupa ÌGBÒNWÓ – cotovelo (Vd. IGUNPÁ) IGBÓRO – futuro, rua, estrada (Vd. IGBA TINGBO) ÌGÈ – nome (Vd. ORÚKÒ) IGÉ – mama, seio (Vd. OMÚ) ÍGI – árvore, madeira (Vd. KÁKO) IGI-DUDU – ébano (Vd. ETÍNRIN) IGI-IDANA – lenha IGI ÌFALÀ – régua IGI-ÓPÈ – palmeira ÌGO – garrafa ÌGÒ OMI GBÌGBÓNÁ – bule, chaleira ÌGÒ SÚGÀ – açucareiro IGÙN – abutre, urubu (Vd. GÚNNUGÚN, EIYE ÀKÀLÀ) IGUNESE – perna ÌGÚNLÈ – desembarque IGUN OKE – ladeira (Vd. GÈREGÉRE ILÉ) IGUNPÁ – cotovelo (Vd. ÌGBÒNWÓ) IGUNTO – cólica renal IHÀN – buraco (Vd. ISÀ, IHÒ, KÒTÒ) IHANRA – coceira IHANRUN – roncar (Vd. HAANRUN) IHÒ – buraco (Vd. KÒTÒ, IHÀM, ISÀ) IHO ILE – sepultura IHÒ IMÚ – narina (Vd. AONTIN, IMÚ) ÌJÀ – briga, conflito ÌJÁBÀ – acidente (desastre) (Vd. ÀJÁLÙ) IJADÉ, IJADÉLÒ – saída IJADÚN – luxúria ÌJÀGBÒN – queixo IJAJE – patife IJÀ-ÒGÚN – batalha ÌJÀPÁ – cágado IJE – raça IJERÉ – lucro (Vd. ÈRÈ) IJESÁ – nome de uma região da Nigéria e de um toque para orixá Oxum, Oxála e Ogun. ÌJÉTA – anteontem (Vd. NIJÉTÀ) IJEUN DE IPIN ou OJEUN DE IPIN – Ipin = compartilhar, porção + Ijeun = ato de comer “ele que compartilha a comida” ÌJEWÓ – confissão ÌJÉWÓ ISÉ TI ENI NSE – profissão IJÍ – furacão, tufão IJIJÓ MÉJÌLÁ – todos os 12 dias IJÌYÀ – sofrimento IJO – igreja (Vd. ILÉ OLÓRUM) IJÓ – dança, dia (Vd. JIJÓ, OJÓ, OJUMO) ÌJOBA – governo, reino (Vd. JOBA) ÌJÓBÁ ALAFIÁ – reino da paz ÌJOBA ÀPAPÒ – governo federal IJOGBON – problema (Vd. ÈJÓ) IJOGUN – herança (Vd. ILINÍNI) IJÓKIJÓ – qualquer dia ÌJÓKO – banco de sentar, cadeira IJÓMIRAN – num outro dia IJÓSÍ – outro dia (dia seguinte) IJOWÚ – ciúme (Vd. OWÚ) ÌJOYÈ – chefe, ministro (Vd. OLUSÓ) ÌJÚBÀ – reverência, reza ÌKA – dedo da mão (Vd. ALÓVI) IKÁ – crueldade, Odu que foi fecundada pela serpente encantada Oká, para destruir Isole. Iká- Meji = sabedoria IKÁ – modo de deitar-se das pessoas de orixá feminino, para saudação. IKÁN – berinjela ÌKÁN – caneca, cupim ÌKÁNDU – formiga preta (Vd. KÀRÍKÁ) IKANNÚ – fúria IKARÁ – quintal (Vd. EHINKUNLÉ, KA) IKARAHUN – concha (Vd. EYO, KARAHUN) ÌKÉ – carinho IKÉ – marfim IKEMÙ – caneca (Vd. ÌKÁN) ÌKÌLÒ – protesto IKO – palha da costa IKÓ – anzol, tosse, embaixador (Vd. OBA, ONSE OBA, ONISE) IKODIDÉ – pena de papagaio Odide, Odidere ÌKOKÒ – panela, pote de barro ÌKOKÒ-ÈBE. ÌKOKÓ OBÈ – sopeira ÌKOKÒ-ÌGBÉ – penico, urinol ÌKOKÒ OMI – pote de água IKOLA ou ILEYKA – circuncisão IKOLÙ – atacar IKOMÒJADÉ – batizado ÌKÓÒDÍDE – Pena vermelha do papagaio-da-costa (Psittacus eritacus, sp.). Simboliza o nascimento do novo filho-de-santo e, de um modo geral, a fecundidade. (Vd. ODIDE, ODIDERE) IKORADU – cidade situada na extremidade Norte da laguna de Lagos ÌKORE – colheita IKORI OYÀN – bico do seio IKORITÀ – encruzilhada IKOSAN – brilho (Vd. TITANSAN) IKOSILÉ – abandono ÌKÚ – morte IKUDU – tanque IKUKU – nuvens, nevoeiro, cerração (Vd. AWOSANMÁ) IKÚ ILÉ – cemitério (Vd. BÓJÍ, IBÓJÍ, ILÉ ÒKÚ, ISÀ-OKÚ, ITÉ ÒKÚ) IKULE – fartura e fertilidade IKÙN – barriga, estômago ILÁ – quiabo ILÀ – marcas faciais ILAGÚN – transpiração ILÁ-ISÉ – tarefa ILAJÁ – reconciliação ILAJÚ – cultura, civilização ÌLÀ ORÙN – leste ÌLARA – inveja (Vd. NILARA) ILÁRÍ – mensageiro do rei ÌLÁSA – folha de quiabo ILÉ – casa, lar, terra, casa-de-santo, chão, solo, terra (Vd. BUJOKO, IBUJOKO, OJÚLÉ) ILÉ ADÌE – aviário (Vd. ÌSO ADÌE) ILÉ AIYE – terra (planeta) ILÉ BÙRÉDÌ – padaria ILEDI – alcova ILÉ-EIYÉ – jaula ILÉ ÈKO – escola, colégio, universidade ILÉ ERAN – açougue (Vd. ÍSAKUSÁ, ÌSO ERAN) ILÉ-ESIN – estábulo ILÉ GÓMÌNÀ – palácio do Governo ILÉ ÌDÁNÁ – cozinha (Vd. SISÉ) ILE IFOWAPAMO, ILÉ OWÓ – banco (dinheiro) ILÉ ÌGBÉ ÁLAWO – privada, vaso sanitário ILÉ IKÀWÉ – biblioteca ILÉ ÌKÒ OJÀ PAMÓ SÍ – mercado ILÉ IKÚ ÈNIA – cemitério (Vd. ILÉ OKÚ) ILÉ ÌLERA – hospital ILÉ-ISÉ – escritório, lugar de trabalho (Vd. IBI ISÉ) ILE ÌWÈ – banheiro ILÉ ÌWÉ – escola ILÉ ÌWORAN – cinema ILÉ ÌWÓSÀN – hospital ÌLÈKÈ – colar, pulseira (Vd. KELE) ILEKE-ORUN – colar, pulseira (com referência ao santo) (Vd. ÍLÉKE, KELE) ÌLÈKÙN – porta ILÉ-NLÁ – mansão ILÉ-OJÀ – loja (Vd. ÌSÒ) ILÉ-OKÓ – garage ILÉ ÒKÚ – cemitério (Vd. BÓJÍ, IKÚ ILÉ) ILÉ-OLODI – castelo ILÉ OLÓRUN – igreja (Vd. IJO) ILÉ ONJE – lanchonete, botequim, bar ILÉ OÒGUN – farmácia ILÉ-ÒRÌSÀ – Expressão yorùbá que designa a dependência de uma casa-de-santo onde se encontram depositadas as diferentes insígnias e objetos que compõem a representação emblemática de cada um dos òrìsà. É também conhecida a forma “quarto-de-santo” ou “casa-do-santo”. ILÉ OWÓ – banco (dinheiro) (Vd. ILÉ IFOWAPAMO) ILÉ ÒWORAN – cinema ILERA – saúde ILÉ-UTÍ – taberna ILIBAN – policial (Vd. OLÓPA) ILINÍNI – herança (Vd. IJOGUN) ILÓ – hábito ÍLÒ – ida (Verbo ir) (Vd. LÍLÒ) ILORÁ – lentidão, preguiça (Vd. ÀINKANJU) ILORI-KUNKUN – teimosa (Vd. ÓDÍ) ILORÓ – próspero, rico, veneno (Vd. DOSO, RIJE, LETÚ, OLOWO) ILOYÚN – gravidez ÌLÚ – cidade, país (Vd. EGURÉ) ÌLÙ – atabaque ILÚ, IMIJADÉ – sopro ILUBOLÉ – surra ILU KIKI OKAN – iluminar (Vd. LALOJU) ÌMADO – javali (Vd. ELÉDÈ-ÌMADO) ÌMALE – respeito ao ancestral IMÁWÒ-ARA – encarnação, estado de reencarnação IMELE – preguiça (Vd. ÌLÒRA) IMIEDÚN – lamento (Vd. DÁRÓ) ÌMÒ – juízo, conhecimento, saber, paladar (Vd. ÌTÓWÒ, MO) IMOFO – vazio (Vd. SÓFO) IMOKUN – banhar, mergulhar, nadar (Vd. LUWÈ) IMOLE – claro, luz ÌMÓLÈ – forças da natureza ÌMÓLÉ OJÓ – dia claro ÌMÓLÈ OÒRÙN – luz do sol IMONAMONA – raio IMO-OPE – folhas de palmeira IMORAN – conhecimento IMORÈ – gratidão (Vd. OPÈ) IMORÚ – raiva (Vd. ÌBÍNU, ÌRUNNÚ) IMOTOTO – limpeza IMOYE – sabedoria (Vd. ALAMOJU) IMÚ – nariz, narina (Vd., IHÒ IMÚ, AONTIN) IMULAJADÉ – término (Vd. IPEKUN) INÁ – vela, fogo, luz (Vd. ÀBÉLÀ) INÁ AJÈNIYÀN – pulga INÁ ORÍ – piolho ÌNÁWÓ – despesa INKICE – vd. Òrìsà INLÈ – Òsóòsì filho de Oxaguian e Yemonjá. É um Orixá andrógino e fala pela boca de Yemonjá. (Vd. ERINLÈ) INÚ – útero, ventre INÚFÚFÚ – mau humor (Vd. INÙSÍSÓ) INÚ MI DÙN – estar feliz INÚ MI KÒ DÙN – não estar feliz INÚRERE – bondade, caridade INÚ RIRO – dor de barriga INÚSÍSÚ – diarréia INÚTITE – desinteria (Vd. IGBEORIN) INUYIYÓ – saudade IPÁ – força, poder (Vd. PAKANLEKE) ÌPÀDÉ – reunião, encontro (Vd. ÀWOJO) IPAJÁ – de manhãzinha IPAKÁ – farinha de milho (Vd. ELÙBO) ÌPAKÓ – nuca IPAKÚ – assassino IPANU – almoço IPAPANU – bala (doce) ÌPÁRA – creme ÌPÁRÍ – fim, final, vencimento IPARUN – desgraça, vergonha, (Vd. ÁDEBA, ÈTÉ) IPATÁ – moleque IPAWERE – borracha ÍPÉ – escamas ÍPEHINDA – retorno (Vd. TÚN) ÌPEJÚ – sobrancelha (Vd. IGBENGBEREJÚ) ÍPEKUN – fim, final, vencimento, limite (Vd. OPIN, AKOJÁ, ÌPÁRÍ, IMULAJADÉ) IPELÉ – origem ÌPÉNPEJÚ – pálpebra IPETÉ – inhame cozido, pisado, temperado com camarão seco, sal, azeite de dendê e cebola (Vd. IYAN, ÍSU) IPILÉ – pedestal ÌPÍLÈSÉ – origem (Vd. ÌBERE) IPIN – guardião IPINLÈ–AGBAIYE – continente, fronteira IPINNU – ordem ÌPITAN – tradição oral IPÒ – estado IPÓ – recinto ÍPON – colher de pau (Vd. OROGUN) ÍPONRÍ ou IPORÍ– dedão do pé; um dos espíritos guardiões que entra no corpo da pessoa ao nascer (Vd. ÀTÀNPÀKÒ) IPÓ-OKÚ – ausência, morte (Vd. KÙ, ÀISÍ) ÌPUNNU – decisão ÌRA – decadência IRÁ – pântano ÌRAN – família (Vd. EBÍ, IBATANM ÀRÁILÉ. ÌDÌLÉ) ÍRAN – transe (Vd. OJURAN) ÌRÁNSÉ – estafeta IRAÓ – Cidade de origem do Orixá Òsányin ÍRARI – raspar (a cabeça) (Vd. RARI, FÁRI) IRÁWÓ – estrela IRAWO ABÌRUSOORO – cometa IRAWO ÀGUALA – planeta vênus IRAWO-OKO – Estrela Sirius (essa estrela é considerada a guia dos navegantes) IRAWO TI NYI OÒRÙN KA – planeta (Vd. EWEKO, ODÁN) IRE – benção, brincadeira (Vd. ORE-OFÉ, IBOKUN, ISURÉ) IRÈ – cidade da Nigéria (Vd. ÈJIGBO) IRÊ – bondade IREJE – engano, fraude (Vd. ERÚ, ETAN, ÌYÀNJE) ÌRÈKÉ – cana ÌRÈ KÉKERÉ – grilo ÌRÈLÈ – humildade (Vd. NIRELÉ) ÌREMÒJÉ – cânticos do funeral dos caçadores ÌRÉPÒ – harmonia, amizade, solidariedade (Vd. ISEDEEDE) ÌRÉSÌ – arroz ÌRETÍ – esperança ÌRÌ – orvalho (Vd. ENINI) IRIN – aço, ferro, vida, ferro de Ogun (Vd. È MI) ÌRINAJO – viagem (Vd. ATEGUN) ÌRÍRA – odiar, detestar (Vd. KERÍ, SAIFÈ, KÓRÍRA) ÌRÍSÌ – figura ÌRO – opinião IRÒ – saia IRÓ – falsidade (Vd. ÈTÀN, YOBÁ) ÍROBÍ – trabalho de parto ÍROBINUJE – arrependimento ÌROBÒ – hemorragia ÌROHIN – notícia de jornal IROKA – lamúria (Vd. ÁGBAGBÁ) ÌROKÒ – é um Orixá do candomblé Ketu associado à Oxossi. Corresponde ao Orixá “Tempo” do candomblé de Angola IROLÈ – tarde – (pôr do sol, fim da tarde) (Vd. OJORÓ, OSAN) ÌRÓ MI AANU – compaixão IRÓ NI – mentira, falsidade (Vd. SÈKÉ, EKE ÓKOBÓ) ÍROPÁ – esteio IRÓPIPÁ – falsidade (Vd. YOBÁ, TEWURE, ÈTÀN) ÌRORA – dor, paz, bem estar (Vd. FIFO) ÌRÒRI – travesseiro (Vd. TIMTIM) ÌROTÍ – funil (Vd. ÀRÓ) IRÚ – espécie, tipo (Vd. SURÁ) ÌRÙ – rabo ÌRÙ ESIN – rabo de cavalo IRUKE – rabo de vaca IRUN – cabelo IRUN ÈKE – cavanhaque (Vd. KÀNNANGO) IRUN ÈYINJÚ – cílios IRUN FÚNFÚN, IRUN ARÝGBO – cabelo branco IRUNGBÒN – barba IRUN IMU – bigode (Vd. TUBOMU) IRUN ÌPÉNPEJÚ – pestanas IRUNMOLÉ – guarda da esquerda (referindo-se a Òsóòsì), forças da natureza. ÌRUNNÚ – raiva (Vd. ÌBÍNU, IMORÚ) ÌRÚ OMI – ondas (Vd, ÌGBÌ OMI, IBILÚ-OMI, ÌGBÌ) ISÀ – buraco (Vd. KÒTÒ, IHÀN, IHÒ) ISA – cova ÍSAJÈ – feitiçaria, magia ÍSAKUSÁ – açougue (Vd. ÌSO ERAN, ILÉ ERAN) ISALE – alicerce ÌSÀLÈ – baixo, debaixo, órgãos reprodutores ÌSÀLÈ ILÉ – andar térreo ISALÉODÓ – cama (Vd. IBÙSÙN, ÀKÉTE) ISAMI – batismo (Vd. ISOMOLORÚKO) ÌSÁN – ostra ISAN – tendão, veia, músculo ISAN ARA – artéria ISAN ÈJÈ – veia ÌSÀNÀ – caixa de fósforos ÌSÀN-OMI – correnteza ÌSÀ-OKÚ – cemitério (Vd. BÓJI, IBÓJÍ, IKU ILÉ, ILÉ ÒKÚ, ITÉ ÒKÚ) ISÉ – trabalho, ocupação, mensagem ÍSEDEEDE – harmonia, honestidade, exatidão (Vd. ÍREPO) ÌSÉGÚN – reverência aos antepassados ÌSÉJÚ – minuto ISENÚ, ISEYUN – aborto ISÉ SÍSE – exercício ISI – fama ÌSÍGO – saca-rolha ÌSÌN – religião, adoração ÌSINKÚ – enterro ÌSÍNWIN – loucura (Vd. OKOLIRÍ, ASIWERE) ISIRE-OMODE – boneca ÌSÓ – prego ISÓ – gases ISÓ – unha (Vd. ÈKÁNÁ, ÈÈKÁNNÁ) ÌSÒ – loja (Vd. ILÉ-OJÀ) ÌSO AAGO – relojoaria (Vd. ALÁAGO, ALÁGOGO) ÌSO ADÌE – aviário ÌSO ASO – loja de tecidos ÌSO BÁTÀ – sapataria (Vd. ABATÀ, BÀTÀ) ISO BEBE – bomboniere ÍSODOMO – adoção ÌSO ÈBÙN – loja de souvenir ÌSO EJA – peixaria ISO ERAN – açougue (Vd. ÍSAKUSÁ, ILÉ ERAN) ISÒJÚ – feição, rosto ISOKAN – unidade ÌSOKÚN – choro ISOMOLORÚKO – batismo ISOTITÓ – ficar triste, fidelidade ÌSÒWÒ – comércio, negócio (Vd. OWÓ) ÍSU – cará (Vd. IYAN, IPETÈ, DÙNDÚ) ÌSUBÚ – queda (Vd. IBISUBÚ) ÍSUN – fonte, nascente ISÙNLO – economia (Vd. ÌDASÍ) ISU-OYÌNBO – batata ISURÉ – benção (IBOKUN, ORE-OFÈ, IRE) ÌTA – fora, a praça, a rua ITÀBA – fumo (Vd. FIFA, EFIN) ITAFÀ – flechada (Vd. OFÀ) ITAJÉ – matança (Vd. PIPA) ITAJÚ – civilização ITAKITI OMI – cachoeira (Vd. OSORÓ) ÌTÀKÚN – cipó ÍTALA – mês (Vd. OSÙ) ÌTÀN – história, mito, lenda (Vd. ÌTÓN) ITAN – coxa, perna ITAN-ÁTOWÓDOWÓ – tradição, lenda ITANJE – fraude (Vd. ETAN, TITANJE) ÌTÉ – ninho ITÉ – tendência (Vd. IDARISI) ÌTEFÁ – iniciado nos fundamentos de Ifá ÌTENUMÓ – confirmação (Vd. ÌFÉSÈMULÈ) ITÉ ÒKÚ – cemitério (Vd. BÓJÍ, IBÓJÍ, IKÚ ILÉ) ÌTÌJÚ – vergonha, vexame (Vd. ETÉ) ÌTÒ – urina, saliva (Vd. OMITÓRÓRÓ) ÍTON – coxa ÌTÓN – história, mito, lenda (Vd. ÌTÀN) ITÓRO – prece ÌTÒSÍ – perto ITOSI – deserto ÌTÓWÒ – juízo, conhecimento, paladar (Vd. ÌMÒ) ÍTUDI – escândalo ÌTÚN ÒRÀN OWÓ SE – liquidação IUINDEJÀ – título sacerdotal IUINTONA – título sacerdotal IWÁDI – pesquisa IWÁJÚ ORÍ – testa ÌWÀ – sofrimento, respeito ÌWÀ – caráter (ter) ÌWÀ-ÀGBA – caráter de um ancião IWÁ-ÀJÈ, IWOOSO – bruxaria (Vd. IDAN) ÌWA ÈDÁ – natural, natureza (Vd. ÁDAMO, EDÁ, ÀDANIDÁ,) IWAJÈ – feitiço (Vd. IDAN) IWÀJÚ ORÍ – testa IWÁLÈ – escavação, coveiro (aquele destinado a cavar a sepultura dos parentes mortos) ÌWÉ – livro, papel, caderno, carta, folha ÌWÉ – linguagem IWE – moela ÍWE – lavagem, banho (Vd. WÉ, FÓ, WENÚ) ÌWÉ ÈRI OWÓ – recibo IWÉ IGI – banco de sentar ÌWÉ IKAYE OSÙ – calendário IWE-INÚ – rim ÌWÉ IPOLOWO – catálogo ÌWÉ ÌRÒHÌN – jornal, revista ÌWÉ KÍKÒ – carta (Vd. LETÀ) ÌWÉ OWÓ – cheque ÌWÍFÚN – informação IWIN – fada, espírito, fantasma (Vd. KUREKERÈ, ALÙJONÙ, ÀRONI, EGBÉRE, IDERUBA)ÌWO – chifre IWO – você (Vd. ENYN, ÈYIN) IWOKUN – lua nova (Vd. OSÚDÚDÚ) IWOLE – acesso (Vd. IGBASILÉ) IWOLULÉ – óculos (Vd. AWÒ OJÚ) ÌWO OÒRÙN – oeste IWORÓ – ouro (Vd. WÚRÀ, ÀWO WÚRÀ) ÌWOSAN – cura ÌWU – desejar ÌWÚ – odor, cheiro ÌYÀ – mãe ÌYA AFIN – senhora (Vd. YIÁ) ÌYÁ-AGAN – mulher velha dentro da sociedade dos médiuns ancestrais ÌYÁ-ÀGBÀ – mãe grande, avó IYABO – a mãe voltou IYÁ EGBÉ – Titulo honorífico importante na hierarquia dos terreiros que distingue sua portadora como “mãe-da-comunidade”. IYAGBÁ – matriarca IYAGBASÉ – cozinheira Vd. ÌYÁ ONJE) ÌYA ÌSÀMÌ – madrinha, comadre ÌYÁ-KÉKERE – mãe pequena IYÀKO, ÌYÀWÓ, ÌYÁ ÌYÀWÓ – sogra ÌYÁLÁWO – divindade feminina mãe dos mistérios IYALAXÉ – mãe do axé do terreiro IYÁLÈ – esposa mais velha em uma família polígama ÌYALÉNU – surpresa IYALETA – raio de sol IYALODÉ – um alto título, líder entre as mulheres, primeira dama ÌYÁLORÌSÀ – Zeladora do culto, mãe do orixá. Mãe de santo IYAMASÊ – orixá da casa de Sòngó. Òrisà relacionado com o fogo, o raio, o trovão e a justiça. IYAMORÔ – título de uma sacerdotisa do templo de Obaluaiyê. ÌYÀNJE – engano, fraude (Vd. ERÚ, ETAN, IREJE) IYAN – inhame (Vd. IPETÈ) ÌYÁ NLA – vovó IYANRÌN – areia IYAO – Termo que designa o noviço após a fase ritual da reclusão iniciatória. Em Yorùbá significa “esposa mais jovem”. ÌYA OLÓNJE – dona de restaurante ou pensão ÌYÁ ONJE – cozinheira (Vd. IYÀGBÀSÉ) IYÀRÀ – quarto de dormir IYÀRA-IMURA – camarim IYÀRA JÓKÒÓ – sala de visitas IYÀRA ONJE – sala de jantar ÌYÀRÍ – pente (Vd. ÒÒYÀ) ÌYÁSAN – Divindade das tempestades e do Rio Niger, mulher de Ògún e depois de Sòngó. Relacionada com os vendavais, os raios e os trovões. Sincretizada com Santa Bárbara. Seu dia da semana é a quarta-feira. Suas insígnias são a espada e o espanta-moscas de crinas de cavalo. Suas cores são o vermelho escuro e o marrom. Considerada a mãe dos egún, que é a única a dominá-los. Saudação – “Eparrei!”. ÌYÁWÓ – esposa (primeira esposa – ÌYÁLÉ) (Vd. ÀYA) ÌYÀWÓ ÀFÉSONÀ – noiva ÌYÀWÓ OMO ENI – nora IYE – número IYÈ – penas IYÈFÚN – farinha (Vd. GARÌ, ELÙBO) IYEMONJÁ – Filha de Odudua e Obatalá. (Yèyé (mãe); Omo (filhos); Ejá (peixe) – Mãe cujos filhos são peixes. ODO YÁ – mãe dos rios (ODO) – Na África ela é cultuada em rios (OLOKUN), seria a Deusa das águas salgadas e a saudação ERU YA seria: a dona dos cabelos ou a mãe dos cabelos (referência aos eruns (cabelos) que caem na feitura), de acordo com os mitos de Ori. É atribuído a Yemonjá a tutela dos oris moldados por Ajalá. Ela tem o título de Yá Ori. Casou-se com o irmão Aganju e teve um filho chamado Orungan. IYEKAN – ancestrais do pai ÌYEN – aquele (a), aquilo IYENÚ – lembrança, memória (Vd. RANTI, RIRANTI) IYÈPÈ – poeira, areia ÌYÍPO – perversão ÌYERA, ÌYERAFÚN – aversão, ojeriza IYÈWÙ – quarto IYÈWU-OLÓLA – camarote IYÈYÈ – amarelo ÌYÌN – glória, louvor (Vd. FUNPÉ, YIN) IYO – sal ÍYOJADÉ – apresentação ÌYONU – encrenca ÌYÓNU – piedade IYÒ ÒYINBÓ – açúcar IYÙN – coral ……………………..- J JÁ – partir, levantar-se, arrancar, pegar(folhas), descobrir, lançar no alto (Vd. GBÉRÁ) JÀ – brigar, lutar (vd. OWERÉ) JÁDE – sair, deixar um lugar JADE – abanar, soprar, ventar (Vd. AFÉ, FÉ) JÁDE ÈKÓ – formar-se, graduar-se JÁDE LÓ – ir embora, sair JÁDEOGUN – preparar o combate JÁDI – atacar JÁFÁFÁ – ser ativo JÁ-GBÀ – arrancar JAGUN – guerrear, soldado (Vd. OGUN, AGBEBÓN) JAGUN-JAGUN – guerreiro JAI – muito (Vd. NINI) JÀ JÁGBÓN – Arrancar, descobrir JAJE – morder (Vd. RÉ, BÙ-SAN, GE-JE BUNIJE) JAKÓ – macaco (Vd. AKITI, OBO) JAKUTA – já = lançar, okuta = pedra – “lançador de pedras” atribuído à Xangô JALÈ – roubar, furtar (Vd. IFEWÓ, FEWÓ, OLÉ, JÍ) JALÓ – adivinhar JALUMI – imergir (Vd. TEBOMI) JÁNÀ – Entrar no caminho JAPORÓ – sofrer, estar em agonia (Vd. JÌYÁ, JORÓ) JÁRÓ – Descobrir a mentira JÁTO – babar (Vd. DÁTO) JÁWÉ – Arrancar folha JE – comer (usado para dizer que tipo de comida está comendo), ganhar JÉ – é (verbo ser), acordar JEBU – reino sul-oriental dividido em duas províncias:Jebu-remo também chamado de Ode e Jebu ou Offin cujo chefe se intitula Awujale JE-EWO – má sorte causada por uma violação de uma regra JEGBEJEGBE – mal (maldade) (Vd. NISEKESÉ, BUBURU, BILISÍ) JÈJÈ – brando, rogar uma praga (Vd. OGERÒ, TUJÚ) JÉKÍ – permitir, deixar, conceder, largar (Vd. FI-SILE) JELÚ – Um dos nomes pelos quais é conhecido Èsù Àjelú ou Ijelú. JE-NÍGBÈSÈ – dever, endividar JÉ-NÍYÀ – flagar JÈRE – faturar, ganhar JÉRE – obter (Vd. NI, RIGBÁ) JERÍ – testemunha (Vd. ERÍ, FOWOSOYA) JE SII JE SI – Saudação à Ogun (Nos sustente!) JÈTÈ – beijar (Vd. FENÚKÒ, FENUKONU, FAMORÁ) JE TÉTÉ – ganhar (na loteria) JEUN – comer algo JEUN ÀÁRÒ – lanche matinal JEUN ALÉ – jantar (Vd. ONJE-ÁLÉ) JEUNKOKÚ – comilão JEUN ÒSÁN – almoçar JÉ WÓ – confessar, falar a verdade, admitir JI – despertar, acordar JÍ – roubar, aceitar (Vd. JALÈ, IFEWÓ, FEWÓ, OLÉ) JIGI – espelho JIJÁ – quebrado (Vd. RIRUN) JIJE – comida pronta JIJÓ – dança, perda (Vd. ÁDANÚ, IJÓ) JIJONÁ – queimação JIKELEWI – borrifar JINLÉ – obscuro (Vd. SUJU, ÀILOKIKÍ) JÌNNÀ, JIJIN – estar longe JINSI – título sacerdotal JÌYÁ – sofrer, estar em agonia (Vd. JAPORÓ, JORÓ) JIYÀN – discutir JÓ – dançar, queimar, rogar JO – parecer, manifestar, vazar JÒ –peneira, pedir desculpas (Vd. ALADIRO, SÉ, BÈ)JO ARA WON – por engano JOBA – governar, reinar (Vd. DARÍ, IJOBÀ) JOBAIBAÍ – tremer JOBI – título sacerdotal. JOÉ – aquele que possui título JÒGÁ – chefiar JOGUN – possuir JOJOJÓ – recém-nascido JOJÚ – justo, ultrapassar (Vd. YARÍ) JÓKO – sentar JOLÒ – tenro (Vd. RO) JORÓ – sofrer, estar em agonia (Vd. JAPORÓ, JÌYÁ) JÒWÓ – por favor JÙ – Jogar fora, atirar JÚBÀ – adorar, reverenciar JÙBEELO – além disso JÙ GBOGBO LO – mais que todos JÙ GBOGBO WON – mais que todas as pessoas JÙ-LO – mais que, ter mais JÙMÒ – junto Vd. MORA, SIBIKAN) JÙ ÒKÚTA – jogar uma pedra JU-SILE– largar (Vd. FÍ MI SILÈ) JUWÓ – acenar (com a mão) …………………………..- K KÁ – recolher, dobrar, colher frutos, ao lado de, em torno de (Vd. NI APÁ) KÁ – enrolar, arregaçar (Vd. FIDI, WÉ, LÓ-PO) KÀ – ler, contar (Vd. KÀWÉ, KÀIYE, KÉ) KA – quintal (Vd. IKARÁ, EHINKUNLÉ) KAÀBÒ – bem vindo (Vd. KÙ ABÒ) KAANU – sentir pena de KABA – vestido de mulher KÁBÍYÈSÍ – cumprimento de respeito a um rei (Oba) KÁBÍYSÌLÈ – expressão de respeito a um chefe mais velho KADARA – destino (Vd. ODÚ, AYANMO) KÁ ÈSO – colher frutos KÀGÒ – pedir permissão para entrar em uma casa KÁÌ! – Ah! Oh! (interjeição) KA ÌWÉ – ler livro KÀIYE – contar números (Vd. KÀ, KÉ)KAIODÉ – nome de uma sacerdotisa de ÒSÓÒSÌ KAJÚ – caju KÁKO – madeira (Vd. ÍGI) KAKÍ – acabar KÀ-KÚN – envolverKÁLÀMÙ– caneta KALÉ – lá fora KALÈ – sentar KALÈ O – boa noite (Vd. O KÚ-ALÈ, E KÁALE, O DARÒ, E KÁASALÉ) KALO – vamos indo (vd. E JÉKALO!) KAN – uma, um (número cardinal), um entre muitos KAN– ácido (Vd. KIKANU) KÀN, KÀN ÌLÈKÙN – atingir, bater (à porta) KAN – amargo, azedo (Vd. WEWE) KANÁ – estar em chamas KÀNGA – poço KANGARU – canguru KÀN ISÓ – bater um prego KANKAN – rapidamente (Vd. FEFE, TETÉ, KÍAKÍA) KANKANFÔ – um dos Obá da direita de Xangô KÀN-LOGÙN – enfeitiçar (Vd. FI-AJÉ-UM, FIOSÓ-UM) KÀNNANGO – cavanhaque (Vd. IRUN ÈKE) KANNÚ – nervoso KANSOSO – sozinho, único (Vd. NIKAN) KANTÍKANTÍ – mosquito (Vd. EDINFIN) KARAHUN – concha (Vd. IKARAHUN, EYO) KARÉ – Oxossi ligado às águas da Oxum. Os dois não se dão bem pois exercem as mesmas funções. KÀRÍKÁ – formiga preta KARÒ O – bom dia (Vd. EKARÒ, O KO-ARO, E KÀÁRÒ) KAROTI – cenoura KÁRÙN – ficar doente KASAN – boa tarde KASÉ – parar, ficar (Vd. SIMI, DA-DUKO, DÁ-DÚRO, DÚRO) KASÍ – convite (Vd. PIPE, SÁ) KASIKAN? – qual é o problema? KATABÁ – chapeleiro, charuto KATAKATA – aqui e lá KATUNGA – um dos reis de Oyó KAWE – ler livro, carta, estudar KÀWÓ – contar dinheiro, saudação, aclamação KE – contar (Vd. KÀ, KÀIYE) KÉ, kEGBE – gritar, chorar, esbravejar KEDÉ – roda (Vd. ÓKIRÍBITÍ) KEDERE – claro, clarear, esclarecer KEFÁ – sexto número ordinal KEFERÍ – incrédulo, pagão KEHIN – sobreviver KÉHÌNDÉ – o segundo gêmeo a nascer KÈHÌNSÍ – ser contra KEJILÁ – décimo segundo (número ordinal) KÈKÉ – bicicleta KÉKÉ ÉRÚ – ônibus KÉKERÉ, KÉRÉ – pequeno, ser pequeno (Vd. KÚRU) KÉKÉRÉ – arbustos e espécies rasteiras KÉKERÉ ODE – pequeno caçador KÉKÓ – aprender, estudar KELE – colar, pulseira (Vd. ÌLÈKÈ, ILEKE-ORUN) KEMI – adule-me KÈRÈGBÈ – cabaça (Vd. IGBÁ) KÉRÉ JÙ – menor KERE KABA – vestido de mulher KEREMO – grandão KEREWU – bracelete (Vd. ÈGBÀ) KERÍ – abominar, odiar, detestar (Vd. ÌRÍRA SAIFÈ, KÓRÍRA) KETÀ – terceiro (número ordinal) KETEKETÉ – asno KÉTÉKÉTÉ ONÍLÀ – zebra KÉTU – cidade à oeste de Dahome no sul de Porto Novo e à leste de Egba. Também dá nome a uma nação do candomblé no Brasil KÍ – cumprimentar, felicitar, visitar, que (conjunção) (Vd. KÍI – cumprimentou-o) KÌ – grosso KI – não (advérbio de negação), abarrotar (Vd. KÒ, TÍ, BÉÈKO)KIA – vem, rápido (do verbo ir) (Vd. WÁ) KÍÁKÍÁ – rapidamente (Vd. FEFE, TETÉ, KANKAN) KIAKIA – cedo (Vd. KUTUKUTU) KIBITI – redonda (Vd. REPÓ, REPOMÓ, RIBITI, BIRIKITI) KIBO – enfiar (Vd. FIBAKÓ, TIBO) KÍGBE, IGBE – gritar KÍGBE MÓ – gritar com alguém KÌÍ – se não é (quando não for aquela pessoa negativa do vergo jé = ser) KIJÓ – abatido KIKÀ – enrolado KIKANU – ácido (Vd. KAN) KÍKO – escrito KIKÚ, KIKÚN – mortal KIKUN – abundância, fartura KIKUNÁ – erro KÍLÒ – quilo (medida de peso) KILÒ FUN – avisar KÍ MÁ BA – a fim de que não, por que não KÍNI – o que? Que? KÌNÌUN – leão KÍNLA! – o que! KIOSE, KIORIBE – talvez (Vd. BÓYÁ, ABOYÁ) KÍOTÓ – antes de KIRUN – orar, rezar (Vd. GBÀDÚRÀ) KÍ-TÓ – antes que KIUN – miúdo KIYESI! – atenção!, sentir, perceber, observarKÒ – rejeitar, construir, não (advérbio de negação), reunir (Vd. KI, TÍ, BÉÈKO)KO – não ser (partícula negativa, usada com o verbo ser) KO – areia, solo KÓ – aprender, adquirir, escrever, ensinar, lecionar, tossir, cantar (Vd. WÚKÓ, ERÚ, KÒWÉ) KO DAJU – dúvida KOFÍ – café (Vd. OMI DUDU) KÒ GA, KÚRÚ – ser baixo KÓ ÌWÉ – escrever no papel KOJÁ – passar (hora), passado (Vd. SEHIN, IGBANÍ) KOJÁ, KOJÁDE – acima (nas alturas). KÓ-JINLE – aprofundar KÒ-JÙLO – mais do que KOKEN – galinha da angola (Vd. ETÙ) KÓKÓ – cacau KÒKÒ – cachimbo KOKO-ÒRÒ – fato, palavra chave KÓKÓRÓ – chave KÒKÒRÒ – inseto, mosca (Vd. ESINSIN) KÒLA – noz de cola amarga sagrada para a maioria dos Orixás KOLABÁ – nome de uma sacerdotisa do culto de Xangô. KÓLÉ – assaltar uma casa KÓ-LEKÓ – doutrinar, educar KOLOFIN – marginal KOLOJÚ – inseguro KOLOKOLÓ – baixo, debaixo, raposa KÓLÒLÒ – gaguejar KÓLÙ – atacar, enfrentar, confrontar KÒNA – esquina (Vd. ORIGUN) KONDO – cassetete KÒNKÒ – sapo (Vd. ÒPOLO) KOPANIJÊ – um toque especial do orixá Obaluaiyê KO PO – juntar (Vd. WINRIN, DAPOMÓ) KÓRÈ – recolher, colher KORIBÈ – amém KORÍKO – grama, capim KÓRIN, KUNRIN – cantar cânticos KÓRÍRA – odiar, aborrecer, detestar (Vd. KERÍ, SAIFÈ, ÌRÍRA) KORÒ – amargo KORÓ – lugar, vala (Vd. OGBUN) KOSÈ – amém KÒ SÍ – não há, não tem, não está KÒ SÍLÉ – divorciar KOSOKO – sucessor legítimo e oponente de Oluwole na sucessão à chefia de Lagos KOSORO – fácilKÒ TÍÌ – ainda não KOTÌNÌ – cortina KÒ TÓ – menos que KÒTÒ – buraco (Vd. IHÀN, ISÀ, IHÒ) KÒ TÒPÉ – de nada, não há de quê KOTU– paletó (Vd. ASO ÌLÉKÈ) KÒWÉ – escrever (Vd. ERÚ) KOSERÊ – que seja feliz, e que tudo de bom aconteça. KPO – misturar ou temperar o barro (o barro que criou o homem) KPOKPO – quem mistura e tempera o barro para criar o homem. Atribuído à Obatalá KRA – espíritos guardiões que entra na pessoa ao nascer KRADU – Cidade da Nigéria KÚ – morrer, falecer (Vd. PALARO) KÙ – faltar (horas), sobrar KÚ ABÒ – bem vindo (Vd, KAÀBÒ) KU ÁLÈ – boa noite KU ARÓ – bom dia KUBUSÚ – tapete (Vd. ASO TITÉ SÍLÈ) KUIPÀ – tecido rústico KU ÌROLE, KUROLE – boa tarde (Vd. KU ÒSAN) KUJASÍ – enfrentar KUKÙ – espiga de milho KÚKÙ – cozinheiro (Vd. ALASÈ) KUKURU – baixo KULÈ – emigração dos povos KULÉKULÉ – raiz (Vd. GBÒNGBÒ)KÙMÒ, EGBÉ – clube KÚN – cheio (Vd. YÓ) KUN – cortar o animal em pedaços, pintar KÙNA – fracassar KÚNLÈ – ajoelhar-se KUNLÉ – rebocar ou caiar uma casa KUNLÓRUN – acalentar KUNLOWO – ajudar, encontrar KUNRIN – cantar (KORIN) KU ÒSAN – boa tarde (Vd. KU ÌROLE) KUREKERÈ – fada, espírito (Vd. ALÙJONÚ, ÀRONI, EGBÉRE, IWIN) KÙREKÙRÉ – fada, anão KÚRÒ – deixar um lugar KUROMU – redondo KURÒ NIBÉ! – Fora! (Vd. LÒ KURÒ ¡!!, LÓ– fora!!!!) KÚRÚ – curto, baixo, pequeno (Vd. KÉKERÉ, KÉRÉ) KUSO – cidade onde Xangô morreu KUTUKUTU – cedo (Vd. KIAKIA) ……………………………– L LÀ – abrir, partir, quebrar LÁ – chupar, lamber, fugir, sonhar (Vd. LÁ, SALO) LÀÁLÀÁ – esforço LÁÀÀRIN – entre – (no meio de) (Vd. ÀÀRIN) LÀ A RÒ YE! – Saudação à Exu (Nos dê entendimento sobre a vida) LABÁ – bolsa de couro usada no culto de SÒNGÓ LABÀ – bolsa, sacola, saco (Vd. ÀPÒ) LABALÁBÁ – borboleta LÁBÉ – sob, em baixo de (Vd. NISALE) LÁBELÈ – secretamente LABORÍ – acima de tudo LADOFO – excesso, orgulho, arrogância (Vd. ÀGBERE, ÌGBÉRAGA) LADUGBÓ – moringa LADÙN – doce (Vd. DÙN, ADÙN) LAGBAJÀ – forte (Vd. ALAGBARA, TAGUN) LAGBARÁ – poderoso LÁÌ – sem (preposição) LAI – nuca (Vd. NDÁO) LAÌ – eternamente (Vd. LAILAI, TÍTÌ-AIYE) LAIBA – sincero LAIBÓ – descoberto, nú LAIDARA – feio (Vd. ALAILEWÀ, SAILEWÀ) LAIDARÁ-FÉ – malquisto LAIDUN – desagradável (Vd. ALAIDUPE) LAIDUNMÓ – aborrecido LÁIKÚ – imortal LAIKUN – vago LAILAGBARA – fraco (Vd. SAILERA, AINI GAGBARA) LAILAI – antigo, eterno, para sempre, o começo (Vd. LAÌ, TÍTI-AIYE) LAILALÁ – ilimitado LAILANÚ – ingrato (Vd. AIDUPE) LAILEMÍ – morto (Vd. IPÓ-OKÚ) LAILESÉ – inocente (Vd. ÀIJEBI, LAINIBAWI) LAILIDI – irracional LAILOKURO – anônimo LAÌLOPIN – infinitoLAILOTÓ – falso, infiel (Vd. NIBURA, AFORANMONI) LAINIBAWI – inocente (Vd. ÀIJEBI) LAINI-BATA – descalço LAIPÉ – deficiente, imperfeito (Vd. FETÉ) LÁÌPÉ – logo LAIPÉ – que não foi chamado LAIRÉ – hostil LAIRI – invisível (Vd. ALAIHAN) LÁÌSI – sem LAISILOJUONÁ – um absurdo LAITORO – pertubado LAIWÁ – ausente LAIWOPÓ – raridade (Vd. ÀIPÓ) LAIYÀ – corajoso (Vd. ALAIBERU) LAIYÉ – sobre o mundo LAJA – pacificar (Vd. ELÉRÒ, NILAJÀ) LAKÀYÈ – juízo, senso comum LÁLA, LÁ – sonhar LALÁ – agitação LÁLÉ – noite (à noite – NI ALÉ) LALOJU – iluminar, esclarecer (Vd. FUNNINIMOLÈ) LAMÍ – sinal LAMÍ-LAMÍ – libélula (inseto lavadeira) LAMÓ – adivinhar LÁMÙRÍN – lagartixa LÁNÁ – ontem LANIYÁN – generoso LANÚ – abrir a boca LÁNULÈ – bocejar LAPÓN – trabalhador (Vd. ALAPON, ÒSISE, ONISE) LÁRA – bruto LARÁ – matéria (Vd. NLÁRA) LARA – corpo LARÍ – valor (Vd. RIRÍ) LÁRÌNKÀ – rato, camundongo LARÚN – enfermo LASAKÍ – famoso (Vd. ALASAKI, OLOKIKI) LÁSAN – conversa inútil LÁTÌ – para, de a fim de, desde LÁTÌGBÀ – desde, durante LÁTI-IBO? – de onde? LÁTIJÓ – antigamente LÁTI OWÓ – por (pelas mãos de) LÀ YÉ – explicar para LÈ – poder (verbo) LÉ – após, mais, sobra LE – forte, duro, ser firme, ser capaz LEBA – perto LÉFO – flutuar, boiar LÉGBA – Èsú, Elégbára, Elégba ou ainda Légba, seriam os nomes pelos quais é conhecido este poderoso Orixá, o primeiro criado por Obatalá e Oduduwa, tendo Ogun como irmão mais novo. LEGBÉ – junto a LÉHÌN – depois, atrás de, após LÉHINLÉHIN – muito depois LE JADE – expulsar, mandar embora (Vd. DAJADE) LE JÁDE LO – mandar sair LEKAN – agora LEKKI – Cidade da Nigéria perto de Emina LÉKO – educado LE KÚRÒ – embora (Vd. LE-LÓ) LELÉ – sobre o chão LÉ-LO – mandar embora LERÉ – turvo LERÍ – no alto, sujeira (Vd. LORÍ, LOKÉ, ÌDOTI) LÉRÒ – achar, ter pensamento LÉRÒ WÍPE – achar que, pensar que LERÚ – enorme (Vd. LEWÉ, BURU, NLANLÁ) LESE – machucar LESSÉ – aos pés (lessé orixá – seguidores do orixá). LÉTÀ – carta (Vd. ÌWÉ KÍKÒ) LÉTÒL’TÒ – segmento de um ritual LETÚ – rico (Vd. DOSO, ILORÓ, RIJE, OLOWO) LÉWÀ – beleza (ter beleza) (Vd. DÁRA, REWÀ, AREWÀ) LEWÉ – enorme (Vd. LERÚ, BURU, NLANLÁ) LÍLÒ – ida (verbo ir) (Vd. ÍLÒ) LILÓ – útil LÒ – moer, explorar, gastar, quinar LÓ – ir, fora!!!! (Vd. LÓ KURÒ ¡!!, KURÒ NIBÈ) LÒ – usar, fazer uso de, vestir (Vd. FÍ) LÓDÈ – lado de fora, lá fora LDE ONI – no presente LODÓ – no rio LÓDÓDUN – anualmente LOFÉ – grátis LOGUN – pessoa que pertença ao orixá Ogun. LÓHUN, LÓHUNYI – ali LÓJÓJÚMÓ – em cima de, todos os dias LOJO LORI – idoso (Vd. GBÓ) LÓKAN – bravo (Vd. GBOJU) LÓKÈ, LÓRÍ – mensalmente LOKÉ – no alto (Vd. LERÍ, LORÍ) LOKUN – forte LÓ KURÒ ¡!! – fora!!!! (Vd. KURÒ NIBÈ) LÓLA – amanhã LOLÓ – ultimamente LOLÚ – trancar (Vd. DINÁ) LONÁ – no caminho LONA – ontem LÓNÍ – diariamente, hoje, neste dia (Vd. ÓNÍ) LÓ-NÍLÈKULÒ – abusar, xingar, blasfemar LÓÒGÚN EDE – Divindade yorùbá considerada no Brasil filho de Ibualama ou Inle (Òsóòsì) e Òsun Yéyéponda. Homem durante seis meses, jovem e caçador. Nos outros seis, mulher, bela ninfa que só come peixes. Suas insígnias são o ofà e o leque dourado (abebe) de Òsun. Suas cores são o azul e o amarelo-ouro translúcido. Seu dia da semana é quinta-feira. Saudação – “Lóògún!”. LÓ-PO – enrolar, arregaçar (Vd. FIDI, KÁ, WÉ) LORÁ – oleoso LÓRÍ – sobre (preposição) LORÍ – no alto, sobre, acima de (Vd. LERÍ, LOKÉ) LORUN – no céu LÓRÚN – no pescoço LÓSÀN – talvez LO SÍWÁJU – seguir em frente LOSOSÙ – ter dinheiro, mensalmente LÓTÍ – ter bebida LOTÍTI – estender por muito tempo LÓTITÓ – verdadeiramente LÓTÚNLA – depois de amanhã LÒ URO! – fora! (Vd. KURÒ NIBÉ!) LÓWÓ – ter dinheiro, ser abundante LÓYÉ – inteligente (Vd. OMÚ, TAKANKAN) LOYÚN – grávida (Vd. YÚN) LU – furar (Vd. DÁ-LU, GÚN) LÙ – golpe, bater, tocar LÙ EYIN PO – bater ovos LÙ ÌLÙ – bater atabaque LUKOUN – pênis LUKUSÙ – azul LULUBÍ – véu LUWÈ – banhar, mergulhar, nadar (Vd. IMOKUN) LUWÓ – espírito guardião que entra na pessoa ao nascer ………………………..- M MA, MÁA – habitualmente, de fato, realmente MÁ, MÁ SE – não (imperativo) MÁ BINÚ– desculpe-me (Vd. DARIJI, MI, FORIJI MI) MAGA ou MAGBA – sacerdote chefe do Orixá Xangô MÀILÌ – milha MA-INA – acender o fogo MÁJÈLÉ – veneno (Vd. ORÓ) MALEKÀ – anjo MÀLÚÙ – boi MALÚ – vaca (Vd. ERANLÀ, ABO MÀLÚÙ) MALUKÉ – tumor (vd. ÀLEFÓ) MALU ORAN – mula MALÚÙ AKO – boi, vaca MÀNAMÁNA – raio (Vd. AARÁ, EDÚN AARÁ). MÀRÌWÒ – As folhas desfiadas do dendezeiro (Elaeis guyneensis, A. Cheval, PALMAE) que guarnecem as entradas de uma casa-de-santo contra os egún, os espíritos dos mortos. Tala do olho do dendezeiro desfiado. MATAMBA – vd. ÌYÁSAN MAWU – vd. ÒÒSÀÁLÁ MBÉ – existir MBÒ – vir MÉFÀ – seis (numeral) MEJÁ – lúcido, brilhante, luzente MEJE – numeral sete MEJEMÚ – acordo MEJEJI – ambos MÉJÌ – dois (numeral), casal (Vd. OKOLAYÀ) MELIKURI – Rio que fica nas Montanhas de Kofiu MELO? – quanto? (Vd. ELÓ, ÈLÓ NI) MÉLÓ NI – quantos(as)? MÉRIN – quatro (numeral) MÉRÌNDÍLÓGÚN – dezesseis (numeral) também usado para referir-se a um sistema de adivinhação usado pelos iniciados de Orixás que está baseado nos primeiros 16 versos da divindade Ifá (Odú) MÉTÀ – três (numeral) METAMETÀ – de três em três MÉWÀ – dez (numeral) MÌ – mexer, balançar MI – mim, meu, minha, eu engolir, respirar (Vd. ÈMI) MÍ – respirar MÌ ARA – balançar o corpo MÌ ESÈ – balançar a perna MIKÁN – suspirar MIMÓ – conhecido, limpo, puro, sagrado (Vd. ÒSESE, ÀIDALU) MIMOGARA – transparente MIMOKUN – mancar, manco MIMOSINU – secreto (Vd. BOKELÉ) MÌ ORI – balançar a cabeça MÍRÀN – outro MÓ – limpo, limpar, estar limpo, contra, romper o dia MÒ – conhecer, saber, entender, compreender, resolver, sentir (Vd. IMO) MO – eu (pronome pessoal), formar (Vd. ÈMI) MODAKEKE – cidade populosa situada nas colinas ao sul-oeste de Ijesa MODÉ – cheguei. MOGBÁ – título de um sacerdote do culto de Xangô. MOJÚ – saber, conhecer MOJÚBÀ – Louvação endereçada aos ancestrais ilustres, forças da natureza e aos próprios Òrìsà, durante os ofícios litúrgicos. MOLE – junto ao chão MÓLÈ – brilhar MÓLÉ – construir a casa MOLÉMOLÉ – construtor MÓLÚ – colar, aderir MÒNÀ – saber o caminho MONGÒRÒ – manga MÓORU – tempo quente MORA – junto (Vd. SIBIKAN, JÙMÒ) MORE – agradecer MÓSÀLÁSÍ – mesquita MÓTÒ – motocicleta, automóvel MOWÉ – sr capaz de nadar, ser culto MOWODURO – abrandar MÒYE – compreender, ter percepção MU – fumar MÚ – receber, concordar, pegar, ajudar, socorrer, salvar (Vd. BÒ, GBÀ, GBÉ) MÙ – beber, tomar, desaparecer, sumir MÚ, MUWÀ – pegar MUDAKE, MU SE WÓ – acalmar MUDE – acorrentar MÚ-DÌ – congelar MÚ-DÙN – animar MÚ-DÚRO – manter, sustentar, fazer ficar em pé ou esperar em pé MÚ-FERÈ, MÚ-FUYE – relampejar MUFERI – refrescar (Vd. TULARA)MÚ-JÁDE – criar, tirar fora, levar fora MÚKAAMI – magoar MÚ-KI – congelar MUKURÓ, MÙLO – levar embora, tirar (Vd. YESILÉ) MU-LE – endurecer MÚLÉKÉ – acusar alguém de mentira MULÓMULÓ – liso (Vd. OBOTÓ) MUNIYÍ – enfeitar MU OMI – tomar água MU OTÍ – tomar bebida MÚ ÒYAN, MÚ ÓYON, MÚNYON – mamar MURO – erguer, levar (Vd. FASOKÉ, FIKÓ) MUSÁ – enfraquecer (Vd. FEBIPA) MUSISE – ensinar errado MUTÌYÓ – bêbado MU-TOBI – engordar MÚ-WA – buscar, trazer MÙWÈ – nadar MUWÓ – abrigar MUWOLÉ – trazer MU-YARÁ – apressarMUZENZA – Diz-se dos filhos-de-santo nos candomblés de “nação” angola. O mesmo que iaô. Por extensão, designa a primeira saída pública do neófito no rito Angola. Significa, literalmente, “estranho ser animado”, na etimologia da língua kikongo. ………………………..- N NÁ – gastar, já, primeiro de todos NA – também NÀ – bater no animal, bater na pessoa com a mão, castigar, estender NÁÀ – aquele mesmo, “o” e “a” (artigos), também NADAGU – bombachas NA OJÀ – negociar, pechinchar NÀNÁ – Divindade das águas primordiais, dos pântanos e brejos. Associada quer ao limo fertilizante e a vida, ou a putrefação e a morte. Considerada mãe de Omolú é sincretizada com Sant’Ana. Suas cores são o vermelho, o branco e o azul que exibe em seus colares. Sua insígnia é o Ibiri – artefato confeccionado com a nervura central das folhas do dendezeiro, de ápice recurvo como um báculo. Seu dia é sábado. Saudação – “Sálùba” NÀNGÚDÙ – calça comprida NANI – sentir NÀWÓ – gastar NBA – juntar-se NBÓ – estar descascando NDÀ – onde? NDÁO – nuca (Vd. LAI) NFE – amar NEW – nadando (Vd. OMOWÉ, LUWÉ) NGBE – morando NÍ – ter (verbo possuir), falar, obter (Vd. SO, WÍ, JÉRE, RIGBÁ, DÉ, FÍ, SI) NI – é (verbo ser), em, no, na, alguém, que (Vd. ÈMI) NI – tarde (pôr do sol, fim da tarde) NI ÀÁRÒ – de manhã NÍ ABÉ – em baixo NI AÍYÉ ÒNÍ – no mundo de hoje NI ÁLE – de noite NI ÀNÁ – ontem NI APÁ – ao lado de, em torno de (Vd. KÁ) NI ARIN – no meio, entre NI ARO – de manhã NÍBÈ, NÍBÈNÁÁ – ali, lá (Vd. IBÉ) NÍBÈYEN – acolá NIBÍ – aqui, neste lugar NÍBIKÍBI – em todo lugar, qualquer lugar NIBINÚJE – triste (Vd. FIFARO) NÍBITÍ – onde NIBÓ – amplo NÍBO NI – onde? Aonde? NIBUKÚN – abençoado NIBURA – falso (Vd. LAILOTÓ, AFORANMÓNI, YOBÁ) NIDAKÉ – quieto (Vd. AIDUN, TÚTÚ) NIDAYI – nesta hora NIFAIAYA – encantador (Vd. AFAIYÁ-KORIN, GBAJÉ) NÍFE – amar NÍGBÀGBOGBO – sempre NÌGBÀNÁÀ – às vezes, então NÍGBÀTÍ – quando NÍGBÀWO NI – quando? NIGUN – magro (Vd. TERÉ, BELÉ) NÍHÒHÒ – pelado NÍ ÌFÉ – amar NI IGI, NIGI – na árvore NIJÉTÀ – anteontem (Vd. ÌJÉTA) NIJÍ – escuro (Vd. OKUNKUN) NIJOKAN – um dia NIKAN – sozinho (Vd. KANSOSO) NIKANRA – mal-humor NIKANSOSO – sozinho NILAJÀ – pacífico (Vd. ELÉRÒ, LAJA) NILARA – invejoso (Vd. ÌLARA) NILÁTI – dever, ter que NILÊ – na casa, em casa NIMÓ – sábio (Vd. GBÓN, OWOWÉ) NINI – muito (Vd. JAI) NINORA – tranqüilo NÍNÚ – dentro NÍNÚ ILE – dentro da terra NI OLÁ – amanhã NÍ ORÍ – em cima de, sobre NI ÒRU – de madrugada NI ORÙN – no pescoço NÍ OTÍ – ter bebida NÍ OTÙNLÁ – depois de amanhã NÍPÀ – sobre (a respeito de) NIPA – poderoso, valente (Vd. LAGBARÁ) NÍPA KÍNI, NÍPA TANI – acerca de quem? NÍPARÍ – enfim, finalmente NIREJE – vigarista NIRELÉ – humilde, modéstia (Vd. ÌRÈLÈ, RÉSÈSÉLÈ) NIRERA – requintado NÍRUN – ser cabeludo NISALE – embaixo, sob (Vd. LÁBÉ) NISEKUSÉ – mal (Vd. BUBURU) NÍSISÍYI – agora, imediatamente NÍSISÌYÍ KÓ – ainda não NÍ TÀNMAN – entender NITIJÚ – acanhado NÍTÒÓTÓ – em verdade NÍTORÍ, NÍTORÍTÍ – porque NÍTORÍ KÍNI? Por quê? (pergunta) NÍTORÍNA – por isso (Vd. TORI) NITORÍPÉ – porque (resposta) NÍTORÍWA – por nossa causa NIWAJU – frente NJE – partícula usada para interrogação, bem NJEUN – comendo NJO – dançar NKAN – coisa NKAN OSÙ – menstruação NKANKAN – alguma coisa, nada NKANKÍNKAN – elementos NKÓ – acerca de NKO – partícula para interrogação, não NLA – grande NLANLA – enorme NLÁRA – matéria (Vd. LARÁ) NLO – indo NÒ – esticar NOS – vá (verbo ir) NRI – vendo NRIN – caminhando NRO – pensando NSO – estar falando NSUN – dormindo NTO – urinando (Vd. TÓ) NU – sumir NÙ – limpar NWON – eles (pronome pessoal) NYÍN – você …………………….- 0 O – ele (pronome pessoal) (Vd. U) OABÍ, ARAILÉ, EBÍ ARAILÉ – parentes OBÁ – rei, ministro de xangô (Vd. ALAIYÉ, JOBA) OBÁ – Terceira mulher de Sòngó, Obá é a deusa nigeriana do rio do mesmo nome. Muitas vezes se confunde com Ìyásan, pois, além de casada com Sòngó, usa também espada de cobre. Na outra mão leva, seja um escudo, seja um leque com o qual esconde uma de suas orelhas em lembrança do episódio mítico que deu margem à sua rivalidade com Òsun. No Brasil é sincretizada com Santa Catarina e Santa Joana d’Arc. Seu dia é quarta-feira. Seus colares são de contas alternadamente amarelas e vermelhas de tonalidades leitosas. É saudada como “Obáxireê!”. Filha de Iyemonja ÓBÁBÀ – empreiteiro OBA-KUSO – rei de Kuso. Título consagrado à Xangô OBALOFUN – deus da fala OBALÚWÀIYÉ – É a “forma” jovem de Sòpònnón, do qual Omolu é a “forma” velha. Divindade da varíola e das moléstias infecto-contagiosas e epidêmicas consta como filho de Nàná, criado por Yemonja, e, portanto, irmão de Òsùmàrè. Veste-se todo de palha, com o que cobre as suas ulcerações. Sua saudação – “Atotó!” – significa “Calma!”, exigida a um deus tão poderoso e temível. Sua insígnia é o sàsàra – feixe de nervuras das folhas do dendezeiro, amarrado com tiras de couro, em vermelho e preto (ou branco e preto), incrustadas de búzios. É sincretizada, no Brasil, com São Roque, as vezes, com São Lázaro e ainda com São Sebastião, em Recife. OBANLÀ – imperador, um grande rei OBA OBINRIN – rainha mãe OBARAYI – nome de uma sacerdotisa filha de SÒNGÓ OBÀTÁLÁ – é o Deus principal dos Yorubás (Deus do Pano Branco. Outra variação é Oba-ti-ala ou Deus das visões OBATELÁ – nome de um dos obá da direita de SÒNGÓ OBASORUN – nome de um dos obá da esquerda de SÒNGÓ ÒBE – faca, lâmina OBÈ – molho, sopa, ensopado, salsa ÒBE – Termo que designa a faca usada nos sacrifícios, por extensão qualquer faca no jargão do candomblé. OBE FARIN, OBÈ-JERÍ – navalha (Vd. AGBE, ABE)OBÈ-OLOJÚ-MEJI – gilete OBERÒ – alguidar OBÈTÈ – adaga OBÌ – noz de cola. Fruto de uma palmeira africana (Cola acuminada, Schott. & Endl. – STER- CULIACEAE) aclimatada no Brasil. Indispensável no candomblé, onde serve de oferenda para os òrìsà e é usado nas práticas divinatórias simples, cortado em pedaços. ÒBÍ – parente (Vd. OLOMO, OMNU) OBÍ – fêmea, do sexo feminino OBÌNRIN – mulher OBÌNRIN OPÓ – viúva OBIRIKITI – círculo (Vd. ÀYIKÁ) OBITIKÔ – SÒNGÓ ÒBÒ – vagina ÒBO – macaco (Vd. AKITI, JAKÓ) OBOTÓ – liso (Vd. MULÓMULÓ) ÒBUKÓ – bode ÓBUN – imundo, mercado, sujo (Vd. ABÀ ÍDARÓ, OJÁ ARÓ) OBURÔ – alto título da hierarquia do culto ÓDÀ – tinta ÒDÀ – esmalte ODÁ – mercado público ÓDÁ – seca, fome (Vd. OGBELÈ, EBI) Ó DÁA – sim (Vd. BÉÈNI) ODÀÁBÓ O – até mais O DÁARÒ – até amanhã ODÀÁRÓ O – boa noite ODABÁ – empresárioÓ DABÒ – adeus!, até a volta, até logo ODÁN – planeta (Vd. EWEKO, IRAWO TI NYI OÒRÙN KA) ÒDÀN – campo ODARA, O DARA – bem, ser/estar bem ÒDÁSÀ – estilista ÒDE – do lado de fora, rua, estrada, caminho (Vd. ÓNA, ABADENÍ) ODE – caça (ato de caçar) ODÉ – caçador; nome que também é dado ao orixá ÒSÓÒSÌ ÒDE AYÉ – o mundo todo ODEDÉ – varanda. ODI – nome de um odu, jogo de ifá ÓDÍ – teimosia (Vd. ÀILETI, ÌDÍNÚ, SÓ) O DI ALÉ – até à noite O DI ARÒ – até à tarde ODIDE, ÓDE – papagaio (Vd. EIYE AYÉKÒTÍTÓ) ODIDE, ODIDERE – pena de papagaio (Vd. IKODIDÉ) O DÌGBÀ – até logo, despedida, adeus Ó DÌGBOSE! – adeus!ODINDI – completo O DI ÒSÁN – até à tarde ÓDÓ – jovem ODÒ – rio, pilão ÒDO – zero ÓDO – perto, na presença ÓDÓBINRIN – mulher jovem ODÒDÒ – verdade, justiça (Vd. OTITÓ, ÀKÓ) ÒDODÓ – flor ODODÚN – anual ODÓFIN – nome de um dos obá da direita de Xangô ODOFIN – bofe ODOFORÓ – pulmão (Vd. ÈDÒFÓRÓ, FÚKUFÚKÙ) ÓDÒGO – bobo, burro ODÓ-KERÉ – riacho (Vd. OWOLÉ, IBÚ) ODÓKÓ – puta, prostituta O DÒLA – até amanhã ODO OMI – rio que faz limite norte ocidental com Jebu ODÚ – destino (Vd. AYANMO, KADARA) ODÙ – Pronunciamento oracular resultante da prática divinatória com o òpèlè, com os cocos de dendê (vd.) ou com os búzios. Há 16 odù primários ou maiores. Suas combinações com os 16 secundários resultam em 256, cujos desdobramentos chegam a 4.096. Cada odù é nominado e pertence a uma divindade. ODÙDUWÀ ou ODUWA “A mãe que recebe” – Divindade yorubá, ora apresentada, nos mitos, como masculino e irmão de Obàtálá (vd. também Cesto-da-criação), ora como feminino e, no caso, esposa deste último. Odùduwà significa “a cabaça de onde jorrou a vida “. É evocada, no Brasil, em alguns terreiros e, também, no candomblé-dos-eguns de Itaparica (vd. Egúngún). ODUKUN – batata doce ODÚN – ano, tempo (Vd. SÁ) ODUNDUN – A folha-da-costa ou saião africano (Kalanchoe brasiliensis, Comb.). (CRASSULACEAE). Uma das folhas rituais mais importantes dos Candomblés. ODÚN KOJÁ – ano passado ODÚN N’BÁKÚ – o ano em que vamos morrer ÒDÙNKÚN – batata doce OFÀ – Designa o instrumento simbólico de Òsóòsi, consistindo num arco e flecha unidos em metal branco ou bronze. É o arco e flecha do caçador OFA – cidade situada há umas 20 milhas as nordeste da cidade de Ibadan ÒFÉ – de graça (Vd. OFÉ) ÓFÉ – assobio OFERE – Estrela D’alva OFÍ – tear (Vd. OWÚN, AWUNSO) ÒFIN – lei OFIN – armadilha OFO – zero, “não lavado”OFÒ – a perda ÓFO – lagarto (Vd. ALAMÚ, ALANGBA) OFÓ – feitiço, luto, feitiçaria, reza para Ossanhe para que ela desperte o axé contido nas folhas ÒFÓFÓ – fofoca OFORÓ – esquilo (Vd. OKERÉ) OFUN – nome de um Odu ÒFUN – garganta ÒFURUFÚRU – ar, espaço ou respiração, firmamento ÒGÀ – camaleão (Vd. AGEMO) ÒGÁ – chefe (trabalho) OGA – Título honorífico conferido, seja pelo chefe do terreiro, seja por um Òrìsà incorporado, aos beneméritos da casa-de-santo, que contribuam com sua riqueza, prestígio e poder, para a proteção e o brilho do àse. Esse tipo de título admite uma série de especificações que abrangem, desde cargos administrativos, até funções rituais. A iniciação dos ogãs é mais breve e se distingue daquela dos iaôs, por excluir a catulagem, a raspagem e alguns outros rituais. Tal como as ekedje os ogãs não são passíveis de transe. ÒGÁ ILÉ KÍKÓ – arquiteto OGA-OGO – qualificação para Olorun (Oga – pessoa distinta ou valente e Ogo – deseje saber, elogie), pessoa distinta que merece honras OGBÀ – jardim (Vd. IGBÉ) ÓGBÁ – equilíbrio ÒGBÁ – companheiro (Vd. AJUMOJOGUN) OGBE – crista de galo OGBÈ – ferido OGBELÈ – seca (Vd. ÓDÁ) ÓGBÉNI – senhor (Vd. OLUWÀ, OLÚ) OGBIN – fazendeiro (Vd. ÀGBÈ, OLOKO, AROKO) OGBO ATO – ficar velho, vida longa OGBOBÓ – jovem (Vd. SOMODÉ, TITUN, TUTU) OGBOGBA – balança OGBON – arte, algarismo 30 OGBÓN – juízo, sabedoria, inteligência OGBONI – sociedade de homens anciãos que adoram o orixá Onile OGBOYA – gato selvagem OGBUN – lugar, vala (Vd. KORÓ) ÒGÈDÈ – banana OGEDE – encantamento, feitiçaria OGENETÉ – frio (Vd. TUTÚ) OGERÒ – brando (Vd. TUJÚ, JÈJÈ) ÓGIGÍ – anzol OGINRIN – mulher OGIRI – parede OGO – caracter´stica do pênis. É derivado de “va” – esconder em uma postura dobrada ou inclinada ÒGÓ – glória, louvor, honra (Vd. ÌYÌN, BUYÍN FUN) OGODÔ – uma qualidade de Xangô. OGORIN – 80 (algarismo) ÒGÓGÓRÓ – aguardente, cachaça OGORUN – 100 (algarismo) OGORUN-ODUN – século OGOTA – 600 (algarismo) OGUÊ – instrumento de percussão feito de chifres de boi. ÓGUN – remédio (Vd. ÀSEJE) OGÙN – magia, feitiço OGUN – guerra, exército ÒGÚN – “um que perfura”. Divindade da forja e dos usuários do ferro; por extensão, da guerra e da agricultura e, também, da caça ou de todas as demais atividades que envolvem a manipulação de instrumentos de ferro. É rei de Iré e por isso chamado, no Brasil, Oníré. Costuma ser representado por um semicírculo soldado a base por uma haste, no qual se encontram, pendurados no arco do semicírculo, todo o tipo de instrumentos, que, como o conjunto inteiro, são de ferro. É filho de Yemonja e irmão de Èsú e Òsóòsì. Por isso, tem a ver com os caminhos, a caça e a pesca. Pertence-lhe a faca sacrificial. Seu dia é a terça-feira. Saudação – “Ògún yé!”. OGUROPÓ – banco de barro ÓHUM – além OHÙN – voz OHUN ÈSÓ – broche OHUN ÌKÒWÉ – caneta, lapis OHUN ÌPÀWÉRÉ – borracha OHUNKÓHUN – qualquer coisa OHUN-ONÁ – ferramenta OHUN-ORÉ – esmola OHUN-OSÓ – ornamento (Vd. ÉWÚ) OJÁ – ornamento feito com tira de pano (Vd. GÈLÈ) OJÁ – mercado, feira (Vd. ABÀ, ARÓ ÓBUN) OJÀ TÍTÀ – mercadoria OJÉ – sacerdote do culto de Egun ou Egungun OJ’ENIA – “O Orixa que entra em homens” ÓJÍ – tempestade (Vd. ÈFUFU LILE, EFUFU NLÁ) OJIJI ou OJI – alma, fantasma, sombra ÓJISÈ – mensageiro ÒJÒ – chuva OJÓ – dia (Vd. OJUMO, IJÓ) OJO – medroso ÒJÒ ÀKÓRÒ – sereno da manhã ÒJÒ ÀRÒKURÒ – sereno da noite OJOBÓ – laço OJÓ ERÉ – férias (escolares) (Vd. OLIDÉ) ÒJÒGAN – escorpião (Vd. ÀKÉKÉ) OJO-ÌSINMI, OJÓ-ÒSÈ – domingo OJÓJÚMÓ – diariamente OJOKUTOTO – tempo antigo (Vd. ÀTIJÓ, AIYÉ BAIYÉ)ÓJOLÁ – jibóia (Vd. ERÈ) ÒJÒ ODÚN – primeira chuva do ano OJÓOJÓ – dia após dia OJORA – medo (Vd. BERU, IBERU) OJÓ-ORÍ – idade OJORÓ – tarde (Vd. IROLÈ, OSAN) ÒJÒ WINNIWINNI – chuvisco ÓJOYE – um chefe OJU – rosto OJÚ – olhos, face OJÙ ÀSE – força no olhar OJUBÓ – lugar de adoração OJUBONA – professor OJUGBÁ – um companheiro OJUGBEDE – sacerdote chefe dos Orixás do ferro de Ogun em Ilé Ifé ÓJUGBON/ÒJIGBON – Alto funcionário – Talvez a palavra “Ajíbïna” seja uma expressão construída com a palavra òjigbön mais o pronome demonstrativo náà (aquele/aquela) que equivaleria a “Aquele alto funcionário”. OJUGUN – canela ÓJUJU – úlcera OJULAFENI – amigo falso OJULÉ – casa, lar (Vd. ILÉ, BUJOKO, IBUJOKO) OJUMO – dia (Vd. OJÓ, IJÓ) OJÚMOMO – luz do dia OJUMUNA – lareira OJÚNLA – cobiça OJÚ ÒBE – lâmina de faca OJÚ OJÓ – tempo (condição meteorológica) OJÚ OMI – cais, porto (Vd. ÈBÚTE, ÈBÚTE OKÒ) OJÙ ÒNÀ – caminho, estrada OJÚ ÓÒRI – sepultura, túmulo OJÚ ORÍ – fronte OJÚ ÒRUN – céu, raios solares OJURAN – transe (Vd. ÍRAN) OJURERE – vantagem (Vd. ANFANI) OJUSAN – fonte (Vd. ORISUN, ÍSUN) OJÚ SÁNMÀ – nuvens, tempo (meteorologia) OJUSIKA – fechadura (Vd. ÀLUSÉ) OJÚTÌ – vergonha OKÀ – farinha de inhame (Vd. ELÙBO) ÓKA – anel OKÁ – cereal, jibóia OKÁ-ETÍ – brincos (Vd. ORUKÁ-ETÍ) ÒKALÉ – desmontar do cavalo OKAMBI – primeiro rei de Yoruba e significa “filho único” (okan – um, bi – nascer) OKÀN – coração OKÁN – alma OKANNA – tal e qual OKANJUÁ – ambição ÒKANSOSO – um somente, só ÒKÈ – montanha, alto, colina OKÉ – título sacerdotal do rei das montanhas, filho de Iyemonja OKE-ARÓ – saudação para Oxossi. OKE ODÈ KO KÉ MA WO! – Saudação à Oxossi (Salve o Rei que é aquele que fala mais alto) OKÈ ILÉ – terraço OKEODAN – reino de menor importância ao sul de Egba ÒKÉRE – esquilo OKETE – ratazanas (animal consagrado à Ifa) ÒKÌKÍ – fama, reputação, renome OKIKISI – relatório pedido emprestado OKINKIN – um músico escravo de Okambi (significa “dono de uma porção muito pequena”) OKIRA – peixe-espada ÓKIRÍBITÍ – roda (Vd. KEDÉ) OKÓ – marido, pênis, homem (Vd. OKO, OLÓBIRIN, ALAYA) OKÒ – automóvel, navio OKÓ – roça, fazenda, enxada, “deus da fazenda, plantações, jardins e agricultura em geral” ÓKÓ – lança (Vd. ÉSIN, OLOKÓ) OKO ÀFÉSONÀ – noivo O KO-ARO – bom dia (Vd. KARÒ, E KÀÁRÒ, EKARÒ) ÒKOBO – Impotente ÓKOBÓ – mentira, falsidade (Vd. EKE, SÈKÉ, IRÓ NI) ÓKÒ-ÉRÙ – caminhão OKOLAYÀ – casal, marido e mulher (Vd. MEJÍ, OKÓ, OLÓBIRIN) OKOLORÍ – louco (Vd. ASIWERE) OKÒN – coração ÒKÓ ÒFÚRUFÚ – avião OKÒ OJÚ OMI – barco OKO OMI – barco OKO OMO ENI – genro OKÒ ORURUFÚ – avião OKORIRO, OKOSISÉ – agricultura ÓKOTÓ – caracol, caramujo (Vd. ÌGBÍN) ÒKÚ, OKÚ-NKAN – cadáver, defunto, esqueleto (Vd. EGUN) O KÚ-ALÈ – boa noite (Vd. O DARÒ, KALÈ O, E KÁALE) ÒKUN – mar, oceano OKÙN – cordão, corda, fio, linha, barbante, escuridão OKUN-DIDE – armadilha OKUN-INÚ – energia (Vd. FITAFITA) OKÚNKÚN – joelho, escuridão OKUNLÉ – ajoelhar-se OKÙNRIN, ÓKONRIN – homem OKÙNRIN OOPÓ – viúvo ÓKUNRUN – doença, estar doente ÓKURÚ – só ÒKÚTA – pedra ÒKÚTA AKO – granito ÒKÚTA-DÍDAN – diamante ÒKÚTA ONÍYEBIYE – esmeralda ÒKÚTA WEWE – areia grossa OLÀ – fortuna, riqueza, honra (Vd. ABAFÚ) ÒLA – amanhã OLÁ – autoridade, dignidade ÒLÀJÚ – pessoa civilizada (Vd. FÒYEHÀN) OLANLA – majestade ÒLE – preguiçoso OLÉ – embrião OLÈ – ladrão (Vd. AGANNIGÁN) OLELÉ – bolo feito com feijão fradinho; abará. OLIDÉ – férias (escola) (Vd. OJÓ ERÉ) OLÓ – moinho (Vd. ELO) OLO – pedra de ralar OLÓBIRIN – marido, pênis, homem (Vd. OKÓ, ALAYA) OLODÉ – o senhor da rua, do espaço, de fora OLÓDÙNMARÈ – deus supremo (Vd. OLÓÒRUN, OLÚWA) OLOFÀ – arqueiro OLOFOFO – tagarela (Vd. ONIWIKIWI, ALAHESO) OLOGBA – jardineiro (Vd. OGBÀ) OLOGBÉ – falecido (Vd. ALAISI) OLOGBÒ, OLOGINNÍ – gato OLÓGUN – soldado, gato OLÓHUN – mestre OLOJÀ – comerciante (Vd. ASOWO, ONISOWO) OLOJÒ – estranho, visita (Vd. ÁLEJÒ, ÀJASÉ, ABAMÍ, PANDAN) OLOJUKAN – caolho OLOJÚKÒKÒRÒ – aquele que tem olho grande OLOKIKÍ – famoso OLOKIM – irmão e marido de Olosa OLOKÓ – lança (Vd. ÉSIN, ÓKÓ) OLÓKÒ – motorista OLÓKÓ-OMMI – barqueiro OLÓKÒ – fazendeiro, agricultor (Vd. ÀGBÈ, AROKO) OLOKUN – deus do mar, filho de Iyemonja OLOMI – aguadeiro, vendedor de água OLOMO – parente (Vd. OMNU, ÒBI) OLONA – nome em louvor ao Orixá Ogun que significa “dono da estrada”. OLÓÒJÀ – Expressão yorubá que na língua ordinária significa seja o vendedor seja o dono do mercado. Na cosmologia do povo-de-santo, a locução dono-do-mercado equivale a um dos títulos de Èsú. OLÓÒRUN – Divindade suprema yorubá, criador do céu e da terra. Deus do firmamento. É o Eléeda, “senhor-das-criaturas-vivas”; o eléèémí “dono-da-vida”; que criou o homem e a mulher a partir do barro, encarregando seu filho, Obàtálá, de moldá-los e animá-los com o sopro vivificante. De caráter inamovível é o luminoso que permanece fora do alcance dos homens que não lhe podem render culto. Não tem insígnias. Sua cor é o branco absoluto. É também chamado de Olódù-marè. (*Olorun – dono do céu – Oni – que possui e Orun – céu. É acreditado, pelos Yorubás, que o céu tem um corpo sólido que se curva em cima da terra para cobri-la como a um telhado.) OLÓPA – policial, polícia (Vd. ILIBAN) OLOPE – ação (movimento) OLORÉ – benfeitor OLÓRÍ – Termo que designa o “dono da cabeça”, isto é, o òrìsà pessoal de cada iniciado (vd. ORÍ). OLÓRÍ – líder (Vd. AFONAHAN) OLORIN – cantor(a) (Vd. AKÓRIN) OLORÓ – festa, alegria (Vd. ÀJÓYÒ, ÀRÍYA) OLOROGUN – festa de encerramento do terreiro antes da quaresma. OLORUM – entidade suprema, força maior, que está acima de todos os orixás, Deus. OLORUM ÌJÓBÁ – reino de Deus OLÓSÀ – bandido OLOSA – Deusa da Laguna. Filha de Iyemonja principal esposa de Olokim, seu irmão) OLOSI – pobre, miserável OLOSSAIN – Sacerdote encarregado da coleta e da preparação ritual das ervas sagradas na liturgia dos candomblés. O mesmo que babalossain. OLOTÍ – alcoólatra OLOUÓ – homem rico; senhor do dinheiro OLÓWÓ – rico, sábio mais velho, venerável. (Qualificação para Olorun (ni-owo = venerável) (Vd. DOSO, ILORÓ, LETÚ, RIJE) OLOYIN – tangerina OLOYO – macaco amarelo (dizem que pode receber uma alma humana na reencarnação) OLU – senhor, fungo comestível OLUAYÈ – senhor do mundo OLUBAJÉ – cerimônia onde Obaluaiyê reparte sua comida com seus filhos e seguidores. OLUDANDÉ – redentor OLUDANWÓ – tentador OLUDE – sedutor OLÚ-FAIYÀ – bruxo OLÙFÈ – amante OLUGBALÁ – salvador OLUGBÓ – ouvinte OLÙKÓ – professor OLÙKO OBÌRIN – professora OLÙKO OKURIN – professor OLUKOTUN – o nome do ancestral mais velho, cabeça do culto de Egun. OLÚKULÙKU – cada OLUKULUKU – todo OLUÓ – o olhador, o que joga os búzios e o opelé ifá. OLUORÍNLÀ – intelectual OLUPILESE – autor, fundador (Vd. FIBALÉ, DA-SILÈ) OLURERUN – barbeiro OLUSÓ – ministro (Vd. IJOYE) OLUTA – vendedor (Vd. ARAJÁ) OLÙTÓJÚ ALAARE – enfermeira OLÚTÚMÒ ÈDE – tradutor OLÚWA – Deus, senhor (Vd. OLODUNMARÉ, ÓGBÉNI, OLÚ) OLUWO – chefe adivinhador de Ifá do conselho masculino dos anciãos OLUWOLE – rival de Kosoko na sucessão da chefia de Lagos cidade da Nigéria) O MA SE O!, O SE O! – que pena! OMI, OMMÍ – água OMI AYÉ – as águas da terra OMÍDÍDÍ – neve OMI DÚDÚ – Café OMI GBIGBONA – água quente (Vd ÈRO) OMIJE, OMIJÚ – Lágrima ÒMÌNIRA – independência, liberdade OMIÓ – água doce OMI ORISÁ – Água de santo OMIRA – sangue menstrual ÒMIRÁN, ÓMORAN – gigante ÒMIRAN – outro OMIRÓ – água do mar OMITORO – sopa (Vd. ÉBE) OMITÓRÓRÓ – urina (Vd. ÌTÓ) OMI TUTU – água fria OMI YIN YIN – água gelada ÓMNIRA – liberdade, invenção, criação (Vd., ÌDÀSÍLÈ, AIYELUJARA, RARA) OMNU – parente (Vd. OLOMO, ÒBI) OMNÚ – carrego, pavor (Vd. ERU) OMO – filho, criança OMO-AGBABÓ – filho adotivo OMÓALADÉ – princesa, príncipe OMÒBINRIN – filha OMÓDAN – donzela OMODÉ – criança, infância (Vd. ÉWE) OMO-EHIN – discípulo OMOKASÉ – dedo dos pés OMOKONRIN – menino OMOLOJU – neto OMOLU – um dos nomes de Obalúwàiyé. Omo + Olu = Filho do Senhor. Oba + Olu + Aiyé = Rei Senhor da vida. OMORÍ – tampa OMORISÁ – filho de òrisà ÒMOWÉ – ser educado, nadador (Vd. NEW) OMOWÚ – martelo OMÚ – mama, seio, mingau (Vd IGÉ) OMÚ – afiado, inteligente (Vd. LÓYÉ) ÓNA – estrada, caminho, rua (Vd. ABADENÍ, ÓDE) ONA-RÉ – adeus! ONASOKUN – um dos obá da esquerda de Xangô ONDO – um reino importante situado ao sul-leste de Ife ÒNGBE – sede ÒNÌ – crocodilo, jacaré (Vd. ALÉGBÀ, ALEGUGU, ELEGUGU) ÒNÍ – hoje (Vd. LÓNÍ) ONIBARÁ – cliente (Vd. ALÁBARÀ) ONIBODE – porteiro ONÍDAJÓ – juiz ONIDARU – Feroz, (Vd. SORO) ONIGBAGBÓ – fiel, um crente ONIGBÉJA – defensor (Vd. ONIPÉ) ONIHÁLE – fanfarrão (Vd. AFUNNÚ) ONÍÌSEGÙN – Mestres em medicina natural que dominam o poder das folhas ONIJÁ – lutador ONIJADÍ – bandido ONIJAKADÍ – um lutador ONÌKÒYI – um dos obás da esquerda de Xangô ONIKUPANI – traidor ONILÉ – dona da terra, dona da casa ONIPÉ – advogado, defensor (Vd. ONIGBÉJA) ONI’RE – nome em louvor para Ogun que significa “chefe da cidade de Ire”. ONISE – trabalhador (Vd. ALAPON, ÒSISE, LAPÓN) ONISÉGUN – médico (Vd. ELEGBOGI) ONISÒNA – escultor ONÍSOWO – comerciante ONIWIKIWI – tagarela (Vd. ALAHESO, OLOFOFO) ONIYEBIYE – que não tem preço ONJE – alimento ONJE ÀÁRÒ – café da manhã ONJE ALÉ – jantar (Vd. JEUN ALÉ) ONJE ÒSÁN – almoço ONSE OBA, ONISE – embaixador, mensageiro (referindo-se à Obatalá que seria mensageiro de Olorum) (Vd. IKÓ, OBA) ONIYAWÓ – noivo OOAKEBÊ – nome de uma sacerdotisa de Iansã OOBI – família biológica OÒGÙN – remédio OÒGÙN, LÀÁGÙN – suor – suor (Vd. AAGÚN) ÒÒNI rei da nação Yorubá ÒÓRÙN – cheiro ÒÒSÀ – Orixá ÒÒSÀÁLÁ – Este é o nome pelo qual se conhece, no Brasil, Obàtálá (o Senhor do Pano Branco) e significa “o grande Òrisà”. Filho de Olóòrun (vd.) foi encarregado por este de criar o mundo e os homens. Nesta última condição é portador dos títulos de Àjàlá, Àjàlámò e Alá-morerê. Apresenta-se ora como um jovem guerreiro, simbolizado pelo arrebol – Òsògìnyón, ora como um velho, curvado ao peso dos anos, simbolizado pelo sol poente – Òsòlúfón. Suas insígnias, em prata lavrada são, em conseqüência, ora a espada e o pilão, ora o òpásorò – um bastão com aros superpostos, adornados de pingentes, encimados por um passado (em geral uma pomba) – símbolo do poder. Costuma-se sincretizá-lo com Nosso Senhor do Bonfim. Sua cor heráldica é o branco e seu dia a sexta-feira. A ele se dedica a grande festa popular da “lavagem do Bonfim”. Saudação – “Eèpàà bàbá! Eèpàà èé!” ÒÒSÀOKO – Orixá da fazenda ÒÓTO – verdade ÒÒYÀ – pente (Vd. ÌYÀRÍ) OPA – mastro OPAXORÔ – emblema de Òòsàálá ÒPÈ – palmeira OPÈ – gratidão (Vd. IMORÈ) ÒPÈ ÒYINBÓ – abacaxi ÒPÈLÈ – Colar aberto no qual se encadeiam oito metades de coquinhos de dendê, mediante um fio trançado de palha-da-costa. É o instrumento divinatório privativo dos autênticos sacerdotes de Ifá. ÓPELÉ – mensageiro de Ifá ÒPEÈRÉ – pássaro ligado à divindade Ossanhe ÓPIN, ÒPIN ÌSÌN – fim, final, vencimento, terminal (Vd. AKOJÁ, ÌPEKUN, ÌPÁRÍ) ÓPIPI – que não tem penas OPÓ – viúva, viúvo OPÔ – pilastra ÒPOLO – sapo (Vd. KÒNKÒ) OPOLO – cérebro, miolo OPON – tina ÒPÓPÓ – rua OPOTÓ – figueira ÒPÙRÒ – mentiroso ORAN – sol (Vd. ÒFURUFURU, AIYÉ) ORÁN – assunto ORE – tatu, dádiva ÒRÈ – amigo Ó RÈ MI – cansado (estou) ORE-OFÈ – benção, graça ORÍ – cabeça ORÍ ou OLORI – (oni+ori = dono ou senhor da cabeça). Termo que designa a cabeça na vida litúrgica dos candomblés. É, além disso, uma divindade doméstica yorubá guardiã do destino e cultuada por adeptos de ambos os sexos. Também se diz que é a alma orgânica perecível, cuja sede é a cabeça e dá inteligência, sensibilidade e prosperidade. ORIBANDE – sorte ORIGUN – esquina (Vd. KÒNA) ORÍKÌ – Conjunto de narrativas da saga mística dos òrisà que proclamam seus feitos. Ocorre também sob a forma de pequenos enigmas endereçados a uma pessoa como voto de bons augúrios. ORIKI – nome de família ORIKI – evocações ORÍLÈ – nome de uma nação ORIN – cantiga ORIN IYÍN – hino ORIN MIMÓ – cântico ORIN MOMO – hino ÓRINRIN – umidade ORÍ ÒKÈ – alto da montanha ORIRÈ – boa sorte (Vd. ABAFU) ÒRISÀ – Qualquer divindade yorubá com exceção de Olóòrun . Seus equivalentes fon são voduns. A designação das divindades do culto angola-congo a que lhe correspondem é inkice. Essas equivalências são imperfeitas, pois, ao passo que uns são forças da natureza, outros são espíritos que retornam sob a representação de animais, enquanto outros ainda são espíritos ancestrais. *Orisha (sagrado ou santo = Ori – ápice, cabeça e Sha = seecionar, escolha ou ainda Ri – ver e Isha – seleção, escolha = “Ele que vê o culto”) ÒRISÀ BI – esposa de Orungan ÒRÌSÀNLÁ – É um título de Obàtálá, a partir do qual se formou, no Brasil, o nome ÒÒSÀÁLÁ. ORISUN – fonte (Vd. ÍSUN, OJUSAN) ÒRÒ – palavra ORÓ – vento, riqueza (Vd. MÁJÈLÉ, ABAFÚ) ORO – manhã (Vd. ÓWURÓ, AWURÓ, ÀÁRÒ) ORÔ – preceito, costume tradicional. OROBÔ – fruta africana que se oferece a Xangô ORÓGBÓ – Fava de uma planta africana adaptada no Brasil (Garcinia Kola, Hae-ckel, GUTTIFERAE). OROGUN – colher de pau (Vd. ÍPON) OROIJINLÉ – mistério (Vd. AWO) OROKUN – Joelho OROMBO – Limão ÒRÓMBO NLA, OSÀN – laranja (Vd. OMIJÚ) OROPO – banco de barro ÓRORÓ – fel, azeite, óleo (Vd. EPO) ORO YÀ – piada (Vd. YÈYÉ) ÒRU – meia noite ORU – calor, temor, medo (Vd. IBERU) ÓRUKA – anel ORUKÁ-ETÍ – brincos (Vd. OKÁ-ETÍ) ORÚKO – nome (Vd. IGÈ) ORÚKO – Expressão yorubá, empregada na liturgia dos candomblés, que significa “qual é o teu nome?”. Ocorre na mais expressiva cerimônia publica do candomblé”, conhecido como saída-de-santo, dia-do-nome, saída-de-iaô e muzenza. ÒRULÉ – telhado (Vd. ÍBOLÉ) ORUN – o sol (filho de Iyemonja) ÒRÚN, ÒRUN-INÁ – firmamento, céu, sol (Vd. ÒFURUFURU, AIYÉ, ORAN) ORUN-APADI – “o mundo não visto por ninguém” (uma espécie de inferno) ORUN-DIDUN – perfume ORUNGAN – filho de Iyemonja e significa orun=céu e gan(de ga) = ser alto “em pleno céu”, o espaço aparente entre o céu e a terra que é o ar. ORUNKUN – joelho (Vd. ÈKUN) ÒRÚNMÍLÀ – vd. Ifá. ÒSA – lagoa OSAN – lima ÒSÁN – à tarde (Vd. IROLÈ, OJORÓ) OSAN-ÓYINBÓ – laranja (Vd. ÓRÓMBÓ) ÒSÉ – sabão da costa africana ÒSÈ – semana, rito semanal O SE E! – obrigado! ÒSESE – fresco, limpo (Vd. TITUN, À KOTUN, MIMÓ) ÀIDALU OSE EWE (ou YGBO) – é o Senhor da floresta. Ligado às folhas e à Ossanhe com quem vive na mata OSI – braço, asa (Vd. APÁ) OSÍ – esquerdo OSIN – ministro da esquerda de Xangô (mão esquerda) ÒSISÉ – trabalhador – trabalhador (Vd. ALAPON, LAPÓN, ONISE) OSÓ, – elegância, elegante, jóia ÓSÓ – adorno OSÓ – bruxo, bruxa, beleza (Vd. EWÁ, DIDÁRA, DÁDA) ÒSÒGINYÁN – Vd. ÒÒSÀÁLÁ ÒSÓNYNÌN, ÒSÁNYIN – Òrìsà das folhas litúrgicas e medicinais, imprescindíveis para a realização do culto. Na África é considerado companheiro de Ifá e também adivinho. Seu emblema é sete hastes de ferro pontiagudas, das quais a haste central é encimada por um pássaro. As sete hastes estão soldadas pela base, formando, no seu ápice, um círculo em torno da haste com o pássaro. As cores das contas de seus colares são o verde (ou azul) e o vermelho leitoso. Seu dia é, para alguns, a segunda, e para outros, a quinta-feira. Sua saudação – “Ewé ó!”. ÒSÓÒSÌ – Filho de Iyemonja, irmão de Ògún, companheiro de Èsú e Òsónyìn, este òrisà, considerado rei de Kétu, tem o título de Ode (o Caçador). No Brasil é sincretizado, seja com São Jorge (na Bahia), seja com São Sebastião (no Rio de Janeiro e Porto Alegre). Seu símbolo é o ofà. O colar votivo é de contas azul-de-viena (azul esverdeado). Saudação – “Òkè àró”. OSORÓ – cachoeira (Vd. ITAKITI OMI) OSSI – esquerda, ou a terceira pessoa de um cargo. OSSÁ – nome de um odu ifá OSÙ – a Lua (filha de Iyemonja), mês (Vd. OSUPÁ) OSÚDÚDÚ – lua nova (Vd. IWOKUN) OSÙKEKERÉ – lua minguante OSÚ KERIN ODUN – abril (mês) ÒSÙMÀRÈ – Costuma ser identificado com o arco-íris e com a serpente. Representa a continuidade, o movimento e a eternidade. No Brasil é considerado irmão de Obalúwàiyé e filho de Nàná, possivelmente em virtude de sua origem daomeana. Dele se diz que é o Rei de Jeje. Seu símbolo é as duas cobras que leva nas mãos quando dança, sendo uma masculina e outra feminina, alusão ao seu caráter duplo de macho e fêmea. Dia consagrado: terça-feira. Colares de contas verdes e amarelas listradas. Saudação – “Aróbò bo yí!” Sincretizado com São Bartolomeu. Ó SÚ MI – estar cheio ÒSÚN – Divindade das águas, em particular no Rio Òsún, na Nigéria. É a segunda esposa de Sòngó, mas foi casada também com Ògún e Òsóòsì. Deste último casamento nasceu Lògún-ede. Seus símbolos são o leque dourado e a espada. É, pois uma iabá que se caracteriza pela coqueteria, gostando de enfeites e jóias de ouro (ou cobre amarelo). Tem o título de Ialode – chefe das mulheres do mercado, sendo sincretizada no Brasil com diversas Nossas Senhoras (da Gloria, da Conceição, do Carmo, das Candeias, da Candelária) e com Santa Luzia. Além disso, é a Rainha de Òsogbo e Òyó. Seus colares são de contas amarelo-douradas translúcidas. Saudação – “Rora yèyé o!” Seu dia é o sábado. Filha de Iyemonja. ÒSUNMARÉ – arco-íris ÒSUPÁ – lua crescente OSÚPÁNLÁ – lua cheia OSÙU – Artefato cônico, confeccionado a partir de substâncias sagradas de origem animal, vegetal e mineral, imposto à cabeça do noviço após as incisões rituais feitas sobre o alto do crânio (vd. Adósùu). ÒTÁ – inimigo OTA – pedra colocada em assentamentos de Orisás e Esus OTAROGUN – bigorna OTÉ – revolta OTÍ BÌÁ, OTI NIBÈ – cerveja OTÌ-IREKÉ – vinho doce OTÍ-KIKAN – vinagre OTILI – feijão (Vd. ÈWÀ, AWUJE) OTILI-AKARÀ – feijão fradinho (Vd. ÈWÁ) OTILI DÚDÚ – feijão preto OTILI-FUNFUN – feijão branco OTILI PUPÀ – feijão vermelho OTIN – aguardente OTÍ-OLOJÉ – gim (bebida) OTITÓ – verdade, justiça (Vd. ODÒDÒ, ÀKÓ) OTO – favoravelmente (Vd. BENI) OTO – um mentiroso OTOKÁN SÓSÓ – caçador que só tem uma flecha. Ele jamais erra o alvo por isso só precisa de uma ÒTÒTÒ – separação OTOSÍ – um coitado OTTA – aldeia do Rio Ibo que paga tributo à Ogun OTUFU – tocha (Vd. ETUFU) OTU – sacerdote que faz oferendas em nome do rei (Oba) ÒTÚN – à direita, ou segunda pessoa de um cargo OTYN – Oxossi companheiro de Ogun ÒUN – ele, ela OWERÉ – luta OWÓ – dinheiro, comércio, negócio (Vd. ÌSÒWÒ, AJÉ OWÓ) OWÓ – mão (Vd. MÃO) ÒWÒ – respeitar (Vd. JÚBÀ) OWÓ-BABA – moeda de cobre OWÓ-FADAKÁ – moeda de prata OWÓ-INÁ – brasa, fogueira, moeda corrente (Vd. ARO) ÒWÒ– respeito (Vd. ÌWÁ) ÓWOKAN – búzio OWOLÉ – riacho (Vd. ODÓ-KERÉ, IBÚ) OWÓ-ÓDE – taxas OWOWÉ – sábio (Vd. GBÓN, NIMÓ) OWÓ-WURÁ – moeda de ouro ÓWÚ – algodão OWÚ – ciúme (Vd. IJOWÚ) ÒWÚ-ABURAN – lã OWÚALANTAKUN – teia de aranha OWÚN – tear (Vd. OFÍ, AWUNSO) OWUN – vingança, desforra (ÈSAN, IGBÈSAN) ÓWURÓ – manhã (Vd, AWURÓ, ÀÁRÒ, ORO) OYA – deusa do rio Níger, filha de Iyemonja OYAYÁ – delicadeza OYÉ – Deus do vento de Harmattan que fica ao norte de Olorintítulo OYÍ – tontura ÒYINBÓ – estranho OYIN – mel OYO 0 cidade do povo Yoruba OYÚN – gravidez …………………….– P PÀ – matar, exterminar, desligar (Vd. FATU) PA – trair, afligir (Vd. DÁ, SOFOFO) PA Á – matou-a PÀÀRÒ – trocar PADA – trocar PADÀ – voltar PÁDÀBÒ – chegar, voltar, retornar PADÀ LO – voltar PADANU – perder PADÀ WÁ – retornar, voltar PÀDÉ – Rito que é desempenhado no início das cerimônias do candomblé em homenagem a Èsù, considerado necessário como rito propiciatório, pois as primícias sacrificiais devem caber àquele que é, além de primogênito da criação, o portador titular de qualquer oferenda. O seu não cumprimento é visto como implicando em perturbação de toda a ordem no ritual. PÀDÉ – encontrar, reunir-se (Vd. RÍ, BÁ, PÀDE) PA-DE – fechar PÁ EJA – pescar PAGIDARÌ! – medo, surpresa (interjeição) PA INÁ – apagar o fogo PA INÁ ILÉ – apagar a luz PA ÌTÀN – contar histórias PÁ-JE – faltar PAJUBÀ – segredo (Vd. AWÓ) PAKANLEKE – força (Vd. IPÁ) PÁKÍ – mandioca, aipim (Vd. ÈGÉ, GBÁGUDA) PAKO – bambu, vencer PÁKÓRÓ – ritual noturno dos funerais PAKÚ – apagar PÁ KÚ – executar PÀKÚTÉ – ratoeira PALARO – morrer (Vd. KÚ) PÁ LAIYÀ – aterrar PÁ LÁRA – ferir PALÈMÓ – arrumar, por em ordem PALMA – reinonativo da cidade de Lagos PAMÓ – escravo (Vd. SÁPAMÓ) PA-MO – esconder, guardar PANÁ – apagar o fogo ou a luz PANDAN – estranho (Vd. ABAMÍ, OLOJÒ, ÁLEJÒ, ÀJASÉ) PANILERIN – engraçado (Vd. ASEFE) PANLA – bacalhau PANPÉ – algemas (Vd. PAWOPÉ) PANU – bandeja PANUMÓ – parar (de falar, calar-se) PAÓ – Vd. PATEWÓ PÁPA – campo PAPAGORI – pássaro mensageiro de Xangô que, por intermédio do seu canto, envia suas mensagens PAPÓ – juntar (Vd. WINRIN, KO PO) PÁRÁDÀ – transformar, disfarçar, mudar o corpo de posição, desaparecer PARAMÓ – tomar cuidado PA RE – apagar PARÉ – desaparecer, ser destruído PARÍ – acabar, encerrar, finalizar, terminar PARÍWÒ – fazer barulho, gritar PARÓ – mentir, contar mentiras PÀRÒ – trocar (a roupa), mudar PARU – panela (Vd. TASÁ) PARUBO – matar para sacrifício PÁ RÚN – derrubar, destruir, exterminar, arruinar PASE – dar uma ordem PATA – cueca, calcinha PATAKÍ – chefe (Vd. ALAGBA) PÁTÁKO DÚDÚ – quadro-negro PÀ TÀ KO RÍ! – SAUDAÇÃO AO Orixá Ogun (O guerreiro toma conta de suas terras) PÁTÁ OBÌRIN – calcinha PÁTAPÁTA – completamente PATÉWÓ, PATÉWÓ FÚN – aplaudir PATÉWÓ ou ÌPATÉWÓ – Palmas em cadência sincopada empregadas como saudação aos Òrìsàs, bem como em circunstâncias que impõem o silêncio, como no caso do recolhimento, para indicar uma necessidade a ser atendida. Diz-se paô. PÁWODÀ – transformar, mudar o sistema PAWOPÉ – algemas (Vd. PANPÉ) PÉ – demorar, encontrar, desviar, que (Vd. BÁ, KÓ) PÈ – chamar PE – ser atrasado (questão de horário) PÉ-DÉ – chegar atrasado PEGEDÉ – terminar (Vd. GBARADÍ) PÈHINDA – retirar, voltar atrás PEJA – pescar – pescar (Vd. DEJÁ) PEJI – altar PEJÍ – Espécie de altar onde se encontram dispostos os diversos tipos de insígnias da divindade, como as pedras votivas (òta), armas e demais objetos simbólicos, e onde estão dispostos os recipientes contendo as comidas ofertadas aos Òrìsà. PEJO – reunir, congregar PÈLÉ – marcas na face caracterizando família PELEBÉ – pato PELEKE – aumentar PÈLÚ – com (preposição) PELÚ – também PÉLÙ ORÍ RERE – por acaso PEMBAS – Espécie de giz de diferentes cores que é usado para traçar desenhos mágico-religiosos e de caráter invocatório. E mais freqüentemente empregado nos ritos de umbanda. PÉPÀ – papel PÉPÀ ÌNÙDÍ – papel higiênico PÉPÀ INUWÓ – guardanapo PEPE – altar, balcão, prateleira PEPE-ÌWÉ – estante, prateleira PÉPÉIYE – pato PÉPÉIYE NLÁ – ganso PEPEKU – concha do mar PEPELÈ – banco de barro PÈPELE-ARINSÈ – calçada PERAN – matar animais PÈRE – somente PÈRÈGÚN – é a folha sagrada de uma iniciação pois ela está nas mãos de Iyaworisà e é obrigatória a cantiga dela no sire e todos os iniciados devem reverendá-la com a cabeça no chão PERE ÒGÉDE – só PÈSE – providenciar PESOKÉ – telefonar PETÉ – comida exclusiva de Oxum PEYE – inteiro PÍN – dividir (Vd. FÍN) PIN – terminar PINNU – dar ordem, decidir, resolver PIPA – matança (Vd. ITAJÉ) PÌPÈ – pronúncia PIPE – convite (Vd. KASÍ, SÁ) PITAN – contar histórias PÒ – misturar PÓ – barato PÒJÙ – é demais POKÓ – cabaça tipo terrina POKRA – reino nativo da cidade de Lagos PON – sujo PÓN – amolar, afiar PONMI – tirar água PÓN RÒRÒ – dourado PÒÒKÒ – copo feito de uma casca de coco PÒ-PÒ – bater, misturar POPOKÍ – cobertor POPONDO – ervilha POPÙ – papa PÒ PÚPÒ – bastante POSI – caixão de defunto POSSU – chefe da cidade de Epi PÒTÉTÒ – batata PÒTÉTÒ LILO – purê PÒTÒKÌ – português PÒWE – falar provérbios PUPA – vermelho (Vd. ÀWO PUPA, BI ÈJÈ) PÚPÀ – amarelo (Vd. RÚSÚRÚSÚ) PÚPÒ – muito PUTU – bom ……………………- Q …………………….- R RA – raspar, barbear-se (Vd. BÓ, FÁ) RÀ – apodrecer, comprar, engatinhar RAN – tecer (Vd., WUN, HUN, OWÚN, OFÍ) RÀN LEWO – assistir RÁN LÓ – enviar, mandar ir RÀNLÓWÓ – ajudar, mandar ajuda RÁNTÍ – lembrar (Vd. RIRANTI) RÁN WAYÀ – mandar telegrama RARA – libertar (Vd. ÓMNIRA) RÁRÁ– não (Vd. BÉÈKÓ) RARI – raspar (a cabeça) (Vd., FÁRI, ÍRARI) RÈ – cansar, estar cansado, seu, sua, dele(a), de você RÉ – morder, cortar, ir embora para (Vd. BÙ-SAN, GE-JE, JAJE, BUNIJE) RÉIN – rir (Vd. RÍN) RÉLO – seduzir (Vd. TAN, WOLOJU) REPETE – muito, bastante RÈPETÈ – muito gordo REPÓ, REPOMÓ – redonda (Vd., RIBITI, KIBITI, BIRIKITI) RERE – bem, bom (Vd. DÁADÁA) RÉRÌN – rir RÉSÈSÉLÈ – humilhação RE SÍLÈ – humilhar, abaixar RETÍ – ficar na expectativa REWÀ – belo (Vd. DÁRA, AREWÀ, LEWÀ) RÌ – afundar RÍ – ver, encontrar , ver a chuva RIBITI – redonda (Vd. REPÓ, REPOMÓ, KIBITI, BIRIKITI) RÍ FIRÍ – avistar RIGBÁ – ter (verbo possuir), falar, obter (Vd. SO, NÍ WÍ, JÉRE) RÍ HÉ – achar RIJE – rico (Vd. DOSO, ILORÓ, LETÚ, OLOWO) RÍ LÓKÈRÈ – avistar RIN – molhado, úmido (Vd. TÚTÚ, ALAIYAN, TÚTÚ) RÌN – caminhar, andar RÍN – rir RÌN ÌRÌNAJO, RÌNRÌNAJO – viajar RÌNKÁKIRI SÁRELO – passear RÍRÀ – compra RIRANTI – lembrança, memória (Vd. RANTI, IYENÚ) RIRÍ – valor (Vd. LARÍ) RIRI – tremer de medo RIRUN – quebrado (Vd. JIJÁ) RISILÉ – decair RO – doer, tenro, enrolar no corpo (Vd. JOLÒ) RÓ – jorrar, mentir, produzir sons RÒ – pensar, acalmar, consultar o médico, quebrar a cabeça (pensando) (Vd. RÓNÚ) ROBÍ – sentir as dores do parto RÒJO – chover ROJÚ – barato ROLOYÉ – tirar do cargo RONÚ – bom RÓNÚ – pensar ROPÁ – acabar RORA – cuidado (ter) RORÓ – austero RÒ WÌPE – pensar que, achar que RÙ – carregar, carregar na cabeça RÚ – florir RÚBO – sacrifício, fazer oferenda RÚ EWE – florir RUM, RUMPI, RUNLÉ – tambores usados em casa-de-santo RUN – consumir, gastar, mastigar, sucumbir RÙN – mal cheiroso RÚN – desabafar, destruir, esmagar RUNKO – Termo pelo qual se designa o aposento destinado à reclusão dos neófitos durante o processo de iniciação. É conhecido também como alíase, camarinha ou ainda àse. RÚSÚRÚSÚ – amarelo (Vd. PÚPÀ) RÚWE – florescer …………………. – S SÁ – convite, ferir, cortar, ano, tempo (Vd. ODÚN, KASÍ, PIPE) SA – fugir SÀ – arejar, catar, escolher, colher SÁÀ – estação, determinado espaço de tempo SAALARE – Título conferido ao Orisá Nanã SÁBE – debaixo SADE – aquela que gera o reino/coroa SÁ ERÉ – correr SÁFUN – evitar SÀGÁLAMÀSÀ – falsificar SÁGO – garrafão SAIFÈ – odiar, aborrecer, detestar (Vd. KERÍ, KÓRÍRA, ÌRÍRA) SAÌGBÀGBÓ – duvidar, desacreditar SAIJANÁ – absurdo SAÌKAKUN – ignorar, fazer pouco caso SAILERA – fraco (Vd. LAILAGBARA) SAILEWÀ – feio (Vd. ALAILEWÀ, LAIDARA) SAISAN – adoecer SÀJÉ – praticar bruxaria SAJU – antes SAKANI-ILU – estado SÀKI – tripa SÀKOSO – dirigir SALAÌSÍ – falecer SÁLO – fugir (Vd. LÁ, FOLO) SALU – ocorrer periodicamente SÁLUBÀTA – chinelo SAN – pagar, trovejar (Vd. GIDEBÍ) SÀN – fluir, estar bem, beneficiar SÁNÁ – acender fósforo SAN DÍÈ DÍÈ – prestação SÀNJU – melhorar de saúde SÁNKU – morte prematura SÁNLÈ – cortar a grama SÁNMÀ – céu, espaço SÁNMÒ – céu SANRA – ser gordo, engordar SANSÉ – lavar os pés (Vd. WESE) SANWÓ – pagar com dinheiro SAPAMÓ – escravo, esconder (Vd. PAMÓ) SAKPANAN,SAKPATÁ ou SÒNPÒNNÓN – deus da varíola, filho de Iyemonja SARAPEBÉ – mensageiro. SÁRÉ – correr SARE – túmulo SÀRÍYÁ – festejar, fazer festa SÀRÒYÉ – discutir SÀRÚÙTÙ – charuto SÀTUNSE – emendar SAWO O! – veja! SAWORO – Artefato de palha trançada e que tem como fecho um guizo. O noviço deve tê-lo atado ao tornozelo, e portá-lo durante um largo período ap6s a sua reclusão. Um dos símbolos cerimoniais da sujeição do iaô numa casa-de-santo. SE – fazer, criar, executar, produzir, ensaiar, formar, parar, quebrar SÈ – cozinhar, ofender, pecar SÉ – peneira (Vd. JÒ, ALADIRO, BÈ)SÉ – filtrar, peneirar, fechar com força, trocar moedas SE ÀJÓPÍN – repartir, dividir SE ALAFIA NI – como vai? (Vd. BAWO NI?) SEBÈ – fazer uma sopa SE BÍ = fingir, achar que, pensar erradamente SÉBÚ – tropeçar SEDEEDE – ser correto com a outra pessoa SE EBO = fazer oferenda SÉÉRÉ – chocalho sagrado de Xangô SÈGBÉRAGA – estar orgulhoso SÈGBÓRAN – ser obediente SÉGÈGÉ – tirar a sorte. União de certas formas de adivinhação SÉGUN – ganhar uma guerra SEHIN – para trás, passar, passado (Vd. KOJÁ, IGBANÍ) SE ÌLÀJÀ – harmonizar SE ÌPADÉ – reunir SE IRANSE – servir SE ITÓJU – manter, tomar conta de SÈKÉ – mentira, falsidade (Vd., IRÓ NI, EKE, ÓKOBÓ, ELÉKÉ) SELÈ – acontecer SE-LÉSE – ferir SE-LÉSÓ – enfeitar SELEYÁ – zombar SE OORE – fazer o bem SE ÒRISÁ – fazer o Orixá SE OSU – ficar menstruada SÈPADE – fazer reunião SERANTI – comemorar SERANWÓ – maravilhoso SERE – brincar, bailar SÉRÉ – relaxar SE RERE – fazer o bem SÈRI – cair orvalho SERÚ – falsificar SE TÁN – acabar, estar pronto(a), terminar SÈTÓJÚ – conservar, cuidar de SÉWÓ – trocar dinheiro SI – abrir, furtar SÍ – para (preposição), e, haver SI – ter (verbo possuir), falar, obter (Vd. SO, NÍ WÍ, JÉRE, RIGBÁ, DÉ, FÍ) SÌ – errar SÌBÁTA – destruir SÍBÈ – para lá SÍBÈSÍBÈ SÙGBÓN – muito embora SÍBÍ – para cá, aqui SIBI – colher SÍBÍ GÍGÙN – concha SÍBÍ IGI – colher de pau SIBIKAN – junto SÍBO NI – para onde? SÍGÀ – cigarro SÍGBONLÈ – alto e forte SÌGÌDÌ – imagem de barro, mensageiro, personificação do pesadelo (está classificado hoje em dia como Exu) SIJU – abrir os olhos SIKÉ – acalentar SILÈ – desviar SILEKUN – abrir a porta SIMI! – silêncio! SIMI, SINMI – descansar, parar, ficar (Vd. KASÉ, DA-DUKO, DÁ-DÚRO, DÚRO) SÌN – adorar, cultuar, servir SIN – enterrar SÍN – espirrar SINIMA – cinema SINKÁFA – arroz SÌNKÚ – enterrar SINRÚ – trabalhar SINSIN – descansar SÍÒ! – ora essa! SÍRÁ – partir, levantar, moverSIRÉ – brincar, festa SIRI – Conjunto de danças cerimoniais onde ocorrem distintos ritmos, cânticos e estilos coreográficos característicos do desempenho de cada Òrìsà. SISARAN – velhice SISE – funcionar SISÉ – trabalhar na cozinha, mudar (Vd. ILÉ ÌDÁNÁ) SISILÉ – aberto SISIN – adoração, renascimento SÍSIN – enterro SISÚ – aborrecimento SISUN – sono (Vd. ATISUN) SÍWÁJÚ – para frente de SIWÓ – retirar, parar, terminar SIYÈMÉJÌ – duvidar, desconfiar SÓ – empurrar,estender, esticar, puxar, arrastar, tirar, adornar, enfeitar (Vd. SÓ) SÓ – tomar conta, teimoso, soltar gases (Vd. AIGBEJE, ÓDÍ) SO – amarrar, atirar, falar, dizer, contar, esperar, golpear (Vd. WÍ, NÍ) SÒ – descarregar SÓDA – atravessar SODE – caçar SÓDÉ – fora SODI – transformar (Vd. YÉPADA) SO DI OMNIRA – libertar SÓDÒ – parar, perto de SODÚN – festejar, fazer festa SÓFO – vazio – vazio (Vd. IMOFO) SOFOFO – trair (Vd. DÁ, PA) SÓ FUN – avisar SOGE – ser vaidoso SO-JI – animar SOJÓRÓ – tapear SÒKALÈ – descer, descarregar SOKÉ – nas, para cima SOKESOKÉ – muito alto SÒKÒTÒ – calça SÒKÒTÒ OBÌNRÌN – calça comprida feminina SÒKÒTÒ-PENPE – bermuda SOKÚN – chorar SÓKÙNKUN – escuro SOLOJOJO – amamentar SOMODÉ – jovem (Vd. OGBOBÓ, TITUN, TUTU) SÒNGÓ – Divindade iorubana do raio e do trovão. Descendente do fundador mítico da cidade de Òyò e seu 4º. rei. Seu símbolo é o machado duplo, notabilizando-se ainda como o dono da pedra-do-raio, indispensável aos seus assentamentos. É viril, como atestam suas várias esposas (Òsun, Oba, Oya), violento e guerreiro, distinguindo-se, sobretudo, pelo seu senso de justiça, aspecto mais desenvolvido da sua representação no Brasil, e que o liga a São Jerônimo, com quem é sincretizado. Suas cores são o vermelho e o branco. Seu dia é quarta-feira. Saudação – “Ká wòóo, ká biyè sí!”. Um dos filhos de Iyemonja SONÙ – perder, perdido SÓ-NÙ – jogar fora SÒPE – ignorante (Vd. YÒPE, ALAILOGBON) SÓPE – agradecer SÓRÍ – sobre SORIKODÓ – desanimado SORÍKUNKUN – exigir SÒRÒ – falar, conversar, fofoca, feroz SORO – falhar, violento (Vd. BÓTI) SÓRÒ – fazer o culto (o fundamento, o ritual) SÒRO-LE – endurecer SO-SINNIKINNI – explicar SOSO – só SÒTITO – ter fé SU – defecar, evacuar SÚ – estar escuro SÙ – transformar em bolas SUBÚ – cair (pessoa) SÚFE – assobiar, mover SÚGÀ – açúcar SÙGBÓN – mas (preposição) SUJU – obscuro (Vd. JINLÉ, ÀILOKIKÍ) SÙN – dormir SUN – assar SUN EKUN – chorar SÚNKÌ – encolher SUNKUN – chorar SÙNLO – deitar para dormir SUNMO – perto SURÁ – espécie, tipo (Vd. IRÚ) SURÉ, SURÉFUN – abençoar, bendizer SÙRÙ – paciência SÙÚRÚ – paciência …………………….- T TÀ – negociar, vender, jogar na loteria TÁ – jogar TA – acender, chutar TÁBÀ – tabaco (ou charuto) TÀBÍ – ou TÀBÍLÍ – mesa TAFÀ – flechar TAFÀTAFÀ – arqueiro TÁGE – namorar,, paquerar TAGUN – forte (Vd. ALAGBARA, LAGBAJÀ) TAHÍN – palitar os dentes TA INÁ – acender o fogo TÁIWO – o primeiro gêmeo a nascer TAJÀ NI DÀÁLÈ – venda à vista TÀKA – estalar o dedo TAKANKAN – inteligente (Vd. OMÚ, LÓYÉ, FÁFÁ) TAKOTABO – macho e fêmea TÁLÁKÁ – pessoa pobre TAN – seduzir (Vd. WOLOJU, RÉLO) TÀN – acender, brilhar, iludir, enganar, espalhar TANA – vela, lâmpada, fifo TANGANRAN – zinco TANISÁNKO – centopéia TANI, TALI – quem? TANI IWO – quem é você? TANI OUN – quem é ele? TANITANI – inseto que pica TÀN-JE – enganar, iludir TÀNMAN – idéia TANNÁ – acender a luz TAPA – arrancar à força TARA – pequena pedra TASÁ – panela (Vd. PARU) TASE – rogar praga, xingar (Vd. FISÉPÈ) TATA-DE-INKICE – vd. Babalorixá. TÁYÒ – jogar TE – curvar-se (Vd. WÓ, GBUN) TÉ – extender, estabelecer, espalhar TEBOMI – imergir (Vd. JALUMI) TÉFÁ – iniciação Ifá TELÉ – antes TÈLÉ – seguir TELIFISANNU – televisão TELIFONU – telefone TE-LÓRÙN – agradar TÈMI – meu, minha TEMO – barato *TEMPO – Corresponde ao Ìrokò para a nação Ketu. Muitas vezes seus assentamentos encontra-se ao ar livre, isto é, “no tempo”. Dele se diz que é o dono da bandeira branca que distingue as casas-de-santo. Seu símbolo é uma grelha de ferro com três pontas-de-lança. É sincretizado com São Lourenço, Santo católico que sofreu o martírio sobre uma grelha. TENI – nome sacerdotal TENIA – humano TENÚ – calmo, de boa paz, gentil TENÚMO – manter, afirmar TEPÁ – tirar a pele TERÉ – magro (Vd. NIGUN, BELÉ) TÈ-RÉ – esmagar, pisar TETE – aplicado TÈTÈ – cedo TETÉ – rapidamente (Vd. FEFE, KANKAN, KÍAKÍA) TÉTÉ – loteria TETÉ KÍ – abordar TETEREGUN – Planta da família das zingiberaceae (Costus spicatus, SW.). É conhecida, ainda, como sangolovô e cana-de-macaco. Na classificação das folhas litúrgicas é considerada de agitaçåo. TETU – “o executor” TEWURE – facilmente, falsidade (Vd. YOBÁ, IRÓPIPÁ, ÈTÀN, IRÓ) TÍ – já, que, qual, cujo, o qual, ainda TÍ – não (advérbio de negação) (Vd. KÒ, KI, BÉÈKO) TI – de, pelo, partícula para formar frase no passado, ter (verbo auxiliar) TÌ – empurrar, fecharTIBO – enfiar (Vd. FIBAKÓ, KIBO) TIFE-TIFE – amizade TÌJÓLÒ – tijolo TIJÚ – envergonhado TÌKÁLÁRA MI – eu mesmo TÌKÁLÁRA WA – nós mesmo TÌKÁLÁRA WON – eles(as), mesmo(a) TÌKÁLÁRA YIN – vocês mesmo TIKURÓ – afastar TILÈ – de fato, até TÌ-LÉHÌN – defender TILÚ – nação, povo TIMÓTIMÓ – pequeno TIMTIM – travesseiro (Vd. ÌRÒRI) TÌMUTÌMUM – almofada TINABÓ, TINARAN – acender TÍNÚTINÚ – sinceramente TI OBINRIN – feminino TIPATIPÁ – quebrar (Vd. FÓ) TÌRÈ – seu, sua, dele(a), de você TISORA – tesoura TITA – queimado TITANI – de quem? TITANJE – fraude (Vd. ITANJE) TITANSAN – brilho, raios (Vd. IKOSAN) TITÉ – sagrado (Vd. MIMO) TÍTÌ – rua TÍTÍ – até Obs.: TÍTÍ DI (ATÉ em caso de tempo) TÍTÍ DÉ (ATÉ em caso de local) TÍTI-AIYE – Eternamente (Vd. LAÌ, LAILAI) TITOBÍ – grandeza TÌTUN – de novo TITUN – fresco, jovem, nova (Vd. À KOTUN, OSESE, OGBOBÓ) TIWA – nosso(a) TIWON – seus, suas, deles(as) TIYÉ – mental, vivo (Vd. ELEMI, ALAYE) TIYÍN – seus, suas, de vocês TÒ – urinar (Vd. ÌTÒ) TÓ – agredir, ser suficiente, basta TO – ficar na fila TÓBI – grande TÓBI ODE – caçarTOGEGÉ – vacilar TÓJU – cuidar, guardar, tomar conta TOKANTOKAN – de coração TOKE – alto TOKUERÁN – atuação do caçador (o caçador é quem mata a caça) TOLÈ – tocar o chão TOLOTOLÓ – peru (ave) TÒMÁTÌ LÍLO – molho de tomate TOMODE – infantil (Vd. OMÓDÉ) TORI – por isso (Vd. NÍTORÍNA) TORO – pedir TORUN – celeste TOSI – desgraçado (Vd. ÀBUKU) TÓTÓ – atenção TOUN – aquele TEWOGBÁ – aceitar, admitir, conceder, receber TU – tirar as penas TÙ – desenterrar, arrancar com raiz TUBÁ – desculpar TUBOMU – bigode (Vd. IRUN IMU) TUJOLU – amansar TUJU – brando (Vd. JÈJÈ, OGERÒ) TÚ-KÁ – desfazer TULARA – refrescar (Vd. MUFERI) TÙMÁATÌ – tomate TÚMÒ – traduzirTÚN – retorno (Vd. ÍPEHINDA) TUNDE – aquele que retornou, renascer TUNPÉ – reviver TUN SE – arrumar a casa, emendar, consertar, endireitar, mudar, refazer TUNTUN – novo(a) TUNÙ – enxaqueca, manso TÙRARÌ – incenso TÚ-SÍLÈ – desfazer TÚTÙ – sorvete (gelado), frio, molhado, úmido (Vd. OGENETÉ, RIN, FÍBO, ALAIYAN, RÍN) TUTU – alegremente, jovem (Vd. OGBOBÓ, TITUN, SOMODÉ) TÚTÚ – quieto (Vd. AIDUN, NIDAKÉ) TUWA – nosso TÚWOKA – franco ……………………..- U U – ele (Vd. O) UÁ – vir UM – beber UMBÓ – está vindo, está chegando UM DANI – segurar UM-HÚN – assim UM LÓ – levar UNJÉ – comida UÔ – olhar, reparar ……………………….- V VODUN – vd. Òrìsà. VODUNCI – vd. Ebômin. ……………………….– W WÁ – vem, rápido, ficar, procurar por vir, dirigir (do verbo ir) (Vd. KIA) WA – nós (pronome), nosso(a) (Vd. ÁWA) WÀ – estar, haver, existir, ser WÁDI – fazer perguntas WÀHÁLÁ – problema WÀ-JADE – desenterrar WÁ JEUN – vem comer WÁJÌ – nome litúrgico do anil WAJI – matiz WÁ-KÀN – descobrir, localizar WÁKÀTI – hora, segundo WÀ-KIRI – explorar WÀLÁÀ – tábua de escrever dos mulçumanos WÀ LAYÈ – viver WALÈ – cavar o chão WANA – venha cá! (Vd. WÁ) WAPÁ, WARAPA – epilepsia WÀRÀ – leite, queijo WARA OMU – leite materno WARI – Ogun cultuado na terra do mesmo nome (vem ver a chuva). É perigoso feiticeiro ligado aos antepassados. Tem temperamento muito difícil e autoritário. Veste verde claro e come com Yemonja e Oxalá. Gosta de comer cabritos pequenos, carne de marreco e não come frango em suas obrigações. Guardião do Palácio da Oxum. (descrição em estudo) WÁTO – babar WAWA – Oxossi que come com Oxalá e Xangô. Está extinto e no lugar faz-se Airá. WÈ – tomar banho, banhar, nadar WÉ , WENÚ – lavar, lavagem (Vd, FÒ, ÍWE) WÉ – enrolar, arregaçar, acariciar, embrulhar (Vd. FIDI, KÁ, LÓ-FO) WE – cobrir a cabeça com turbante WÉFUN – dizer WEJE WEJE – coisas boas WÉJO – reclamar WÉKÚ – exatamente, fielmente (Vd. GÉGÉBÍ) WÈLEKI – peludo, robusto WÉRÉ – de repente WÈRE – louco, maluco, jovem WERE – anão WEREWERE – depressa WESE – lavar os pés (Vd. SANSÉ) WEWE – amargo, azedo (Vd. KAN) WÍ – dizer, falar, pêlos (VD. SO, NÍ) WÍ FUN – avisar WINRIN – juntar (Vd. PAPÓ, DAPAMÓ, KO PO) WÍPÉ – dizer algo WIRIWIRI – estéril (Vd. ÀISESO) WIWARA – urgência WIWI – fala (Vd. ÌFÓHÚN) WIWO – torto WIWÓ – visão WÒ – olhar, assistir, vestir, curvar-se, calçar, olhe! (Vd. TE, GBUN) WO – cair, desabar, derrubar, entrar, relaxar WÓ – derrubar árvore ou animal grande WÓ ASO – vestir roupa WODI – investigar WO’GUN MÉRIN – os 4 cantos do mundo, as 4 direções WOLÉ – entrar em casa WOLÉWÒDÈ – entrar e sair WOLOJU – seduzir (Vd. TAN, RÉLO) WOMI – entrar na água WÓN – borrifar, desmontar, então WON – eles (as), seus, suas, deles(as) WO NI – qual? WÒNNÌ – aqueles (as) WONÚ – entrar WÓNWÓN – verruga WÒNYEN – aqueles (as) WÒNUÍ – estes (as) esses (as) WÓPÒ – barato WO OKÒ – entrar no ônibus WÒRAN – assistir WO-SÀN – curar WOSO – vestir-se WÙ – agradar, gostar, desejar WÚ – desenterrar, inchar WÚKÓ– tossir (Vd. KÓ) WÚLÒ – ser útil WUN – tecer (Vd. RAN, HUN, OWÚN, OFÍ) WÚRÀ – ouro (Vd. IWORÓ, ÀWO WÚRÀ) WURU – cidade situada a 10 milhas de Badagry WÚRUWÚRU – pessoa relaxada WÚSÌN – serviçal WÚWO – ser ou estar pesado WYDAH – rei de Yoruba por volta de 1728 …………………………– X Ver palavras com a letra “S” Não existe a letra “X “ na escrita Yoruba *XANGÔ – vd. Sòngó. Òrisà relacionado com o fogo, o raio, o trovão e a justiça. XAORÔ – pequenos guizos (ver SAWORO) XAXARÁ – emblema do orixá Obalúwàiyé. XEKERÉ – cabaça revestida com contas de Santa Maria ou búzios. XERÊ – chocalho especial para saudar Xangô, em cabaça com cabo ou em cobre. XIRÊ – festa, brincadeira (ver SIRE) ……………………….- Y YÀ– emprestar, desviar, dobrar, separar, inundar, desenhar (Vd. WÍN) YA – rasgar, cortar (Vd. FÁ YA) YÁ – estar bem, emprestar, pegar dinheiro emprestado YÀFIN, YEBA – dama YÀGBÉ – evacuar YÁGÒ – por favor, dá-me licença (Vd. ÀGÒ, DAKUN) YÁJU – aborrecido YALAYALA – gavião, rápido, veloz YAN – miar, escolher YÁN – espreguiçar YANJÚ – maravilhosa, linda, resolver (Vd. SERANWÓ) YÀNMUYÀNMÙ – mosquito YANRAN – bom YÁNRIBO – fêmea de tartaruga YANRIN – areia, solo YAPA – jogar YÀRÁ – apressar, quarto YARA – quatro YARÍ – ultrapassar, pentear o cabelo (Vd. JOJÚ) YARO – aleijado YARÓ – vingar (Vd. GBÉSAN, FIDÍ) YAWORÁN – desenhar YAYA – plenamente YAYÓ – alegrar-se YBUALAMO – qualidade de Oxossi. Velho caçador. Come nas águas profundas. Come com Omolu Azoani. YÉ – botar ovos, elogiar, entender YE – compreender, entender, viver YÈ – driblar YÉADA – transformar YÉÈ! – ui!, ai! (dor) YEKAN – amigo YÉLEKANA – beliscar YEN – aquele(a), aquilo YENÁ – limpar com água, limpar a estrada YENI – exemplar YÉPÀ! – medo ou surpresa YÉPADA – transformar (Vd. SODI) YÈPÈ – solo YERÉ – brinco YESILÉ – levar embora (Vd. MUKURÓ, MÙLO) YESI – quem YETÍ – brinco YEWÀ – Òrisà feminino do rio e da lagoa Yewè, na Nigèria. Uma das iabás, considerada ora irmã de iyásan, ora esposa de Òsùmáré. Seu nome significa beleza e graça. As cores de seus colares são o vermelho e o amarelo. Usa como insígnias o arpão, a âncora e a espada. Ha um vodun daomeano com o mesmo nome, cultuado em São Luís do Maranhão. Saudação – “Riró!”. YEWERE – sem valor, indigno YEWÒ – examinar, revistar YÈYÉ– piada, mãezinha, bobagem (Vd. ORO YÀ) YEYEPÀ – simpatia YÍ – rodar, revolver, rolar, virar (Vd. FIYIKA) YÍ, YÌÍ – este(a), esse(a), isto YIÁ – mãe, senhora (Vd. ÌYA AFIN) YIÁ ORI – Mãe da cabeça YÍDÉ – retornar, recorrer YIBI – grandeza YI-KA – cercar YÍN – elogiar, admirar, louvar, debulhar o milho (Vd. GÈ, FUNPÉ, IYÍN) YÍN – seus, suas, de vocês YÌN – aplaudir, glorificar, saudar YÌNBON – atirar com arma YÍNJE – comer aos poucos, beliscar YÌN-LOGO – adorar YIO – partícula usada para formar o futuro, desejo YIO NJÉ? – será? (pronome interrogativo) YI-PÁDÀ – mudar YI-PO – cercar YÍRA – transformar YÍYEGE – fracasso (Vd. ÌDETÌ) YÓ – cheio, aparecer, dissolver, tirar (Vd. KÚN) YÒ – ficar satisfeito, escorregar, ficar feliz, contente YÒ – escorregar YOBÁ – falsidade (Vd. IRÓPIPÁ, TEWURE, ÈTÀN, IRÓ) YODA – permitir YÒFÚN – felicitar YO-JÁDE – aparecer, vir para fora, sair YOJÚ – aparecer YÓ-KÍRÒ – tirar, extrair, subtrair YÓ-LENU, YOLÉNU – molestar, atrapalhar, chatear YONU – lavar a boca YÒ-OYIN-BÒ – açúcar YÒPE – ignorante (Vd. SÒPE) YORUBA – reino cuja capital é Oyo e fica ao norte de Ibadan e faz limite ao sul com Abeokuta. YORUN – tirar os pêlos YÒ-SUBÚ – escorregar YÚN – grávida, coçar, cortar, separar, serrar (Vd. LOYÚN)